Todos A Bordo

Arquivo : Aeroporto

Você sabe como é feito o batismo de um avião? Até os bombeiros são chamados
Comentários Comente

Todos a Bordo

Airbus A320 é batizado após voo da Avianca  (Foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

Não se assuste quando presenciar dois caminhões do Corpo de Bombeiros jogando água em um avião. Pode ser apenas o batismo da aeronave, uma tradição mundial na aviação para celebrar algum fato marcante relacionado a um determinado voo. Normalmente, o ritual acontece quando uma companhia aérea estreia uma nova rota ou passa a voar com um novo modelo de avião.

No entanto, há outras situações em que também ocorre o batismo, como, por exemplo, quando um comandante realiza seu último voo antes da aposentadoria, a companhia aérea encerra suas operações naquela rota ou mesmo em outras ocasiões especiais.

O batismo acontece na própria pista de taxiamento do aeroporto. Quando o avião se aproxima, dois caminhões do Corpo de Bombeiros lançam jatos de água para o alto, formando um grande arco de água. Ao passar por esse arco, o avião está oficialmente batizado naquele aeroporto. Todo o procedimento é feito pela própria equipe do aeroporto.

Muitos passageiros poderiam até se assustar com a cena. Mas não é isso o que acontece. Para tranquilizá-los, é comum o comandante do voo explicar exatamente o motivo da presença do Corpo de Bombeiros.

Foi o que aconteceu na sexta-feira (23), quando o Airbus A330-200 da Avianca taxiava na pista do aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, momentos antes de decolar para o primeiro voo com destino a Miami, nos Estados Unidos.

Pelo sistema de som do avião, o comandante avisou que a aeronave levaria um banho em homenagem ao primeiro voo da companhia com destino aos Estados Unidos. Ao chegar ao aeroporto de Miami, o Airbus A330-200 da Avianca seria novamente batizado para marcar seu primeiro pouso no aeroporto norte-americano.

Origem da tradição na aviação é incerta

O batismo é uma tradição herdada, provavelmente, da Marinha, que no mundo inteiro costuma saudar a chegada e partida dos navios com jatos de água. Como essa prática foi transferida para a aviação é algo incerto.

Acredita-se, no entanto, que a tradição tenha começado nos Estados Unidos na década de 1990, mais precisamente no aeroporto de Salt Lake City. As primeiras homenagens foram feitas para saudar os pilotos que estavam se aposentando. Rapidamente, a prática ganhou popularidade no mundo inteiro, até se tornar uma tradição em todos os aeroportos.

Leia também:

Jatos comerciais têm motor escondido na traseira. Sabe para que ele serve?

Rússia e China lançam aviões para encarar Boeing e Airbus; veja novidades

Por que os aviões têm luzes de cores diferentes nas pontas das asas?


Erros e corrupção transformaram aeroporto alemão em vergonha nacional
Comentários Comente

Todos a Bordo

Aeroporto de Berlim deveria ter sido inaugurado em outubro de 2011 (Foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

A eficiência em tudo o que produz é uma marca alemã. A obra do novo aeroporto de Berlim, no entanto, tem contrariado essa máxima. Previsto inicialmente para ser inaugurado em outubro de 2011, o novo aeroporto da capital alemã acumula anos de atraso, gastos bem acima do orçamento original e segue sem uma data definida para começar suas operações.

A única certeza é de que haverá pelo menos mais um ano de atraso. A expectativa anterior era de que o aeroporto Berlim-Bradenburgo Willy Brand finalmente fosse aberto neste mês, mas as autoridades já adiaram a inauguração para 2018, sem um mês exato. Foi a sexta vez que a inauguração do aeroporto teve de ser adiada.

Os constantes atrasos têm gerado diversos problemas e prejuízos para a capital alemã. Quando as obras tiveram início em 5 de setembro de 2006, a expectativa era de que o novo aeroporto tivesse um custo total de cerca de 2 bilhões de euros (R$ 7,4 bilhões). Mais de uma década depois, já foram consumidos mais do que o triplo do valor inicial, cerca de 6,5 bilhões de euros (R$ 24 bilhões).

Fachada do novo aeroporto de Berlim (Foto: Divulgação)

Entre os erros de projeto e até suspeitas de corrupção que se acumularam ao longo dos últimos anos, o aeroporto já virou motivo de vergonha nacional. O escândalo custou até mesmo o cargo do ex-prefeito de Berlim Klaus Wowereit, que também exercia a função de presidente do conselho fiscal das obras. Além disso, o governo de Berlim cancelou os contratos com o consórcio responsável pelas obras e contratou novas empresas.

O último problema detectado foi na instalação das portas automáticas de entrada do terminal de passageiros. Durante os testes realizados no início do ano, verificou-se que elas não fechavam direito, o que poderia gerar um grave risco de segurança em caso de incêndio. Assim, cerca de 1.200 portas automáticas estão sendo substituídas.

Além disso, havia problemas também nos detectores de fumaça e outros sistemas de combate a incêndio.

Área interna do terminal de passageiros do novo aeroporto de Berlim (Foto: Divulgação)

Erros desde o início das obras

Os problemas com o aeroporto Berlim-Bradenburgo Willy Brandt começaram logo no início das obras. O projeto inicial teve de ser alterado por questões banais. Primeiro, os administradores queriam ter mais espaço para lojas e restaurantes. Com o avanço das obras, verificou-se que os portões de embarque e desembarque de passageiros e até a quantidade de escadas rolantes eram insuficientes para o tamanho do aeroporto.

O aeroporto também sofria com a má qualidade das obras do estacionamento, falta de áreas de check-in e esteiras de bagagem. Mais de 90 km de cabos tiveram de ser substituídos por problemas na instalação e cerca de 4.000 portas foram numeradas erroneamente.

As mudanças foram feitas e, inicialmente, estava mantida a data de outubro de 2011. Poucos meses antes, no entanto, já era possível prever que o cronograma não seria cumprido, e o aeroporto teve sua inauguração marcada para o dia 3 de junho de 2012.

Dessa vez, tudo parecia seguir corretamente, e o aeroporto já se preparava para a inauguração, inclusive com simulações de funcionamento, como check-in, despacho de bagagem e controle de segurança. Menos de um mês da data prevista para receber o primeiro voo, no entanto, o aeroporto foi reprovado nos testes de combate a incêndio, e abertura foi proibida pelas autoridades locais.

Terminal de passageiros não tinha sistema adequado de combate a incêndios (Foto: Divulgação)

Enquanto eram feitas as alterações exigidas, moradores da região, que já lutavam contra o funcionamento do aeroporto durante a noite, conseguiram uma decisão judicial para obrigar a construção de novas barreiras sonoras.

A Câmara de Vereadores de Berlim chegou a instalar uma comissão de inquérito para apurar as irregularidades. O problema mais grave está no projeto de combate a incêndio, que segue recebendo modificações. Outro problema é em relação à capacidade de passageiros, que estaria abaixo do previsto.

Equipamentos de segurança já estão instalados no novo aeroporto de Berlim (Foto: Divulgação)

Ineficiência alemã

Com os atrasos da obra, Berlim sofre com uma ineficiente estrutura aeroportuária que impede até mesmo o aumento dos voos que servem a capital alemã. Berlim já chegou a ter três aeroportos: Tegel, Schönefeld e Tempelhof. Este último – e mais antigo da cidade – foi desativado em 2008, na expectativa da iminente inauguração do novo aeroporto.

Inaugurado em 1923, o aeroporto de Tegel tem uma estrutura precária e também já deveria estar desativado (a ideia era encerrar as operações no dia da inauguração do novo aeroporto), mas segue em operação para não criar ainda mais problemas para a capital alemã. O novo terminal de Berlim fica ao lado do acanhado aeroporto de Schönefeld e deverá utilizar até mesmo uma de suas pistas, mas a área de passageiros é completamente nova e independente.

Schönefeld também seria desativado com a abertura do aeroporto Berlim-Bradenburgo Willy Brand. Com as incertezas em torno do novo terminal de Berlim, no entanto, o aeroporto de Schönefeld já iniciou um processo de ampliação, e seu fechamento definitivo já é visto como improvável.

Leia também:

Pistas de Guarulhos são alargadas para voos diários do maior avião do mundo

Senado aprova mudança de nome do aeroporto de Congonhas, em São Paulo

Aeroporto de Paris tem mordomia para adulto e criança da classe econômica

Praias, rios, florestas e neve; pilotos escolhem aeroportos mais bonitos


Senado aprova mudança de nome do aeroporto de Congonhas, em São Paulo
Comentários Comente

Todos a Bordo

O Aeroporto de São Paulo/Congonhas – Deputado Freitas Nobre (Foto: Agência Brasil)

O aeroporto de Congonhas, em São Paulo, pode ganhar um novo nome nos próximos dias. O plenário do Senado aprovou na última quinta-feira (25) um projeto de lei que altera o nome do terminal da capital paulista para Aeroporto de São Paulo/Congonhas – Deputado Freitas Nobre. Atualmente, o nome oficial é apenas Aeroporto Internacional de São Paulo/Congonhas. Para que a mudança seja concretizada, ainda é necessária a sanção do presidente da República, Michel Temer.

A mudança do nome do aeroporto de Congonhas foi proposta pelo ex-deputado federal João Bittar em 2012. José de Freitas Nobre (1921-1990) era cearense de nascimento e se mudou com a família para São Paulo aos 12 anos de idade. Iniciou a carreira política como vereador de São Paulo e depois foi vice-prefeito entre 1961 e 1965 na gestão do ex-prefeito Prestes Maia

Com o golpe militar, se exilou em Paris, na França. Retornou ao Brasil em 1967, quando foi eleito novamente vereador em São Paulo. Em 1970, tornou-se deputado federal, função que exerceu por seis mandatos consecutivos. Além de político, era também advogado, escritor, professor e jornalista. Freitas Nobre morreu em 19 de novembro de 1990.

A justificativa do ex-deputado João Bittar para a escolha do aeroporto de Congonhas como local de homenagem a Freitas Nobre é que “de lá decolava semanalmente rumo a vários destinos do país com o objetivo de unir o povo brasileiro e, juntos, redemocratizarem a nossa nação”, afirma na justificativa do projeto.

Sarney também queria mudar o nome do aeroporto

Diversos outros projetos para alterar o nome do aeroporto de Congonhas já tramitaram no Congresso Nacional. Em 2001, o ex-senador Romeu Tuma, tentou mudar o nome do terminal paulista para Aeroporto de São Paulo/Congonhas – Comandante Omar Fontana. Além de piloto de avião, Fontana foi fundador da Sadia S/A Transportes Aéreos, que mais tarde se transformaria na Transbrasil.

Outro projeto, de 2011, é de autoria do ex-senador José Sarney. A intenção de Sarney era homenagear justamente o ex-senador Romeu Tuma. O projeto da mudança do nome de Congonhas foi elaborado poucos meses após a morte de Tuma. O projeto chegou a ser aprovado pelas comissões do Senado, mas nunca foi votado em plenário.

Na Câmara dos Deputados, pelo menos outros dois projetos também pretendiam mudar o nome do aeroporto de Congonhas. Em 2001, o deputado João Hermann Neto apresentou projeto para homenagear o fundador da TAM Linhas Aéreas, Comandante Rolim Amaro. No mesmo ano, o deputado Carlos Sampaio tentava homenagear o Papa João Paulo 2º.

Regras para nomes dos aeroportos

As homenagens a personalidades de diversas áreas podem ser feitas livremente pelos deputados ou senadores. A única exigência é que não sejam feitas homenagens a pessoas ainda vivas.

No caso de aeroportos, há uma lei específica, de 1953, que trata do assunto. A exigência é que os aeroportos “terão em geral a denominação das próprias cidades, vilas ou povoados em que se encontrem”. No entanto, poderão receber também a designação de “um nome de brasileiro que tenha prestado relevante serviço à causa da aviação, ou um fato histórico”.

Leia também:

90 anos da Varig: aviões tinham caviar e serviço eleito o melhor do mundo

Avião chinês Comac C919 pode custar metade dos concorrentes Boeing e Airbus

Por que quase todos os aviões são brancos?


Vestido de Papai Noel, robô canta e dança com passageiros em aeroporto
Comentários Comente

Todos a Bordo

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Um robô com pouco mais de 1,20m de altura, vestido com roupa de Papai Noel, está ajudando os passageiros a passarem o tempo no aeroporto de Glasgow, na Escócia, neste período de Natal.

O robô, que ganhou o nome de GLAdys, seguindo as letras do código internacional do aeroporto, está programado para dançar ao som de canções natalinas e também narrar contos de Natal.

GLAdys também tem uma câmara para que os passageiros possam tirar selfies e enviá-las por e-mail ou compartilhá-las em redes sociais.

O equipamento faz parte de um projeto do aeroporto para melhorar a interação com os clientes por meio da tecnologia. Os planos são de, no futuro, usar o robô não apenas para entreter os passageiros, mas também para oferecer serviços e informações, por exemplo sobre localização de lojas e detalhes sobre voos.

A menina Chloe Fortune, de 8 anos, tirou uma selfie antes de viajar (Foto: Divulgação)

A menina Chloe Fortune, de 8 anos, tirou uma selfie antes de viajar (Foto: Divulgação)

Outros aeroportos estão seguindo esta tendência. Robôs já foram ou estão sendo usados em aeroportos no Japão, no Canadá, nos Estados Unidos, na Holanda, na Suíça (veja vídeo abaixo). Na China, os equipamentos são usados para fazer a segurança.

Veja também:
Casal fofo de ursos de pelúcia estrela comercial de Natal de aeroporto

Praias, rios, florestas e neve; pilotos escolhem aeroportos mais bonitos


Casal fofo de ursos de pelúcia estrela comercial de Natal de aeroporto
Comentários Comente

Todos a Bordo

Casal de ursinhos de pelúcia estrela comercial do aeroporto de Heathrow (Foto: Divulgação)

Casal de ursinhos de pelúcia estrela comercial do aeroporto de Heathrow (Imagem: Divulgação)

Um casal de ursinhos de pelúcia viaja para encontrar a família no Natal. A partir dessa história, o aeroporto de Heathrow, em Londres, fez seu primeiro comercial dedicado ao período de festas de fim de ano, com a seguinte mensagem: “Voltar para casa é o melhor de todos os presentes de Natal”.

O vídeo segue os ursinhos, já idosos, desde o pouso até a saída da área restrita para os passageiros. Os dois se ajudam (e eventualmente recebem ajuda) na hora de pegar as malas e de usar a escada rolante. Passam pelo controle de passaportes e até param para comprar presentes de última hora.

As filmagens foram feitas durante três dias, sem que as operações do aeroporto fossem interrompidas. Uma equipe cuidou da logística para que as gravações fossem feitas em vários terminais, no campo de pouso e em áreas restritas do aeroporto.

(Foto: Divulgação/Aeroporto de Heathrow)

(Imagem: Divulgação)

“O Natal é minha época favorita do ano em Heathrow – o aeroporto está cheio de famílias e amigos se reunindo para este período especial”, diz o diretor comercial do aeroporto, Jonathan Coen.

“Adoramos o vídeo e esperamos que a viagem dos ursos pelo aeroporto capture a alegria que você sente quando caminha por Heathrow até a área de chegadas para encontrar seus familiares no Natal.”

Confira o vídeo:

Leia também:
Praias, rios, florestas e neve; pilotos escolhem aeroportos mais bonitos
Passageiros dizem quais os melhores aeroportos do mundo para esperar um voo
Aeroporto mais movimentado do mundo recebe 2,6 vezes mais gente que o de SP


Por que os aviões mudam o sentido de pouso e decolagem nas pistas?
Comentários Comente

Todos a Bordo

A320neo_CFM_engine_first_flight_landing

Direção do vento é fundamental para um pouso seguro (Foto: Divulgação/Airbus)

Por Vinícius Casagrande

Quem está acostumado a passar sempre perto de aeroportos já deve ter reparado que em um determinado dia os aviões pousam em um lado da pista e, em outros, no lado oposto. Os sentidos dos pousos e decolagens podem ser alterados, inclusive, no mesmo dia.

A escolha da direção na qual os aviões chegam ou saem depende da direção do vento naquele momento. Todas as aeronaves – aviões e helicópteros – devem decolar e pousar com vento de frente para garantir a segurança das operações.

“Deve-se decolar sempre com vento de proa (frente) para diminuir a distância de decolagem e aumentar o ângulo de subida. Caso o vento diminua repentinamente, a segurança não será afetada se o piloto decolou com 120% a 130% da velocidade de estol (a mínima necessária para dar sustentação ao voo)”, afirma o engenheiro aeronáutico Jorge Homa no livro “Aerodinâmica e Teoria de Voo”.

No pouso, os ventos frontais permitem uma aproximação com velocidade mais baixa em relação ao solo. Isso faz com que, ao tocar o chão mais lentamente, se percorra uma distância menor para frear o avião.

Instantes antes da decolagem ou do pouso, os pilotos são sempre informados pela torre de controle da direção e velocidade do vento. Em aeroportos pequenos, que não contam com controle de tráfego aéreo, a indicação é feita pela biruta – um cone de tecido com abertura nas duas extremidades que fica localizado no alto de um poste próximo à pista.

Nem sempre, no entanto, os aviões conseguem pousar ou decolar com ventos frontais. Quando o ar sopra lateralmente, a atenção dos pilotos deve ser redobrada. É que o vento pode empurrar o avião para fora do eixo da pista e o piloto precisa corrigir esse desvio.

No entanto, cada modelo de avião conta com uma velocidade limite dos ventos laterais para os pousos ou decolagens.

Sem vento

Quando os ventos estiverem abaixo de 10 km/h, independentemente da direção em que sopram, os pilotos ou os controladores de tráfego aéreo poderão decidir qual a melhor cabeceira da pista a ser utilizada para as operações naquele momento.

Os critérios podem ser a condição do piso, a inclinação da pista, obstáculos como montanhas ou prédios ou simplesmente o melhor fluxo para o tráfego aéreo.

Planejamento de novos aeroportos

A direção dos ventos é um dos primeiros fatores a serem analisados na hora de fazer o planejamento de construção de novos aeroportos. A predominância dos ventos ao longo do ano é o que vai determinar onde a pista de pouso e decolagem será construída.

A intenção é que, na maior parte do ano, os aviões possam se aproximar ou partir com os ventos mais frontais possíveis.

Em maio deste ano, um aeroporto em um território ultramarino britânico não pôde ser inaugurado por conta dos fortes ventos. Durante os testes, os pilotos tiveram de arremeter e na segunda tentativa quase não conseguiram pousar por conta dos ventos.

Em grandes aeroportos nos quais a direção do vento varia constantemente pode haver, inclusive, a construção de pistas perpendiculares.

Veja como ventos fortes balançam aviões durante o pouso

Leia mais:

Por que devo colocar o assento na posição vertical em pousos e decolagens?

Por que as luzes são apagadas no pouso e decolagem dos aviões?

Contra ruído de aviões, aeroporto vai testar pousos mais íngremes

Por que hoje os voos são mais lentos do que há 40 anos?


Passageiros dizem quais os melhores aeroportos do mundo para esperar um voo
Comentários Comente

Todos a Bordo

Passageiros em lounge do Aeroporto Internacional Changi, em Cingapura (Foto: jovt/Getty Images)

Passageiros em lounge do Aeroporto Internacional Changi, em Cingapura (Foto: jovt/Getty Images)

Qual o melhor aeroporto para o passageiro que precisa esperar pelo voo? O site “The Guide to Sleeping in Airports” (Guia para Dormir em Aeroportos) fez uma pesquisa levando em consideração os serviços e as instalações dos aeroportos, a limpeza, a segurança, as opções de alimentação e de coisas para fazer para ‘matar o tempo’.

No quesito “experiência geral” dos viajantes, a Ásia domina o topo do ranking mundial, com os aeroportos de Cingapura, Coreia do Sul, Japão e Taiwan.

Considerando só América do Sul, o primeiro colocado é o aeroporto de Montevidéu, no Uruguai. O representante do Brasil mais bem posicionado é o aeroporto do Galeão, que aparece em oitavo lugar.

Os rankings foram feitos a partir de comentários e notas dadas pelos passageiros por meio do site –a maioria veio de usuários da América do Norte, Ásia e Europa. O levantamento não tem valor científico porque não faz uma divisão exata do peso de usuários pelo mundo.

Confira os que foram considerados melhores:

1. Cingapura
Aeroporto de Changi

O aeroporto tem jardins, spa, cinema e estações de vídeo game. Para escalas mais longas, há um serviço gratuito com passeios pela cidade-Estado.

 

2. Coreia do Sul
Aeroporto Internacional de Incheon, em Seul

As opções para passar o tempo incluem um centro cultural, jardins e pista de gelo. Também há chuveiros que podem ser usados de graça.

 

3. Japão
Aeroporto Internacional de Tóquio (Haneda)

A limpeza foi indicada como ponto positivo. Para descanso, foram bem avaliados os bancos sem divisórias, o hotel anexo ao terminal e a sensação de segurança no aeroporto.

 

Aeroporto Internacional Haneda, em Tóquio. Foto: Sean Kuma/Getty Images

Aeroporto Internacional Haneda, em Tóquio. Foto: Sean Kuma/Getty Images

4. Taiwan
Aeroporto Internacional de Taipé (Taoyuan)

A decoração criativa, com temas diferentes em várias áreas, foi um ponto alto na pesquisa. A maioria dos temas é combinado com atividades para os passageiros, como lições de caligrafia ou degustação da culinária local.

 

5. Alemanha
Aeroporto Internacional de Munique

Aspectos básicos, como limpeza, organização e atendimento ao cliente foram bem avaliados, assim como o campo de minigolfe e a cervejaria.

 

6. Japão
Aeroporto Internacional Kansai (Osaka)

O aeroporto ganhou pontos principalmente por ter uma nova área exclusiva para quem quiser dormir, com bancos grandes, empréstimo de cobertores e lugar para guardar a bagagem.

 

7. Canadá
Aeroporto Internacional de Vancouver

A variedade de lojas e restaurantes foi bem avaliada, assim como o aquário.

 

8. Finlândia
Aeroporto de Helsinque

As pessoas que responderam ao levantamento gostaram das cabines para dormir, algumas delas gratuitas e disponíveis das 6h às 22h.  

 

9. Estônia
Aeroporto Internacional de Tallinn

Um ponto ressaltado foi a sala de leitura, com livros que podem inclusive ser levados pelos viajantes e devolvidos no retorno.

 

Aeroporto Internacional de Zurique. Foto: Rafael Wiedenmeier/Getty Images

Aeroporto Internacional de Zurique. Foto: Rafael Wiedenmeier/Getty Images

10. Suíça
Aeroporto Internacional de Zurique (Kloten)

O esquema de sinalização foi apontado como um dos destaques, por facilitar a vida de quem está procurando o portão de embarque.

 

Aeroportos com as piores avaliações:

 

1. Arábia Saudita
Aeroporto Internacional Rei Abdulaziz (Jedá)

2. Sudão do Sul
Aeroporto Internacional de Juba

3. Nigéria
Aeroporto Internacional de Port Harcourt

4. Uzbequistão
Aeroporto Internacional de Tashkent

5. Grécia
Aeroporto Nacional de Santorini (Thira)

6. Grécia
Aeroporto Internacional de Chania

7. Grécia
Aeroporto Internacional de Heraklion (Creta)

8. Venezuela
Aeroporto Internacional Simón Bolívar (Caracas)

9. Inglaterra
Aeroporto Internacional Luton (Londres)

10. Nepal
Aeroporto Internacional de Tribhuvan (Katmandu)

 

Há ainda outras duas listas: uma com os melhores e piores aeroportos para dormir e outra com os melhores e piores para fazer uma escala.

 

Leia também:
Aeroportos na China têm fila cor de rosa só para mulheres na área do raio X
Aeroportos antigos viram hotéis, pista de boliche e abrigo para refugiados
O aeroporto do futuro terá pista de pouso em passarelas no meio da cidade?


Passageiro pega o voo errado nos EUA e vai parar a 2.000 km de distância
Comentários Comente

Todos a Bordo

Imagem: Getty Images

Imagem: Getty Images

Um passageiro desatento embarcou em um avião errado no aeroporto de Sacramento, no Estado da Califórnia, nos EUA, e foi parar a mais de 2.000 km de distância de seu destino original.

Fernando Giron pretendia fazer uma viagem de pouco mais de uma hora até a cidade californiana de Los Angeles, mas acabou voando por mais de três horas até chegar a Dallas, no Estado do Texas.

O problema ocorreu quando os dois voos faziam o embarque no mesmo horário, em portões vizinhos. “Olhei no monitor de informações, vi o portão e pensei que estava no lugar certo”, afirmou Giron à rede de televisão CBS.

Ao apresentar o cartão de embarque aos funcionários da American Airlines, o documento foi escaneado e o embarque foi autorizado, sem que ninguém percebesse o engano. O assento marcado também estava livre e o passageiro sentou-se tranquilamente.

Espanto geral

Giron só notou que havia embarcado no avião errado quando, já em voo, o piloto começou a passar informações sobre a viagem que deveria ser para Los Angeles. “Foi quando o piloto anunciou que o tempo estava limpo e que seria um voo suave até Dallas”, disse.

O passageiro conta que ao comunicar a tripulação sobre o engano o espanto foi geral. “Todos estavam chocados e eles não tinham explicação para o que havia acontecido”, relatou.

Em um comunicado à rede CBS, a American Airlines afirmou que está investigando o caso. “Estamos ciente do incidente e investigando com a nossa equipe de Sacramento como isso aconteceu. O setor de relações com os consumidores entrará em contato diretamente com o passageiro”, disse o comunicado.

Questão de segurança

Com o embarque no voo errado, Giron perdeu a reunião de negócios que faria em Los Angeles. Mais do que isso, no entanto, a grande preocupação dele é em relação à segurança. “Isso é uma questão de segurança nacional porque eles não sabem exatamente quem está a bordo do avião”, afirmou.

O passageiro espera conseguir remarcar a reunião e não perder o negócio que pretendia fechar em Los Angeles. Da próxima vez, no entanto, não pretende ir de avião. “Agora, vou dirigindo”, disse.

Leia mais:

Passageiro é expulso de voo nos EUA após chamar aeromoça de ‘sexy’

Cueca de fora, porco agitado e homem fedido: razões para barrar passageiros

Passageiros ‘causando’ durante o voo: total de casos sobe e preocupa aéreas


Aeroportos na China têm fila cor de rosa só para mulheres na área do raio-X
Comentários Comente

Todos a Bordo

Foto: Getty Images

Foto: ViktorCap/Getty Images

Na China, os aeroportos estão criando filas exclusivas para mulheres passarem no raio-X, na área de controle de segurança.

Em setembro, o aeroporto internacional de Guangzhou Baiyun, na província de Guangdong, sudeste do país, criou três filas separadas, sinalizadas pela cor rosa, e atendidas somente por seguranças mulheres.

O aeroporto internacional de Pequim também adotou filas exclusivas para mulheres em março, antes da temporada de viagens da primavera. Aeroportos das cidades de Shenzhen, Kumming e Wuhan também decidiram separar o atendimento para as passageiras.

O objetivo, segundo as autoridades, é evitar que as passageiras sintam-se desconfortáveis se precisarem ser revistadas por seguranças –já que, nesse caso, isso será feito por profissionais do sexo feminino.

Outro objetivo, afirmam, é reduzir o tempo de espera (especialmente para os homens), já que as mulheres costumam carregar mais objetos que precisam ser inspecionados.

“As mulheres normalmente trazem mais coisas para embarcar, e nós pedimos normalmente que elas se preparem antecipadamente para passar pela checagem itens como cosméticos, celulares, iPads e outros pertences, para ajudar a economizar tempo”, disse uma das seguranças mulheres, Liang Yanfei, ao jornal “China Daily“.

Discriminação ou serviço VIP?

A representante da Federação de Mulheres local, He Ying, diz que não vê discriminação contra o público feminino na decisão. “Abrir uma fila de segurança para as mulheres, assim como aumentar o número de banheiros para mulheres, mostra cuidado com este público, não discriminação”, disse ao jornal “China Daily“.

Para ela, as mulheres “geralmente precisam de mais tempo para passar pela segurança nos aeroportos; sendo assim, criar essas filas exclusivas certamente vai ajudar o aeroporto a operar sem dificuldades”.

“Nós nos sentimos mais confortáveis quando nossos casacos e malas são verificados por seguranças mulheres. Eu acho que isso é como um serviço VIP para as mulheres”, disse uma passageira sobre o aeroporto de Pequim, segundo o jornal “People’s Daily“.

Filas só para homens

Segundo o jornal “The New York Times“, as iniciativas seguem uma tendência de proteção das mulheres contra experiências degradantes ou hostis. A ideia, no entanto, é visto por alguns como um “retorno aos costumes paternalistas”.

Também há informações sobre aeroportos chineses –como os de Xangai, Chengdu e Tianjin, entre outros– que adotaram filas exclusivas para homens.

Leia também:
Já pensou em avião com mictório? Fabricantes estudam como mudar banheiro
EUA tinham voo só para homens com bebida grátis e charuto liberado a bordo


3.000 figurantes fingem viagem de avião para testar embarque do Galeão
Comentários Comente

Todos a Bordo

Na próxima segunda (23), o Aeroporto Internacional Tom Jobim (RIOGaleão), no Rio de Janeiro, inaugura uma nova área de embarque que funcionará como uma extensão do terminal 2. O Píer Sul, como é chamado, tem mais de 100 mil metros quadrados, 26 novas pontes de embarque e uma alameda de lojas e restaurantes de 30 mil metros quadrados.

Para testar se os serviços oferecidos serão bem recebidos pelos mais de 17 milhões de passageiros que passam por lá todos os anos, o aeroporto convocou voluntários para participarem de uma série de simulações. Os experimentos incluem desde tempo gasto no check-in até procedimentos em caso de um incêndio de grandes proporções.

Imagem: Aline Christiane Massuca/RIOGaleão

Voluntários preparam-se para fazer o check-in em nova área de embarque

Imagem: Aline Christiane Massuca/RIOGaleão

Até agora, 40 testes foram realizados. Entre outras experiências, voluntários tinham que encontrar o portão de embarque

Do início do ano até agora, mais de 3.000 “figurantes” foram chamados para os 40 testes. Segundo o aeroporto, o perfil varia de acordo com o que será testado —em alguns casos, as pessoas não conhecem os procedimentos de aeroporto e, em outros, são profissionais da área.

No último teste, aproximadamente 100 pessoas, a maioria estudante de engenharia, arquitetura, ciências aeronáuticas e turismo, simularam situações de embarque e desembarque na nova área, começando pelo check-in com destino a Frankfurt, na Alemanha.

Os estudantes também tiveram que despachar a bagagem (80 malas), caminhar até a área de embarque do novo Píer e encontrar seus assentos em um Boeing 747-8 da Lufthansa. Por se tratar de um teste, é claro que a viagem para a Alemanha era fictícia. Os estudantes permaneceram poucos minutos dentro do avião e já começaram os testes de desembarque e restituição de bagagem.   

Imagem: Aline Christiane Massuca/RIOGaleão

Voluntários esperam suas malas em esteira da nova área do RIOGaleão

Imagem: Aline Christiane Massuca/RIOGaleão

O embarque em um Boeing 747-8 da Lufthansa também fazia parte dos testes

Segundo a concessionária que administra o aeroporto, os resultados foram satisfatórios e a nova área está preparada para receber os passageiros reais.

Esse tipo de avaliação feita com voluntários é comum em novos aeroportos e faz parte de um processo chamado de ORAT (Operational Readiness, Activation and Transition ou Disponibilidade Operacional, Ativação e Transição). Trata-se de uma metodologia de trabalho que ajuda a direcionar como será o processo para construção e conclusão de um novo aeroporto ou parte dele.

De acordo com projeções da concessionária que administra o aeroporto, a movimentação no RIOGaleão deve aumentar este ano em cerca de 1 milhão de passageiros, chegando a 18,5 milhões ao longo de 2016. O aumento acontecerá, principalmente, por causa dos Jogos Olímpicos.

Leia também: 

Para ter sorte, pilotos desenhavam de pin-up a tubarão em aviões de guerra

Turbina, porta e roda usada de avião viram poltrona, mesa e relógio de luxo

Cães treinados para encontrar droga só conseguem achar comida em aeroporto

Aviões gigantes têm nove asas e transportam até 50 carros; conheça alguns

Para espantar aves, aeroportos usam falcão-robô, cão e sabre de ‘Star Wars’

Fãs transformam aviões em casa, bar, hotel e até barco

Tags : Aeroporto