IPCA
-0.04 Set.2019
Topo
Blog Todos a Bordo

Blog Todos a Bordo

Azul pode se beneficiar com a fusão da Embraer com a Boeing, diz presidente

Vinícius Casagrande

17/12/2018 15h51

Embraer 195 da Azul; companhia tem 51 pedidos da versão E2 (Divulgação)

A Azul, única companhia brasileira a operar jatos da Embraer, pode sair beneficiada com a fusão entre Boeing e Embraer, segundo seu presidente, John Rodgerson. Em entrevista ao Todos a Bordo no final de novembro, ele afirmou que o negócio deve gerar benefícios à Azul com a redução do preço dos aviões e de outros serviços, como manutenção.

"Acho que muda a habilidade para negociar. O fato é que a Embraer vai ter muito mais escala. Quando a Boeing senta com a GE ou com a Pratt & Whitney [fabricantes de motores de avião] para negociar, é uma outra conversa do que quando a Embraer senta com eles. Quem você acha que vai ter melhor negociação de preço, quem fabrica cem aeronaves por ano ou quem faz 60 aeronaves por mês?", afirmou Rodgerson.

Leia também:

A Azul tem a maior carteira de pedidos do novo E195-E2 (51 aviões), que está em fase final de testes, e deverá ser a primeira companhia do mundo a receber o novo modelo da Embraer. Nos últimos anos, a empresa passou a voar também com aviões Airbus A320neo.

"Nós temos o maior pedido de compra do Embraer E2 do mundo e estamos animados com a aeronave. O Airbus A320 está ajudando a gente a crescer, mas o carro-chefe vai continuar sendo o Embraer. Não pense que nós vamos abandonar o Embraer. Para o ano que vem, vamos receber de seis a oito aviões E2", disse.

O presidente da Azul avaliou, ainda, que a fusão da Embraer com a Boeing era essencial após a Airbus ter comprado a Bombardier.

"Acho que [a fusão] é saudável. Quando a Airbus comprou a Bombardier, não era uma disputa justa mais por conta de todo o poder de negociação que a Airbus tem. O interessante é que a Airbus comprou a Bombardier por 1 dólar canadense, e a Embraer está sendo vendida por bilhões de dólares. Isso mostra que, na última década, quem fez melhor foi a Embraer. A Embraer vendeu muito mais e teve tanto sucesso que a Bombardier teve de ser vendida. Mas é difícil a Embraer competir com a Airbus, porque o volume deles é muito maior", afirmou.

A negociação da Airbus com a Bombardier foi feita em outubro do ano passado. A Airbus ficou com 50,01% da C-Series Aircraft Limited Partnership (CSALP), que fabrica e vende os aviões. A Bombardier ficou com 31%, enquanto a Investissement Québec tem 19% no negócio.

A negociação não envolveu custos para a Airbus. Em troca, os aviões da Bombardier, que não vinham recebendo encomendas, ganharam uma grande vitrine comercial.

Em julho, os modelos CS100 e CS300 foram rebatizados para Airbus A220-100 e A220-300. No mesmo dia, a companhia aérea norte-americana JetBlue anunciou a substituição de toda a sua frota da Embraer pelo novo modelo da Airbus. A JetBlue foi fundada por David Neeleman, o mesmo fundador da Azul.

Leia também:

Sobre o blog

Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra notícias sobre aviões, helicópteros, viagens, passagens, companhias aéreas e curiosidades sobre a fascinante experiência de voar.

Mais Todos a Bordo