Todos A Bordo

Arquivo : TAM

Crise afeta até milionários, que agora compram jatinho menor, de US$ 20 mi
Comentários Comente

Todos a Bordo

O jato executivo Legacy 500, da Embraer (foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

Os grandes jatos executivos, capazes de fazer viagens intercontinentais sem escala, estão perdendo espaço em todo o mundo. Um levantamento da consultoria Gama Aero aponta que nos últimos dois anos houve uma queda de 29,3% no número de entregas mundiais de jatos grandes. Por outro lado, os jatos executivos médios tiveram um crescimento de 22,3%.

Nos últimos anos, a venda dos jatos grandes costumava ser maior do que a dos aviões executivos médios. Em 2016, no entanto, esse cenário se inverteu.

Jatos grandes:

2014 – 317 unidades

2015 – 290 unidades

2016 – 224 unidades

Jatos médios:

2014: 188 unidades

2015: 224 unidades

2016: 230 unidades

Um avião médio custa menos de um terço de um jato grande. Um jato executivo de grande porte como o Bombardier Global 6000, por exemplo, custa US$ 62,5 milhões (R$ 197 milhões), enquanto um Embraer Legacy 500 tem o preço de US$ 20 milhões (R$ 63 milhões) e um Cessna Citation Latitude custa US$ 16,3 milhões (R$ 51,2 milhões).

Outro ponto avaliado por empresários na hora da aquisição ou troca de um jato executivo está relacionado aos custos operacionais de um determinado modelo. Dados da consultoria Conklin & de Decker mostram que o custo da hora de voo no Legacy 500 é de US$ 2.400 (R$ 7.500), valor que sobe para US$ 3.900 (R$ 12.300) no Global 6000.

Aviões menores para destinos mais curtos

Na hora de comprar um jato executivo, o tamanho da viagem também deve ser considerado. Para o diretor de vendas da Embraer, Gustavo Teixeira, é nessa questão que os jatos médios têm ganho espaço no mercado.

Para o executivo da fabricante brasileira, na época de forte crescimento econômico, muitos empresários precisavam de aviões maiores. Com a crise e a diminuição de viagens longas, essas aeronaves ficaram acima das necessidades. Na hora de substituir os aviões utilizados, está sendo feita essa readequação.

“Para os empresários que tinham necessidade de deslocamento contínuo até o Oriente Médio e a China, com o cenário econômico e a mudança no perfil de voo, não adianta ficar carregando uma aeronave grande e com custo operacional elevado para fazer voos nacionais. E aí se faz o movimento adequado com o avião que atende melhor às suas necessidades”, afirma.

Turboélice Beechcraft King Air (foto: Divulgação)

Brasil tem preferência por jatos pequenos e turboélices

O mercado brasileiro de jatos executivos conta com cerca de 750 aviões, o segundo maior do segmento, atrás apenas dos Estados Unidos. Entre os jatos, o modelo de maior sucesso no Brasil é um avião da categoria leve, o Embraer Phenom 100. São 93 unidades do modelo no país.

Dentro da aviação executiva brasileira, no entanto, o que se destaca mesmo são aviões turboélices, com cerca de 1.700 aviões voando no país. Entre os turboélices, o líder é o Beechcraft King Air, com cerca de 700 unidades.

Essa preferência por jatos menores e turboélices é consequência do perfil da economia e infraestrutura brasileira e da forte presença do agronegócio. Para pousar em aeroportos pequenos ou mesmo em pistas de terra de fazendas, os turboélices são mais indicados.

Depois da forte retração dos últimos anos, o diretor comercial da TAM Aviação Executiva, Rafael Mugnaini, avalia que o mercado está se aquecendo novamente. “A percepção é que hoje os aviões estão voando menos, até por uma questão de economia. Mas vejo uma retomada das vendas, não como há dez anos, mas com crescimento. Este ano já está melhor e deve melhorar mais em 2018”, afirma.

Leia também:

Dono de jatinho paga R$ 37 mil para estacionar e embarca sem fila e raio-x

Aviões seguem estradas invisíveis no céu e não podem ir por onde quiserem

Por que quase todos os aviões são brancos?


‘Hospital’ de avião cuida de nariz quebrado e faz check-up que leva um mês
Comentários Comente

Todos a Bordo

Se a revisão de um carro já é um trabalho meticuloso, imagine como é o check-up de um avião. Em algumas manutenções mais longas, feitas a cada dois anos em média, o avião é todo desmontado e cada componente, da pintura à limpeza dos cintos de segurança passam por uma revisão.

Para dar conta de todo esse trabalho, as companhias aéreas que têm uma grande frota de aviões costumam ter a sua própria “oficina”, ou os chamados centros de manutenção.

O UOL visitou o centro de manutenção da Latam (antiga Tam), que fica em São Carlos (no interior de SP). O conjunto de 22 oficinas é o maior da América Latina, tem 1.300 funcionários, funciona 24 horas por dia e tem capacidade de atender 200 aviões por ano, 9 ao mesmo tempo.

Um dos seis hangares do centro de manutenção. Imagem: Cintia Baio/UOL

Um dos seis hangares do centro de manutenção. Imagem: Cintia Baio/UOL

Nos 15 anos de funcionamento, as oficinas da Latam já receberam mais de 2.000 aviões e checaram mais de 500 mil componentes. A maioria das aeronaves (ou parte delas) é da Latam, mas o centro de manutenção já atendeu aviões da FAB (Força Aérea Brasileira) e outras companhias aéreas.

Como é feito

Em uma manutenção mais longa, conhecida como “check C”, o avião permanece no centro por, aproximadamente, 34 dias e envolve cerca de 60 profissionais ao mesmo tempo. Quem determina a periodicidade das revisões é o fabricante da aeronave.

Durante esse tempo, ele é totalmente desmontado (em muitos casos, recebe nova pintura) e as peças que precisam de revisão ou reparo são encaminhadas a cada uma das 22 oficinas que fazem parte do complexo. Cada uma delas tem uma função, que vai desde a limpeza do cinto de segurança até o teste completo dos computadores de bordo.

Oficina que cuida de estofados e cadeiras. O centro de manutenção também tem uma equipe de costureiras. Crédito: Cintia Baio/UOL

Oficina que cuida de estofados e cadeiras. O centro de manutenção também tem uma equipe de costureiras. Crédito: Cintia Baio/UOL

“A estrutura de cada uma dessas oficinas é bem parecida com linhas de montagem de uma fábrica, onde cada componente é desmontado, revisado e testado novamente”, explica Alexandre Peronti, diretor do centro de manutenção.

Na oficina de trem de pouso, por exemplo, o equipamento é desmontado, revisado e pintado novamente. A manutenção é feita a cada 18 mil ciclos (que corresponde, cada um, a um pouso e uma decolagem).

Outra oficina cuida do reparo do “nariz” dos aviões que foram danificados após colisão com pássaros. Em 16 dias, toda a estrutura é substituída por uma nova.

"Nariz" de um avião recebe retoques em oficina. Imagem: Cintia Baio/UOL

“Nariz” de um avião recebe retoques em oficina. Imagem: Cintia Baio/UOL

Escorregadeiras são testadas em oficina. Após infladas, devem permanecer estáveis por seis horas. Imagem: Cintia Baio/UOL

Escorregadeiras são testadas em oficina. Após infladas, devem permanecer estáveis por seis horas. Imagem: Cintia Baio/UOL

Supercomputadores testam avião

Um dos locais mais importantes do centro de manutenção é a oficina que revisa os computadores de bordo responsáveis pelo controle de diversas funções do avião (como radar, navegação e piloto automático). Quem faz esse trabalho de busca de possíveis falhas nos programas são supercomputadores que chegam a custar US$ 10 milhões.

FullSizeRender_2

Hangares

Nos hangares (que funcionam como grandes galpões), os aviões são desmontados e pintados. As pinturas são feitas em, aproximadamente, oito dias, como é o caso dos A320 que receberão o novo logotipo da empresa.  

Avião recebe nova pintura no centro de manutenção. Imagem: Cintia Baio/UOL

Avião recebe nova pintura no centro de manutenção. Imagem: Cintia Baio/UOL

Leia também

– Veja como é feita a manutenção de um avião da GOL

– Veja o caminho de um avião “zero-quilômetro” da fábrica até a empresa aérea

– Como piloto é treinado para conduzir avião novo que ele ainda não conheça?

– Avião tem de fazer espécie de endoscopia quando uma ave entra na turbina

– O trabalho e as histórias do ‘síndico’ do Aeroporto Santos Dumont

 


Além da barrinha: voos oferecem cerveja, salame e snack orgânico (de graça)
Comentários Comente

Todos a Bordo

Depois da cerveja, Azul oferece aperitivo de salame para passageiros/ Crédito: Reprodução/Sadia

Nos últimos meses, as barrinhas de cereais e o amendoim distribuído em voos nacionais das principais companhias aéreas brasileiras estão dando lugar a outros aperitivos, digamos, mais sofisticados.

Quem viajar pela Azul até o dia 29 de janeiro, por exemplo, pode receber um pacote de salame da Sadia em formato de snack, chamado Salamitos Pocket. A ação faz parte do “Happy Hour Azul”, que já oferece a cerveja dinamarquesa Faxe para clientes que voam com a empresa em determinados horários.

Ficou animado? Antes, é preciso checar o horário do seu voo. O serviço é oferecido apenas em aviões da empresa modelo 190 e 195 da Embraer, que partirem de Campinas, São Paulo (Congonhas e Guarulhos), Rio de Janeiro (Santos Dumont) e Curitiba, entre 15h e 21h e de quarta a sexta-feira. Tanto a cerveja quanto o snack são distribuídos em parcerias com outras empresas.

Já a TAM, desde 2014, tem uma parceria com a famosa rede de cafés Suplicy para oferecer café gourmet em voos nacionais. A bebida é servida em todos os voos da companhia, independente da duração da viagem ou aeroporto de saída.

A GOL aposta em aperitivos mais saudáveis para agradar os clientes. Em parceria com a Mãe Terra, a companhia oferece gratuitamente e em todos os voos o Tribos, um biscoito salgado integral e orgânico desenvolvido especialmente para a empresa.

No início de janeiro, a empresa também ofereceu biscoitos de cacau, aveia e mel, da linha Cereale da Bauducco, e torrones de amendoim sem glúten e sem lactose da Montevérgine.

No caso da Avianca, além do tradicional lanche quente oferecido em todos os voos, a empresa disponibiliza café da manhã especial com salgado, frutas e suco nos voos que partem de São Paulo (Congonhas) para Rio de Janeiro (Santos Dumont) e para Brasília até as 11h. Além disso, assim como a GOL e a Azul, a companhia também faz ações pontuais em parceria com outras empresas, distribuindo sorvetes ou chocolates, por exemplo.

Leia também

Calorias de refeições em voo podem equivaler a dois Big Macs, diz pesquisa

Qual o lugar mais sujo em um avião? Não, não é o banheiro

Aérea cria aplicativo para aeromoças saberem mais sobre os passageiros

Onde estão e como funcionam as lojas do Lanche Popular em aeroportos

Companhia serve vinho e cerveja grátis na econômica entre Brasil e Chile

Aeroporto de Los Angeles planeja ‘blindar’ celebridades em novo terminal

 


Cliente poderá usar pontos da Multiplus para pagar compra no free shop
Comentários Comente

Todos a Bordo

Free shop na área de embarque do terminal 3 do aeroporto internacional de São Paulo (Foto: Rafael Neddermeyer/Divulgação)

Free shop no terminal 3 do aeroporto internacional de São Paulo (Foto: Rafael Neddermeyer/Divulgação)

Uma parceria entre a Multiplus e a Dufry agora permite o pagamento de produtos comprados em free shops com pontos acumulados no programa de fidelidade. Por enquanto, essa opção de pagamento está disponível apenas nos aeroportos internacionais do Rio de Janeiro e de São Paulo, mas há planos de ampliar a parceria para outras lojas.

Funciona assim: depois de escolher os produtos, o cliente deve informar no caixa que gostaria de pagar as compras com o Multiplus. Em seguida, deve informar o número do CPF para que o funcionário verifique o saldo de pontos.

O saldo poderá ser usado para pagar o valor total ou parcial da conta. É possível, por exemplo, pagar metade do valor com o saldo do programa de fidelidade e a outra metade em dinheiro. A liberação ocorre ao digitar a senha numérica usada para resgate de pontos.

Pontuação

Levando-se em conta a cotação do dólar do final de setembro, uma garrafa de vodca Absolut de 1 litro saía por 4.300 pontos. Um frasco de 200 ml do perfume CK, 12.600 pontos, e a embalagem também de 200 ml do perfume One Million, de Paco Rabanne, 25.000 pontos.

As milhas acumuladas pelo programa Fidelidade da TAM (incluindo voos em companhias aéreas que fazem parte da aliança OneWorld) já são registradas diretamente na conta Multiplus, não é necessário fazer transferência.

Leia também: Quem hoje voa de TAM passará a voar de Latam. Confira as mudanças previstas


Airbus divulga novas imagens do avião que a TAM vai estrear em janeiro
Comentários Comente

Todos a Bordo

Airbus A350 XWB com cores da TAM (Divulgação)

Airbus A350 XWB com cores da TAM (Divulgação)

A Airbus divulgou nesta semana imagens do novo A350 XWB da TAM. O avião saiu da oficina de pintura em Toulouse, na França, nesta terça-feira, com as cores da companhia aérea. Os próximos passos de produção incluem a instalação dos motores, finalização do mobiliário e montagem do cockpit. A partir de então terão início os testes em solo e em voo. A entrega do avião está prevista para ocorrer em dezembro.

A TAM será a primeira companhia aérea das Américas a voar com o A350 XWB e a quarta a operar o modelo no mundo. Os voos com o novo avião serão realizados a partir de janeiro de 2016, entre São Paulo e Manaus. Na sequência, as operações internacionais nas rotas São Paulo – Miami e São Paulo – Madri também contarão com o equipamento.

TAM vai estrear novos aviões da Airbus com voo SP-Manaus em janeiro
Aibus A350 XWB chega ao Brasil em dezembro. Conheça a aeronave
Quem hoje voa de TAM passará a voar de Latam. Confira as mudanças previstas

O avião terá 348 assentos no total (318 na classe econômica). A Airbus destaca que o A350 XWB tem mais espaço individual em todas as classes e que, na econômica, a fuselagem extralarga permite uma configuração de nove assentos por fileira, com 45 centímetros de largura. As janelas do novo modelo são mais largas e o compartimento de bagagens é maior. Até o fim de agosto, a Airbus havia recebido quase 800 encomendas do A350 XWB de 40 clientes de diversos países.

Airbus A350 XWB com cores da TAM (Divulgação)

Airbus A350 XWB com cores da TAM (Divulgação)


Aérea disponibiliza filmes e séries para smartphones durante o voo
Comentários Comente

Todos a Bordo

TAM A319A partir da próxima semana, os passageiros da TAM passarão a ter acesso a um sistema de entretenimento de bordo sem fio desenvolvido para smartphones, tablets e laptops. O sistema não permite acesso a internet ou redes sociais, porque funciona como uma intranet sem fio que se conecta a um servidor localizado a bordo do avião. Assim, o passageiro terá acesso somente a conteúdos pré-selecionados pela companhia.

Segundo a TAM, o viajante poderá assistir a mais de 50 filmes e 42 episódios de séries, além de acompanhar o mapa do voo em seus próprios dispositivos. Alguns exemplos do que estará à disposição do cliente: episódios e algumas temporadas completas de séries como House of Cards e Game of Thrones e canais famosos do YouTube atualizados bimestralmente. O conteúdo é disponibilizado por meio de streaming.

Para utilizar o sistema, que é gratuito, o passageiro deverá acessar a App Store ou Google Play Store e baixar o aplicativo Lan TAM Entertainment. A aérea lembra que o viajante deve ter os fones de ouvido compatíveis com seu equipamento e manter as baterias carregadas.

A rede interna está disponível para trajetos domésticos e viagens na América do Sul. A TAM diz que 30% de seus aviões já estão equipados com o sistema. Até o início do ano que vem, o sistema deverá ser instalado em mais aviões Airbus (modelos A319, A320 e A321).

Leia também: Quem hoje viaja de TAM passará a voar de Latam. Confira as mudanças previstas
Aplicativo da TAM no Facebook aponta ofertas para destinos preferidos


Quem hoje voa de TAM passará a voar de Latam. Confira as mudanças previstas
Comentários Comente

Todos a Bordo

170803 BEAT LOGO Vetor RGB-01A partir de 2016 os passageiros que viajarem pela TAM vão notar uma diferença significativa: eles passarão a viajar pela Latam. A unificação das marcas TAM e Lan foi anunciada nesta quinta-feira, em São Paulo, mas as mudanças práticas para os clientes não serão sentidas de imediato.

Os sites das duas companhias, por exemplo, continuarão os mesmos durante o período de transição – www.tam.com.br e www.lan.com. Segundo o responsável pela área de marketing do grupo Latam, Jerome Cadier, a unificação do sistema de reservas só deve ocorrer no final de 2016 ou começo de 2017. Aí então será feita uma campanha de comunicação para informar os viajantes sobre a mudança.

“Isso tem que ser gradual. A gente tem hoje as companhias funcionando em sistemas de reserva que foram construídos em uma lógica diferente. Por mais que você queira que a capa, o ‘ponto.com’ seja um só, esses sistemas têm que ser unificados”, disse Cadier. “A partir do momento em que eu começo a ter um só site, um só sistema de reservas, uma só marca, eu consigo ser mais eficiente, inovar mais rápido”.

Apesar de o sistema de reservas ainda estar longe da unificação, já está no ar uma página com o nome a ser adotado. A página reúne algumas informações sobre as alterações previstas, no endereço www.latam.com/construindo-latam.

Os programas de milhagem TAM Fidelidade e Lanpass também continuarão separados durante o processo de transição, que pode durar até três anos. Também seguem funcionando de forma  independente a TAM Viagens e a Lantours, além dos serviços de atendimento ao cliente.

Aplicativo

Entre as novidades prometidas pelo grupo estão serviços importantes para os passageiros, que devem ser disponibilizados por meio de um aplicativo. A ideia é dar mais autonomia ao viajante para fazer alterações de voos e lançar alertas sobre o status do voo, com informações sobre mudanças de portão de embarque, atrasos, etc. Outro serviço previsto é o de rastreamento e localização de bagagem que, no entanto, ainda não tem data para ser lançado.

O aplicativo também deverá funcionar como meio para reclamações dos usuários e acompanhamento de solicitações, além de um canal direto com as companhias, por meio de chat ao vivo, para suporte no celular.

Aviões

Também a partir de 2016, os clientes devem começar a ver a nova imagem Latam nos aviões, uniformes e espaços físicos do grupo. Os planos incluem ainda a unificação de balcões nos aeroportos.

Leia também: Gol promete internet paga em seus aviões a partir do ano que vem
TAM solicita cancelamento de 23 voos nacionais e internacionais
TAM vai estrear novos aviões da Airbus com voo SP-Manaus em janeiro

Interior do avião A320 (Divulgação)

Interior do avião A320 (Divulgação)

(Claudia Andrade)


Aplicativo da TAM no Facebook aponta ofertas para destinos preferidos
Comentários Comente

Todos a Bordo

TAM A319A TAM lançou um aplicativo em sua página no Facebook que facilita a ‘descoberta’ de ofertas da companhia aérea para os destinos preferidos dos usuários. É possível cadastrar até cinco destinos para serem monitorados.

O aplicativo ‘Minhas Ofertas TAM’ funciona da seguinte forma: quando há uma promoção para o destino escolhido, um alerta é recebido diretamente no Facebook. Ao clicar na notificação, o usuário é direcionado ao aplicativo para visualizar as tarifas. Se quiser adquirir a passagem, contudo, será direcionado à página da TAM.

Segundo a companhia aérea, mais de 11.000 pessoas aderiram ao app desde o início deste mês. Entre os destinos escolhidos com maior frequência pelos viajantes estão Nova York, Miami, Orlando, Paris e Buenos Aires.


Como aproveitar melhor as milhas voando em companhias aéreas parceiras
Comentários Comente

Todos a Bordo

Foto: Getty Images

Getty Images

Comecemos com um alerta: não é possível transferir milhas entre programas de fidelidade nem, é claro, pontuar em dois programas diferentes com a mesma passagem. Sendo assim, a opção pelo programa de sua preferência é passo importante na hora de decidir onde acumular milhas para trocar por passagens aéreas.

Vamos a um exemplo: você compra um bilhete da American Airlines, no site da companhia americana, mas quer que os pontos sejam creditados no Multiplus Fidelidade TAM, que integra a mesma aliança Oneworld. Mas se você não deixar isso claro, os pontos não vão parar automaticamente no Fidelidade. É preciso indicar o programa de sua preferência no momento da compra das passagens ou no check-in – seja pela internet, totem ou direto com o funcionário no aeroporto.

Também é possível fazer uma solicitação retroativa de pontos depois da viagem, caso não tenham sido creditados em nenhum programa. Ainda no exemplo acima, se você estiver cadastrado no AAdvantage, da companhia americana, os pontos podem ir parar lá. Em geral, o campo para indicar o programa de fidelidade de sua preferência aparece na mesma página dos dados do passageiro. Mais do que uma informação para fins de identificação, o programa escolhido vai determinar o destino final das milhas correspondentes à categoria do bilhete adquirido.

Obviamente esse processo vale para todas as companhias aéreas que trabalham com empresas parceiras, como é o caso do Smiles. Ao comprar passagem no site de alguma parceira da Gol, é só selecionar o Smiles na hora de incluir os dados do passageiro. Se, ao contrário, você quiser creditar pontos de passagens da Gol em outro programa de milhagem, também é só fazer essa opção no momento da compra ou do check-in.

A Avianca anunciará no final deste mês sua entrada oficial na rede Star Alliance, que também prevê o acúmulo de pontos na empresa de preferência do cliente.

Em resumo: se for informar o programa de fidelidade (nome ou número) já na hora da compra ou do check-in, atenção para não escolher automaticamente o programa da companhia aérea que fará o voo. Se não optar por nenhum programa antes de viajar, atente para os prazos definidos pelas empresas para fazer a solicitação retroativa de milhas. Vale lembrar que algumas categorias de passagens aéreas não são válidas para acúmulo de pontos.

Leia também: Como prolongar a vida útil das suas milhas
Consumidor que vende milhas aéreas expõe dados pessoais e pode não receber
Companhia sorteia 100 milhões de milhas até o fim das férias de julho


Como prolongar a vida útil das suas milhas
Comentários Comente

Todos a Bordo

aviao-sobre-as-nuvens-viagem-de-aviao-1405107225198_1920x1280Nem sempre é fácil conseguir reunir a quantidade necessária de milhas para resgatar as passagens para aquela viagem dos sonhos. O esforço fica ainda mais difícil quando se esquece que as milhas têm prazo de validade. Para quem quer prolongar o período de uso dos pontos acumulados, uma opção pode ser recuperar milhas expiradas. Mas o serviço é cobrado pelas companhias aéreas, então é preciso fazer as contas para saber se a renovação valerá a pena.

O programa Smiles da Gol permite que milhas vencidas há no máximo 1 ano sejam reativadas, ao custo de R$ 0,04 por milha. As milhas renovadas terão validade de 12 meses, prazo menor do que a validade inicial das milhas, que é de 36 meses.

No caso da TAM, o regulamento da Multiplus prevê a renovação de pontos vencidos nos últimos 180 dias. O valor da transação varia de acordo com a quantidade de pontos e com promoções que estejam em vigor. As milhas renovadas ficarão disponíveis por dois anos, mesmo prazo de validade inicial.

A Azul também permite a reativação de milhas vencidas há no máximo 180 dias. O site do programa Tudo Azul indica que, para renovar 1.000 pontos expirados, o valor a pagar é de R$ 30. A solicitação precisa ser feita à empresa por telefone. O cliente tem até 24 meses para usar os pontos recuperados, mesmo prazo de validade inicial das milhas.

Cartão de crédito – No início desta semana o Banco Central divulgou um levantamento indicando que os brasileiros deixaram mais de 53 bilhões de milhas expirarem no ano passado. O número se refere ao saldo acumulado nos programas de recompensa dos cartões de crédito.

Ou seja, além de ficar atento ao prazo de validade das milhas reunidas nos programas das companhias aéreas, é importantíssimo não deixar de lado os pontos conseguidos nas compras com cartão de crédito, que também têm prazo de validade que varia de acordo com o tipo de cartão.