IPCA
-0.04 Set.2019
Topo
Blog Todos a Bordo

Blog Todos a Bordo

Sistema polêmico do Boeing 737 Max exige treino extra de pilotos no Brasil

Alexandre Saconi

14/03/2019 04h00

As empresas brasileiras que compram aviões Boeing modelo 737 Max são obrigadas a treinar os pilotos devido a uma série de diferenças em relação ao modelo anterior, o 737 NG (Next Generation) –especialmente um sistema de manobras considerado polêmico. O modelo de avião se envolveu em dois acidentes fatais nos últimos cinco meses.

O treinamento é obrigatório desde janeiro de 2018, segundo informações da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), órgão que regula o setor no Brasil. Sempre que um novo avião comercial é certificado em seu país de origem, a Anac também precisa fazer o processo de certificação por aqui e definir, por exemplo, se os pilotos precisam passar por algum treinamento específico. 

No Brasil, a única empresa nacional a operar o avião é a Gol. A companhia informou que "todos os pilotos receberam o treinamento de diferenças entre os equipamentos 737 Next Generation e 737 Max, que é recomendado pela Boeing e homologado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac)".

LEIA TAMBÉM:

Boeing 737 Max 8, que teve 2 acidentes em 5 meses, possui sistema polêmico
Boeing preparava mudança em jato desde 1º acidente com 737 Max, em outubro
Gol suspende Max8, mas diz que mantém voos para EUA com outros modelos

Boeing suspende apresentação do modelo 777X após acidente da Ethiopian

Hoje, a Boeing decidiu recomendar a suspensão do uso do modelo no mundo todo. No Brasil, o uso já havia sido suspenso pelas companhias que o operam.

Certificação no mercado brasileiro

Quando uma nova aeronave da aviação comercial é certificada em seu país de origem, a Anac também precisa realizar o processo de certificação. É esse processo que concede o Certificado de Aeronavegabilidade, permitindo que o avião voe no Brasil.

Em seguida, a agência elabora um Relatório de Avaliação Operacional, com o objetivo de checar as condições técnicas e operacionais da aeronave, assim como as variações entre os modelos. Com essas informações, a agência apura a necessidade de desenvolvimento e aprovação de treinamentos específicos para que os pilotos possam operar as novas aeronaves.

A Anac ainda define se há necessidade de atualização sobre as diferenças entre um modelo e outro, como o que ocorreu entre o 737 NG e o 737 Max 8, pertencentes ao mesmo grupo.

Polêmico sistema de manobras

O resultado da avaliação da agência apontou a necessidade de um treinamento específico sobre diversos itens, entre eles, o MCAS (Maneuvering Characteristics Augmentation System, ou Sistema de Aumento das Características de Manobra).

Com isso, as empresas aéreas que quiserem voar o 737 Max 8 no Brasil devem qualificar os pilotos e checar seu treinamento, como mostra a imagem abaixo.

Esse sistema tem sido alvo de críticas e há suspeita de que ele teria tido algum papel no acidente da Lion Air em outubro, na Indonésia.  A influência do MCAS na queda das aeronaves não é certa, e é necessário aguardar os relatórios finais das investigações para determinar as causas dos acidentes.

Caixas-pretas do Boeing que caiu na Etiópia serão enviadas à Europa

AFP

Sobre o blog

Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra notícias sobre aviões, helicópteros, viagens, passagens, companhias aéreas e curiosidades sobre a fascinante experiência de voar.

Mais Todos a Bordo