Todos A Bordo

Arquivo : segurança no voo

Como uma janela de avião se quebra e o que acontece depois disso?
Comentários Comente

Todos a Bordo

Janela do Boeing 737-700 destruída após falha no motor do avião (Facebook Marty Martinez)

Por Vinícius Casagrande

As janelas dos aviões são feitas para resistir a fortes impactos sem serem destruídas. A resistência é essencial para suportar a diferença entre a pressão do ar dentro e fora do avião. Mas não foi o que aconteceu na última terça-feira (17) durante um voo da companhia aérea norte-americana Southwest.

Após peças do motor se soltarem e atingirem a fuselagem do Boeing 737-700, uma das janelas se rompeu. A abertura fez com que a passageira Jennifer Riordan fosse parcialmente sugada para fora do avião. Ela foi a única vítima fatal do acidente.

Nem martelada, nem trombada com pássaro

O engenheiro aeroespacial e ex-tenente da Força Aérea Brasileira Shailon Ian afirma que somente uma peça muito grande e lançada com extrema força poderia quebrar uma janela de avião. “Tem de ser um objeto duro, muito rápido e com muita energia para quebrar, como aconteceu nesse caso”, afirma.

Leia também:

Lembre pilotos de avião heróis que enfrentaram panes e evitaram tragédias
O dia em que o piloto deixou o filho brincar na cabine e derrubou um avião
Pior acidente da aviação mundial, com 583 mortos, completa 40 anos

As investigações preliminares apontam que uma das paletas frontais do motor se soltou, sendo lançada em direção à fuselagem. “Um motor de avião gira a 18 mil rotações por minuto. Quando uma peça se solta, atinge a fuselagem com força extrema”, diz o engenheiro aeronáutico e professor de transporte aéreo e aeroportos da Escola Politécnica da USP Jorge Eduardo Leal Medeiros.

O engenheiro mecânico Rob DeCosta afirma, em artigo no site Quora, que seria necessária uma força de mais de 2.200 quilos para quebrar uma janela de um Boeing 777, por exemplo. Como comparação, ele cita que um lutador de boxe profissional consegue aplicar golpes com 600 quilos de força. “Mesmo se der uma martelada, um passageiro não consegue quebrar a janela”, diz Shailon.

Piloto avisa torre que avião perdeu peça durante voo

Mesmo uma colisão com pássaros não seria suficiente para quebrar a janela da cabine de passageiros. “Nesse caso, o risco maior seria nas janelas dos pilotos. No caso dos passageiros, o pássaro não teria como atingir diretamente as janelas”, diz o engenheiro aeroespacial. Por conta da velocidade do avião, o pássaro não teria como atingir o avião lateralmente.

Mais fácil ganhar na Mega-Sena

Shailon diz que esse é um evento raríssimo e com poucas chances de se repetir. “Foi uma senhora pancada. É mais fácil ganhar na Mega-Sena do que acontecer novamente”, afirma, acrescentando uma ressalva. “A menos que a investigação detecte uma falha de projeto do motor. Mas isso é pouco provável, já que esse é o modelo de motor mais utilizado no mundo”, diz.

O engenheiro afirma que se uma falha de projeto for constatada, é possível que as autoridades aeronáuticas impeçam os voos de todos os aviões que utilizam motores do mesmo modelo. Nesse caso, os aviões só poderiam voar novamente após o defeito se corrigido em todos os motores em uso atualmente.

Recentemente, já houve pelo menos dois casos em que motores de aviões sofreram danos em voo. Em agosto de 2016, um Boeing da própria Southwest perdeu parte do motor. Em fevereiro deste ano, aconteceu o mesmo com um Boeing 777 da United Airlines. Nos dois casos, no entanto, não houve danos à fuselagem dos aviões.

Peças do motor foram arremessadas contra a fuselagem do avião (Amanda Bourman via AP)

Até o furinho na janela tem uma função

Produzidas com material acrílico resistente, as janelas dos aviões têm de ser capazes de suportar até 33% a mais do que a força exercida pela diferença de pressão dentro e fora do avião. Elas são feitas em duas camadas, com um espaço entre elas, exatamente por causa dessa diferença de pressão.

Até mesmo o formato influencia na resistência. Elas têm os cantos arrendondas para distribuir melhor a força. No início da aviação, alguns aviões foram projetados com janelas quadradas. Os cantos pontiagudos formavam pontos de tensão, criando rachaduras na fuselagem.

O pequeno furo presente nas janelas também tem como função permitir um melhor equilíbrio das pressões internas e externas.

Efeito aspirador de pó e ventania a bordo

Durante o voo, a cabine do avião está totalmente pressurizada. Mesmo voando a uma altitude de 36 mil pés (11 quilômetros), a pressão do ar dentro do avião é equivalente a uma altitude de 8.000 pés (2,5 quilômetros). Isso significa que o ar interno é muito mais denso do que o externo.

Quando a janela quebra, ocorre a despressurização. Para que a pressão interna fique igual à externa, o ar mais denso sai do avião pelo buraco que se abriu. “A janela do avião vira um aspirador de pó, sugando tudo o que está dentro do avião”, diz Shailon Ian.

Avião da Southwest conseguiu pousar em segurança (David Maialetti /The Philadelphia Inquirer via AP)

Esse fenômeno ocorre até que as pressões interna e externa fiquem equivalentes (todo o ar pressurizado saia do avião). As máscaras de oxigênio caem porque, em altitude elevada, o oxigênio disponível na atmosfera não é suficiente para manter a respiração humana. Assim que a despressurização acontece, o piloto precisa diminuir a altitude do avião até um nível aceitável para o corpo humano.

Após o incidente com o voo da Southwest, os passageiros relataram uma forte ventania dentro do avião até o momento do pouso. Shailon afirma, no entanto, que isso não tem relação com a despressurização. “É como andar de carro com a janela aberta, só que a mais de 300 km/h”, diz.

Sugestão: apertem os cintos

Apesar do pânico generalizado a bordo, o engenheiro aeroespacial diz que os riscos de haver uma vítima fatal podem ser minimizados.

“É possível que a passageira que foi sugada estivesse sem o cinto de segurança ou com o cinto afrouxado. Por isso, é essencial seguir as orientações dos comissários de bordo de manter sempre o cinto bem afivelado”, afirma.

Leia também:

Jatos comerciais têm motor escondido na traseira. Sabe para que ele serve?
Por que aviões sofrem turbulência de repente e mesmo com céu claro?
Você sabe como funciona um motor de avião a jato?

Como é o teste de um avião novo, que inclui até queda de barriga


Selo de qualidade mostrará se avião segue regra segura para levar animais
Comentários Comente

Todos a Bordo

Iata quer melhorar segurança no transporte de animais (iStock)

Depois de a companhia aérea norte-americana United Airlines registrar três graves problemas com o transporte de animais no mês passado, a Iata (Associação Internacional de Transporte Aéreo, na sigla em inglês) anunciou a criação de um programa de certificação global para melhorar a segurança e o bem-estar dos animais. As regras incluem como manusear os bichos e até o melhor tipo de engradado para levá-los.

No dia 12 de março, um cachorro da raça buldogue francês morreu após ficar trancado no compartimento de bagagem de mão. Dois dias depois, um pastor alemão que deveria ir do Oregon para o Kansas foi enviado ao Japão. Por fim, no dia 15 de março, após funcionários perceberem que haviam embarcado um cachorro no voo errado, um avião que seguia de Nova Jersey para Saint Louis teve de fazer um pouso em Akron, em Ohio. Com os erros sucessivos, a United suspendeu temporariamente o transporte de animais.

Para evitar essas falhas, a associação que reúne 280 companhias aéreas em todo o mundo criou um programa chamado de Ceiv Live Animals (Centro de Excelência Independente para Validadores de Logística de Animais Vivos) para analisar as práticas adotados pelas empresas. Aquelas que operarem dentro dos mais altos padrões estabelecidos pelas regras da Iata receberão um certificado de transporte de animais vivos.

Leia também:

Comandante de avião pode desviar voo, barrar, prender ou casar passageiros?
O dia em que o piloto deixou o filho brincar na cabine e derrubou um avião
Clube de milhas de empresa aérea vale a pena ou é cilada? Fizemos as contas

Com isso, antes de transportar um animal por avião, o proprietário poderá verificar as companhias aéreas certificadas por adotar boas práticas no transporte de animais. A Iata, no entanto, ainda não informou quando as primeiras certificações devem começar a ser emitidas.

“Como indústria, temos o dever de assegurar que os padrões e as melhores práticas estejam em vigor em todo o mundo”, diz Nick Careen, vice-presidente sênior de aeroporto, passageiros, carga e segurança da Iata em comunicado.

O Ceiv Live Animals vai utilizar parâmetros semelhantes ao do Ceiv Pharma, programa que controla os padrões para o transporte de produtos farmacêuticos. “O novo programa estende essa experiência para o importante campo da saúde, transporte e manuseio de animais” afirma Careen.

A Iata já possui um documento de mais de 460 páginas com todas as regras e padrões que devem ser seguidos pelas companhias aéreas no transporte de animais. O material trata desde a documentação necessária, como manusear os animais e os tipos de caixa de transporte ideais para mais de mil espécies.

O novo programa de certificação da Iata tem como intenção servir de auditoria para garantir que as companhias aéreas sigam todos os padrões exigidos para o transporte de animais. “O Ceiv Live Animals aumenta o nível de competência, operação, gerenciamento de qualidade e profissionalismo no manuseio e transporte de animais vivos no setor aéreo, ao mesmo tempo em que reforça o treinamento e a conformidade em toda a cadeia de fornecimento”, afirma a Iata em comunicado.

A Iata teve como principal parceiro para a criação da nova certificação o centro de recepção de animais do aeroporto de Heathrow, em Londres (Reino Unido). No ano passado, o aeroporto recebeu 16 mil cachorros e gatos, 400 cavalos, 200 mil répteis, 2.000 pássaros e 28 milhões de peixes.

Além de melhorar a segurança e bem-estar dos animais, a Iata afirma que a nova certificação também deve ajudar a combater o comércio ilegal de animais selvagens. O novo programa deve incluir as diretrizes para o transporte aéreo estabelecidas na Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas da Fauna e Flora Silvestres. A convenção regula o comércio internacional de mais de 36.000 espécies de animais e plantas.

Leia também:

Conheça os 5 jatos mais vendidos do mundo; custam de R$ 16 mi a R$ 203 mi
Pesquisa mostra perfil de dono de jatinho: patrimônio médio é de US$ 1,5 bi
Velocímetro do avião marca velocidade diferente da real. Entenda

Veja caminho que sua mala faz no aeroporto depois de despachada


O dia em que o piloto deixou o filho brincar na cabine e derrubou um avião
Comentários Comente

Todos a Bordo

Airbus A310 da Aeroflot que sofreu acidente em 1994 (Michel Gilliand/Wikimedia Commons)

Por Vinícius Casagrande

O acidente com o voo 593 da companhia aérea russa Aeroflot, na madrugada do dia 23 de março de 1994, é um dos mais surreais da história da aviação comercial. Com 75 pessoas a bordo, sendo 63 passageiros e 12 tripulantes, o Airbus A310 caiu após o comandante Yaroslav Kudrinsky colocar seu filho de apenas 16 anos em seu lugar durante o voo. Ninguém sobreviveu ao acidente.

O voo da Aeroflot decolou de Moscou (Rússia) com destino a Hong Kong (Região Administrativa da China). Mais de quatro horas após a decolagem, os filhos do comandante Yaroslav Kudrinsky resolveram visitar o pai na cabine de comando do Airbus A310. O jato era um dos mais modernos aviões da época e acabava de ser introduzido na frota da Aeroflot.

Leia também:

– Avião perde parte do motor em pleno voo e consegue pousar
– Piloto ganha R$ 1,4 milhão por evitar acidente que mataria 439 pessoas
– Pior acidente da aviação mundial, com 583 mortos, completa 40 anos
– Jogo coloca você em acidente de avião, com 45min para escapar

Com os sistemas automatizados e clima calmo na região da Sibéria, onde sobrevoava naquele momento, Kudrinsky primeiro convidou a filha Yana, de 12 anos, para sentar na poltrona do comandante. Ele pede para que filha coloque as mãos no manche do avião, mas alerta para que ela não aperte nenhum botão.

O comandante aciona um comando do piloto automático para que o avião faça uma leve curva para esquerda. Dessa forma, o manche se inclina para a esquerda, e a menina tem a sensação de que está realmente pilotando o avião.

Filho assume comando e desliga o piloto automático

Depois de colocar o Airbus A310 no rumo original, é a vez do comandante Kudrinsky fazer a mesma brincadeira com o filho Eldar, de 16 anos. É aí que começam os problemas com o voo 593 da Aeroflot.

Empolgado com a sensação de pilotar um avião comercial, Eldar força demais o manche. O movimento mais brusco faz com que o piloto automático do avião seja parcialmente desligado. Com isso, mesmo após dar o comando para o piloto automático retornar ao rumo original, o avião continua aumentando a inclinação das asas.

Com o clima descontraído dentro da cabine de comando do Airbus A310, os pilotos verdadeiros do avião não percebem que algo de errado está acontecendo naquele momento. Somente quatro minutos depois, quando Eldar pergunta ao pai se o avião ainda deveria estar fazendo a curva, é que o comandante percebe o problema.

Mergulho em direção ao solo

Nesse momento, o avião já estava com as asas inclinadas em mais de 45º, acima dos limites recomendados pelo fabricante. Os pilotos demoraram a entender o que estava acontecendo. Enquanto isso, o avião chega a uma inclinação de quase 90º. Sem sustentação suficiente, o Airbus A310 começava um mergulho em direção ao solo.

O copiloto Igor Vasilyevich Piskaryov, que estava sentado na sua posição correta, tenta corrigir o problema. Ele consegue recuperar o avião e acabar com o mergulho. Somente neste momento, Kudrinsky consegue assumir novamente seu lugar na poltrona de comandante.

A manobra para tirar o avião do mergulho faz com que o Airbus A310 levante muito o nariz. Com isso, o avião perde sustentação novamente e inicia um novo mergulho, desta vez em parafuso (girando em torno do próprio eixo).

Vamos sair dessa, disse o comandante

Agora trabalhando em conjunto, os pilotos conseguem tirar o avião do movimento de parafuso e iniciar a recuperação do voo. O comandante chega a comemorar: “Nós vamos sair dessa. Está tudo bem”, disse, segundo as gravações de áudio da cabine. Mas era tarde demais. O avião já havia perdido muita altitude.

Na madrugada do dia 23 de março de 1994, o Airbus A310 da Aeroflot se choca com as montanhas a 20 quilômetros de Mejdurechensk (Rússia). O avião caiu sem fazer nenhum comunicado de emergência aos órgãos de controle de tráfego aéreo.

Durante as investigações, a Rússia tentou omitir o fato de que o filho do comandante estava no controle do avião quando os problemas do voo 593 da Aeroflot começaram. Autoridades chegaram a afirmar que o problema estava no projeto do avião e que, se fosse uma aeronave russa, o acidente não teria acontecido. Com o avanço das investigações, no entanto, ficou impossível esconder a verdade.

Leia também:

– Jato da Embraer é único a pousar na ilha de Napoleão
– Jatinho mais barato do mundo tem paraquedas de emergência
– Como os pilotos sabem se o avião está baixo ou alto na hora de pousar?
– Clube de milhas de empresa aérea vale a pena? Fizemos as contas

Como é o teste de um avião novo, que inclui até queda de barriga


Avião perde parte do motor em pleno voo nos EUA e consegue pousar; assista
Comentários Comente

Todos a Bordo

Um Boeing 777 da companhia aérea United Airlines perdeu parte da carenagem do motor direito quando sobrevoava o Oceano Pacífico rumo a Honolulu, no Havaí (EUA), na terça-feira (13), mas conseguiu pousar em segurança. O avião havia decolado de San Francisco, no Estado da Califórnia. O incidente aconteceu cerca de meia hora antes do pouso.

Segundo a rede de TV CNN, o voo 1175 da United Airlines levava 363 passageiros e dez tripulantes. Ninguém ficou ferido com o incidente.

Diversos passageiros que estavam a bordo do avião compartilharam fotos e vídeos do motor do avião sem a carenagem. “O voo mais assustador da minha vida”, escreveu no Twitter a consultora de marketing Maria Falaschi.

Leia também:

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

Jatinho mais barato do mundo tem só um motor e paraquedas de emergência

Jatos comerciais têm motor escondido na traseira. Sabe para que ele serve?

Segundo relatos dos passageiros, foi possível ouvir um forte barulho e sentir o avião balançar no ar quando a carenagem se soltou do motor. “Parecia que estávamos em uma montanha-russa saindo dos trilhos”, afirmou Haley Ebert ao jornal “The New York Times”.

Após o incidente, os pilotos solicitaram um pouso de emergência no aeroporto de Honolulu. “Nossos pilotos seguiram todos os protocolos necessários para pousar o avião em segurança. A aeronave taxiou até o portão de embarque e os passageiros desembarcaram normalmente”, afirmou a United Airlines em um comunicado.

Na hora do pouso, os passageiros foram orientados pelos comissários de bordo a seguir alguns procedimentos de segurança, como ficar na posição de impacto – sentados com o corpo curvado para frente e com a cabeça próxima ao joelho. A posição diminui a área de impacto do corpo e protege os órgãos vitais de perfurações que possam ocorrer.

Apesar do susto de todos os passageiros, Haley Ebert afirmou que o avião tocou o solo do aeroporto de Honolulu suavemente.

A NTSB, órgão de investigação de acidentes aeronáuticos dos Estados Unidos, afirmou que já está investigando as causas do incidente com o Boeing 777 da United Airlines.

Leia também:

Você sabe como funciona um motor de avião a jato?

Qual avião é mais seguro de voar: um grande ou um pequeno?

O que significam as placas, faixas e luzes nas pistas dos aeroportos?


Vídeo mostra aproximação perigosa de drone com avião de passageiros nos EUA
Comentários Comente

Todos a Bordo

Um drone fez uma aproximação perigosa com um avião de passageiros que se preparava para pousar no aeroporto de Las Vegas, nos Estados Unidos. Em vídeo publicado nas redes sociais da comunidade Drone U, após decolar, o drone ganha altura rapidamente e filma, por cima, a passagem de um avião de passageiros da companhia aérea Frontier Airlines.

Segundo o jornal “Las Vegas Now”, da rede de TV CBS, o drone decolou do Whitney Park, a cerca de 7 km do aeroporto de Las Vegas internacional McCarran. O vídeo foi divulgado no final da última semana, mas não é possível saber a data exata do incidente.

Em novembro, a presença de um drone próximo ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo, suspendeu os pousos e decolagens por mais de duas horas.

A FAA, autoridade aeronáutica dos Estados Unidos, afirmou que abriu uma investigação para apurar o caso. Segundo um relatório divulgado pela FAA no ano passado, o órgão recebe mais de 100 notificações por mês sobre a presença de drones na rota de aviões, tanto comerciais como particulares.

Leia também:

Conheça as regras para o tráfego aéreo de drones no Brasil

Aérea poupa R$ 10 mi em combustível com menos vinho a bordo e revista leve

Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

Segundo as regras da FAA, os drones não podem voar a menos de 8 km dos aeroportos. Os pilotos particulares de drones que descumprirem as regras podem receber multa de US$ 1.437 (R$ 4.655). Se o voo irregular for feito por alguma empresa, a multa sobe para US$ 32.666 (R$ 105,8 mil). Além da multa, o piloto pode responder criminalmente pelo ato, com pena de até três anos de prisão e multa de US$ 250 mil (R$ 810 mil).

Ao divulgar do vídeo, a comunidade Drone U repudiou o voo do equipamento na rota de aproximação dos aviões comerciais. “Queremos condenar completamente esse ato imprudente e criminoso. As ações desse piloto colocam os passageiros de avião em risco e denigrem toda uma indústria. Na nossa opinião, o piloto deve receber uma punição rápida e justa. Não há desculpa para esse tipo de comportamento criminoso”, afirma.

Drone fechou Congonhas em novembro

No dia 12 de novembro, um drone também colocou em risco os voos no aeroporto de Congonhas. O drone foi avistado por um piloto, que avisou a torre de controle do aeroporto sobre o perigo. Cerca de 35 voos tiveram de ser desviados ou cancelados naquele dia.

No Brasil, os voos de drones são proibidos em uma distância mínima de 9 km do aeródromo, incluindo as zonas de aproximação e de decolagem. Mesmo assim, fora dessa área, há necessidade de autorização para realização do voo.

A pena varia entre dois e cinco anos de prisão ao piloto, segundo o Código Penal Brasileiro.

Leia também:

Jatinho mais barato do mundo tem só um motor e paraquedas de emergência

Por que alguns aviões têm as pontas das asas dobradas?

Qual avião é mais seguro de voar: um grande ou um pequeno?


Consultoria alemã faz ranking das empresas aéreas mais seguras do mundo
Comentários Comente

Todos a Bordo

Emirates foi eleita a mais segura do mundo pela consultoria alemã Jacdec (Divulgação)

A consultoria alemã Jacdec (Jet Airliner Crash Data Evaluation Centre) elegeu a companhia aérea Emirates, dos Emirados Árabes Unidos, como a mais segura em 2017. Na sequência, aparecem a norueguesa Norwegian Air Shuttle e a britânica Virgin Atlantic Airways.

A Jacdec ainda não revelou todas as companhias que foram avaliadas. Na lista que foi divulgada, com as 20 primeiras, não consta nenhuma brasileira. No total, a lista terá 100 companhias, mas nem todas foram divulgadas ainda.

A lista não considera só o número de acidentes, mas também as condições gerais das companhias: tamanho da frota, idade média dos aviões, condições meteorológicas e geográficas das regiões onde opera, histórico de auditorias realizadas pelas autoridades aeronáuticas, transparência e rigor das autoridades aeronáuticas de seus países de origem, entre outros.

Na divulgação inicial do ranking, a consultoria alemã listou apenas as 20 companhias aéreas mais seguras do mundo. Nenhuma das quatro principais empresas brasileiras aparece na relação inicial. No entanto, o Brasil é citado no relatório como um dos países com “alto nível de transparência” em relação à segurança da aviação, o que ajuda a melhorar o índice das companhias nacionais.

A Abear (Associação Brasileira das Empresas Aéreas) declarou que não irá comentar o ranking da Jacdec, mas que “a aviação comercial mundial e aviação comercial brasileira (um dos maiores mercados globais) vivem atualmente o período mais seguro de toda a história”. “Como resultado do trabalho realizado por agentes públicos e privados, nossa aviação é referência internacional”, afirma.

Leia também:

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

O que acontece quando o avião é atingido por um raio durante o voo?

Quer economizar na passagem aérea? Aprenda a usar programas de fidelidade

No ranking deste ano, a consultoria avaliou as 100 maiores companhias aéreas do mundo e utilizou 33 parâmetros para definir o índice de segurança de cada uma das empresas.

Para criar o ranking, todas as companhias começam com o índice de 100% de segurança. Após analisar todos os parâmetros envolvidos no estudo, as empresas passam a perder pontos de acordo com possíveis falhas verificadas. Segundo a consultoria, os principais pontos para ter um índice elevado são:

– Não ter acidentes fatais nos últimos 30 anos

– Operar voos de longa distância

– Ter aviões novos (de preferência com idade média da frota entre três e nove anos)

– Ser aprovada em todas as inspeções de segurança das autoridades internacionais e locais com as notas mais altas

– Não operar os voos em operações de risco, como má condição do tempo, locais com geografia acidentada e não ter muitas rotas transoceânicas

– Estar sediada em um país no qual as autoridades aeronáuticas trabalhem com transparência na questão de segurança de voo

2017 foi o ano mais seguro da história da aviação

Segundo dados da Jacdec, o ano de 2017 foi o mais seguro da história da aviação no mundo. No último ano houve apenas 11 acidentes fatais, resultando em 44 mortes. Em 2016, haviam sido 19 acidentes e 321 mortes. A consultoria analisa apenas casos de aviões com mais de 5,7 toneladas e capacidade acima de 19 passageiros.

Os números são semelhantes aos da Aviation Safety Network, organização independente baseada na Holanda, que registrou dez acidentes com 40 mortes no último ano. Segundo a organização holandesa, o ano passado registrou um acidente a cada 7,3 milhões de voos.

Veja a relação das companhias aéreas mais seguras do mundo, segundo a Jacdec:

1º Emirates (Emirados Árabes Unidos): 93,61%

2º Norwegian Air Shuttle (Noruega): 93,26%

3º Virgin Atlantic Airways (Reino Unido): 92,87%

4º KLM (Holanda): 92,77%

5º EasyJet (Reino Unido): 92,75%

6º Finnair (Finlândia): 92,67%

7º Etihad Airways (Emirados Árabes Unidos): 92,56%

8º Spirit Airlines (Estados Unidos): 92,18%

9º Jetstar Airways (Austrália): 92,12%

10º Air Arabia (Emirados Árabes Unidos): 92,09%

11º Vueling Airlines (Espanha): 92,02%

12º Cathay Pacific (Hong Kong): 91,88%

13º El Al (Israel): 91,84%

14º Singapore Airlines (Cingapura): 91,78%

15º Eva Air (Taiwan): 91,55%

16º Eurowings (Alemanha): 91,41%

17º JetBlue Airways (Estados Unidos): 91,40%

18º Capital Airlines (China): 91,36%

19º Oman Air (Omã): 91,28%

20º Air Canada (Canadá): 91,20%

Leia também:

Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica

Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

Por que alguns aviões têm as pontas das asas dobradas?


Incidentes causados por passageiro de avião diminuem, mas ficam mais graves
Comentários Comente

Todos a Bordo

Houve queda de 9,37% no número de incidentes causados por passageiros (Foto: Getty Images)

O número de incidentes causados por passageiros de avião caiu 9,37% no ano passado, segundo um relatório da Iata, a associação internacional de companhias aéreas, divulgado neste mês. Em 2016, passageiros causaram problemas em 9.837 voos em todo o mundo, contra 10.854 casos registrados no ano anterior.

Isso representa um incidente a cada 1.424 voos. Em 2015, esse índice era de um caso para cada 1.205 voos. Desde que os dados começaram a ser analisados, em 2007, foram registrados 58.921 incidentes causados por passageiros durante as viagens aéreas.

Incidentes são situações que fogem dos padrões durante o voo, mas que não necessariamente chegam a causar um acidente de fato.

Leia mais:
Por que as pessoas ficam bêbadas mais rapidamente quando estão num avião?
Passou mal a bordo de um avião? Procure um comissário de bordo com urgência
Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica

Casos mais graves aumentam

Apesar da queda no número total de casos reportados para a Iata, a associação das companhias aéreas se mostra preocupada com o aumento de casos mais graves.

A grande maioria das ocorrências ainda é de situações mais leves, como agressões verbais, desrespeito às instruções da tripulação ou recusa de seguir alguns procedimentos de segurança. Esses casos representam 87% das ocorrências.

Os incidentes de nível 2 tiveram um aumento de 11% em 2015 para 12% no último ano. São problemas causados por agressões físicas, atos obscenos, ameaças de violência ou danos aos equipamentos de emergência e segurança. “São situações difíceis de gerenciar dentro de um avião”, afirma o relatório da Iata.

Apesar de representar apenas 1% dos casos, os incidentes mais graves foram os que tiveram o maior aumento proporcional, com crescimento de 49,5%. Enquanto 2015 registrou 113 situações de perigo real, no ano passado foram 169 incidentes graves causados pelos passageiros. São casos que podem colocar a vida de outros passageiros em risco ou tentativas de abrir a porta da cabine dos pilotos.

Álcool é a principal causa de problemas

O consumo excessivo de bebidas alcoólicas e outras drogas é o principal responsável pelos incidentes causados por passageiros de avião, com 33,4% das ocorrências.

“O problema está relacionado ao consumo antes do embarque na aeronave ou álcool comprado nos aeroportos para ser consumido a bordo sem a conhecimento da tripulação. O nível de intoxicação pode não ser aparente no tempo de embarque”, afirma o relatório da Iata.

Entre os problemas de passageiros que se recusaram a seguir os procedimentos de segurança, mais da metade está relacionada a pessoas que tentaram fumar a bordo. Outros casos são de passageiros que se recusaram a desligar os aparelhos eletrônicos ou a afivelar o cinto de segurança.

Leia mais:

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

Quer economizar na passagem aérea? Aprenda a usar programas de fidelidade

Tempo de voo pode ter diferença de 2h na ida e na volta. Sabe por quê?


Drone bateu em avião na Argentina; EUA registram 100 casos de risco por mês
Comentários Comente

Todos a Bordo

Os voos de drones próximos aos aeroportos têm colocado em risco diversos jatos comerciais de passageiros ao redor de mundo. No último sábado (11), um Boeing 737 da companhia aérea Aerolineas Argentinas foi atingido por um drone (espécie de aeronave não tripulada e pilotada à distância) quando se aproximava do pouso em Buenos Aires.

O avião viajava de Trelew, também na Argentina, para o aeroporto Jorge Newbery, em Buenos Aires. O Boeing 737 estava a apenas 67 metros do solo quando os pilotos avistaram um drone, que bateu na parte da frente do avião. O incidente não gerou danos à aeronave, que pousou logo em seguida.

Segundo o site especializado The Aviation Herald, o piloto, que não foi identificado, comunicou a colisão com o drone à torre de controle de Buenos Aires. “Esse drone não vai voar nunca mais. Nós o atingimos com o nariz do avião. Se tivesse acertado o motor, teria causado uma pane”, afirmou. O caso está sob investigação das autoridades de aviação civil da Argentina.

Leia também:

Qual avião é mais seguro de voar: um grande ou um pequeno?

Jatos comerciais têm motor escondido na traseira. Sabe para que ele serve?

Sonha em comandar um avião? Veja quanto custa formação básica de um piloto

No dia seguinte, domingo, o aeroporto de Congonhas, em São Paulo, teve de ficar fechado por mais de duas horas por causa da presença de um drone na rota de pouso dos aviões. Pilotos de companhias aéreas avistaram visualmente o drone próximo à pista de Congonhas e avisaram a torre de controle. Nenhum avião foi atingido pelo drone, mas pelo menos 45 voos foram afetados.

O Brasil tem atualmente 24 mil drones cadastrados na Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Segundo a legislação brasileira, ao colocar em risco as operações aéreas, o piloto de drone pode ser condenada a pena de prisão de 2 a 5 anos.

Mais de 100 casos por mês nos Estados Unidos

A aproximação de drones com aviões tem causado sérias preocupações à autoridade de aviação civil dos Estados Unidos (FAA). O órgão afirma que os casos “cresceram dramaticamente nos últimos dois anos”.

Atualmente, a FAA recebe mais de 100 relatórios por mês sobre a presença de drones nas rotas de aviões, tanto comerciais como particulares. No último balanço divulgado, que abrange os meses de janeiro a março deste ano, foram registrados 404 casos de pilotos que avistaram drones próximos das aeronaves.

“A agência quer enviar uma mensagem clara de que operar drones em torno de aviões, helicópteros e aeroportos é perigoso e ilegal. Os operadores não autorizados podem estar sujeitos a multas rígidas e encargos criminais, incluindo a possibilidade de prisão”, afirma a FAA.

O relatório da agência norte-americana afirma que trabalha em uma campanha de educação dos usuários de drones para que operem os equipamentos sempre dentro das regras. Segundo a agência, há também o desafio de identificar e punir quem opera drones de forma irregular.

“A agência também está trabalhando em estreita colaboração com forças policiais para identificar e investigar as operações não autorizadas de aeronaves não tripuladas. A FAA emitiu penalidades civis por uma série de voos não autorizados em várias partes do país e tem muitos casos de execução aberta. A FAA encoraja o público a denunciar operações não autorizadas de drone e a ajudar a desencorajar essa atividade ilegal e perigosa”, diz a agência norte-americana.

Outros casos pelo mundo

Em agosto, a presença de um drone próximo ao aeroporto de Lisboa, em Portugal, também fez com que dois aviões tivessem de abortar o pouso, sendo que um deles acabou sendo desviado para a cidade do Porto.

Como no caso de Congonhas, a presença do drone foi notificada pelos próprios pilotos. A polícia portuguesa foi acionada, mas também não conseguiu localizar o dono do drone. Portugal tem registrado casos recorrentes de aproximação entre drones e aviões comercial. O mês mais perigoso no país foi junho, quando foram registrados oito casos semelhantes.

Diversos outros países também já registraram casos de quase colisão entre drones e aviões comerciais. Na Suíça, um Airbus A330 se aproximava do pouso quando, a cerca de 20 km da pista, passou a apenas 10 metros de distância de um drone com cerca de um metro de diâmetro.

Em Londres, no Reino Unido, o aeroporto de Gatwick teve de ser fechado em julho por causa da presença de um drone. Na ocasião, cinco voos tiveram de ser desviados para evitar a colisão com o objeto.

Leia também:

Se um avião quebra bem no meio da pista do aeroporto, como tirá-lo de lá?

O que são aqueles rastros brancos que alguns aviões deixam no céu?

Controle de qualidade de voo entrega quando o piloto faz algo errado


Qual avião é mais seguro de voar: um grande ou um pequeno?
Comentários Comente

Todos a Bordo

Manutenção e treinamento dos pilotos são os fatores principais para garantir a segurança (foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

Considerado o meio de transporte mais seguro do mundo, o avião ainda causa medo em muitos passageiros. Quando a viagem tem de ser feita em um avião de pequeno porte, esse medo tende a ser maior. Essa preocupação faz sentido?

“Um avião pequeno tem a mesma segurança que um avião grande, desde que bem voado. O piloto bem treinado vai fazer um voo seguro tanto no avião grande como no avião pequeno”, afirma o comandante Miguel Ângelo, diretor de segurança operacional da Aopa Brasil (Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves).

Segundo o comandante Miguel Ângelo, os principais fatores que afetam a segurança do voo são a capacitação dos pilotos, a manutenção das aeronaves e a padronização das operações. A principal diferença entre os aviões de pequeno porte e os de grande porte está nos limites operacionais.

Leia também:

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

Avião militar cai 7x mais rápido que o normal em teste; Embraer nega danos

Sonha em comandar um avião? Veja quanto custa formação básica de um piloto

Cessna Skylane é o modelo mais popular no Brasil (Foto: Divulgação)

É que as aeronaves menores são muito mais sensíveis às condições climáticas do que as maiores. Os jatos comerciais, por exemplo, conseguem pousar com ventos fortes que inviabilizariam a operação de aviões pequenos.

“Se você respeitar as características do voo e da máquina que você está voando, ele é seguro.

Tem de conhecer as limitações do local em que você está voando, as limitações da máquina e as próprias limitações do piloto. Não dá para voar um avião pequeno e achar que vai ter a performance e o desempenho de um avião grande”, afirma o comandante.

Pressão sobre os pilotos

No entanto, muitos pilotos da aviação de pequeno porte, mesmo sabendo das condições desfavoráveis para um voo seguro, acabam decolando por conta da pressão do patrão ou de clientes e medo de demissão. Para o diretor de segurança operacional da Aopa, isso é um dos fatores que fazem com o índice de acidentes com aviões de pequeno porte seja maior do que na aviação comercial.

“Isso ocorre por conta dos padrões de segurança e do treinamento. Uma das nossas brigas, que trabalhamos com segurança de voo, é como aplicar tudo o que nós sabemos na aviação grande também na aviação pequena”, afirma.

O comandante afirma, no entanto, que a maioria dos pilotos da aviação de pequeno porte segue à risca de os padrões de segurança. “Tem muito piloto de avião pequeno que faz simulador nos Estados Unidos tanto quanto os pilotos de Boeing ou Airbus. O avião só não é seguro quando o piloto não tem treinamento e o avião não tem manutenção. Todos os aviões são seguros se respeitar as regras e os limites de segurança”, diz.

Aviões maiores voam em altitudes maiores e, por isso, sofrem menos turbulência (Foto: Getty Images)

Aviões menores sofrem mais turbulência?

Outra reclamação comum dos passageiros é que os aviões de pequeno porte sofrem mais turbulência durante o voo. O comandante Miguel Ângelo afirma que isso, de fato, acontece, mas o problema não está relacionado com o tamanho do avião, mas sim com a velocidade e a altitude do voo.

Os aviões comerciais voam, geralmente, a 10 mil metros de altitude, enquanto os turboélices não passam de 5.000 metros e aviões monomotores chegam somente a 3.000 metros de altitude. O problema é que quanto mais baixo o voo, mais agitado é o ar. “Não é que o avião pequeno sofre mais com a turbulência. O lugar onde ele voa é que tem mais turbulência. Além disso, os aviões a jato voam mais rápido e ficam menos tempo nessas condições desfavoráveis”, diz.

Leia também:

Comandante de avião pode desviar voo, barrar, prender ou casar passageiros?

Jatos comerciais têm motor escondido na traseira. Sabe para que ele serve?

Controle de qualidade de voo entrega quando o piloto faz algo errado


Controle de qualidade de voo entrega quando o piloto faz algo errado
Comentários Comente

Todos a Bordo

Sistema grava todos os dados do voo e ação dos pilotos (Foto: southerlycourse/Getty Images)

Por Vinícius Casagrande

Sempre que ocorre um acidente de avião, a primeira providência dos investigadores é procurar pela caixa-preta para analisar todos os dados do voo. O equipamento tem capacidade para gravar informações das últimas 27 horas de voo, mas que são analisadas somente em caso de um acidente ou uma ocorrência grave com a aeronave.

No entanto, mesmo quando nada de anormal acontece durante o voo, um outro sistema transmite todos os dados do avião para as companhias aéreas avaliarem o desempenho da aeronave, a ação dos pilotos e até mesmo as condições dos aeroportos de decolagem e pouso.

Com isso, as companhias aéreas conseguem saber logo após o pouso se os pilotos fizeram algo fora dos padrões de segurança ou se o avião apresentou algum problema que necessita de alguma intervenção da equipe de manutenção.

Leia também:

Sonha em comandar um avião? Veja quanto custa formação básica de um piloto

Comandante de avião pode desviar voo, barrar, prender ou casar passageiros?

Jatinho mais barato do mundo tem só um motor e paraquedas de emergência

Os dados são transmitidos via internet, por uma rede de telefonia móvel, automaticamente assim que os motores do avião são desligados, sem qualquer interferência dos pilotos. No Departamento de Segurança Operacional das companhias aéreas, as informações são avaliadas pelo sistema FOQA (Flight Operational Quality Assurance, ou Garantia de Qualidade Operacional de Voo), também chamado de FDM (Flight Data Monitoring, ou Monitoramento de Dados de Voo).

Esse sistema de controle de qualidade dos voos começou a ser implementado pelas companhias aéreas no Brasil em 2002 por determinação do antigo DAC (Departamento de Aviação Civil), que foi substituído pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

O coordenador de segurança operacional da Latam e copiloto de Boeing 777, Ricardo Virgílio, afirma que o objetivo do FOQA é monitorar constantemente os voos para identificar com antecedência se algum fator pode vir a colocar em risco a segurança operacional.

“A principal função é uma análise de tendência de todo o trabalho e como está o resultado final do voo. O nosso objetivo é que haja zero acidente. Quando o FOQA identifica alguma tendência, a gente analisa os motivos de isso acontecer. Com essas informações, podemos solicitar mudanças na legislação e até nos manuais dos aviões, como melhorar uma figura, por exemplo, para haver uma interpretação mais precisa dos mecânicos. Tudo o que gente faz é a gestão da segurança”, afirma.

Voo pode ser recriado em simulador para análise de todos os detalhes (foto: Vinícius Casagrande/UOL)

Controle de qualidade dos pilotos

O sistema FOQA funciona também como um vigia da ação dos pilotos. As companhias aéreas têm rígidos padrões que devem ser seguidos por todos os tripulantes em todas as etapas do voo. Se durante o voo essas regras não são seguidas, o sistema emite um alerta.

Quando isso acontece, o Departamento de Segurança Operacional faz uma análise completa de todo o voo. Com os dados coletados, o voo pode ser inteiramente recriado em um simulador. A equipe de controle de qualidade avalia todos os procedimentos adotados e pode até mesmo chamar os pilotos para dar explicações sobre as atitudes tomadas.

Segundo o coordenador de segurança operacional da Latam, nos mais de 19 mil voos mensais da companhia, há uma média de cinco ocorrências mensais. O caso mais comum são falhas durante a aproximação para o pouso.

Os pilotos são orientados a deixar o avião completamente ajustado para o pouso quando estão a uma altura de 1.000 pés (305 metros) em relação ao solo. Isso significa ajustar a velocidade correta, baixar o trem de pouso e estender os flapes do avião, entre outros procedimentos.

“Às vezes, o avião só fica completamente estabilizado a 900 pés (275 metros). Isso não chega a ser um risco, mas já está fora dos padrões determinados pela companhia. Nesse caso, a recomendação é que o piloto arremeta e faça uma nova aproximação. Quando isso não acontece, ele pode ser chamado para dar explicações”, afirma Virgílio.

Isso não significa, no entanto, que o piloto poderá ser punido pela companhia aérea. “Quando trazemos os pilotos, é de forma preventiva para entender o que aconteceu. Ele pode ter feito algo por determinação do controle de tráfego aéreo, para desviar de uma tempestade ou por outro motivo. O importante é analisar a situação”, relata.

Outro caso citado pelo coordenador de segurança operacional da Latam é o de um voo que tocou a pista próximo ao limite estabelecido pela companhia. Os padrões da Latam determinam que o trem de pouso deve tocar no solo antes de percorrer 40% da pista (tendo pelo menos mais 60% da pista para frear). Nesse caso, o avião pousou após sobrevoar 37% da pista.

“Foi um caso em que nem os passageiros nem os pilotos perceberam nada de diferente. Ainda estava dentro do padrão, mas próximo do limite. Então, quisemos entender o que tinha acontecido”, explica.

Outros casos que podem ser avaliados são pouso brusco, arremetida anormal, decolagem abortada e proximidade com outro avião em voo.

Sistema avalia até a qualidade das pistas

Com os dados analisados pelo sistema FOQA, as companhias aéreas podem determinar algumas ações para mitigar os riscos de um acidente aéreo por conta da deficiência da infraestrutura aeroportuária. O piloto da Latam cita o caso, por exemplo, do aeroporto de Rio Branco (AC). O sistema de controle de qualidade dos voos mostrou que os aviões estavam demorando mais para frear.

“A gente começou a identificar uma deficiência na frenagem naquela pista. Falamos com as outras empresas e eles também estavam identificando o problema, mas não podíamos parar a operação de todas companhias aéreas, até pelo impacto social que isso causaria. Para mitigar esse risco, proibimos as operações com pista molhada e passamos a utilizar um avião menor para reduzir o peso até que a pista ficasse melhor novamente”, afirma.

Vírgilo afirma que muitas vezes os próprios administradores dos aeroportos entram em contato com o Departamento de Segurança Operacional das companhias aéreas para solicitar uma análise das condições de suas pistas. “Quando pedem isso, a gente para tudo o que está fazendo para realizar essa análise. É esse trabalho conjunto que garante a segurança operacional”, diz.

Leia também:

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

1ª piloto brasileira de avião casou com instrutor, e ele a proibiu de voar

Lei dá mais folga a piloto, mas passagem aérea pode subir, dizem empresas