Todos A Bordo

Arquivo : rotas aéreas

Aviões seguem estradas invisíveis no céu e não podem ir por onde quiserem
Comentários Comente

Todos a Bordo

Avião voa dentro das aerovias (foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

Para voar de uma cidade a outra, os aviões não podem simplesmente fazer o caminho que quiserem. O céu tem inúmeras estradas invisíveis para orientar o voo dos aviões. Elas são as aerovias, áreas de controle de tráfego aéreo em forma de corredor por onde se deslocam os aviões.

As aerovias brasileiras são definidas pelo Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo) com base em diversos parâmetros, entre eles as características geográficas da aérea e o movimento de aviões em determinada região do país.

Essas estradas dos céus ligam pontos de auxílio à navegação aérea. Em solo, há diversas antenas que emitem sinais para a orientação dos aviões, chamados de VOR ou NDB. O caminho que o avião deve fazer é uma linha reta entre duas antenas.

Dentro de uma aerovia, há diversos desses auxílios à navegação. Dependendo da altitude do voo, as antenas podem estar distantes entre 100 km e 200 km. Assim, o piloto vai seguindo as antenas até chegar ao aeroporto de destino final.

Nas cartas aeronáuticas, as aerovias são marcadas com os nomes, rumo magnético (orientação pela bússola) de cada sentido e altitude mínima que o avião deve seguir. Um avião que voa de Brasília a Goiânia, por exemplo, deve pegar a aerovia W10.

As aerovias são estradas invisíveis no céu para os aviões (imagem: Reprodução)

Nem sempre, no entanto, há rotas diretas para ligar duas cidades. Nesses casos, o piloto deve procurar o caminho mais curto, mas sempre dentro das aerovias. Todo esse planejamento deve ser feito bem antes da decolagem e informado aos órgãos de controle de tráfego aéreo no plano de voo da viagem.

Em altitudes elevadas (acima de 7,5 km), no entanto, alguns voos já podem seguir por aerovias que contam com caminhos mais diretos com a implantação do sistema RNAV (Aerea Navigation, ou simplesmente Navegação Aérea). É que esse novo padrão utiliza a orientação por sistemas de satélite e outros recursos digitais, e não somente as antenas instaladas no solo. Assim, os aviões podem percorrer caminhos mais longos por áreas nas quais não há auxílio de navegação em terra por perto.

Nem todos os aviões, porém, estão habilitados a utilizar o sistema RNAV. As aeronaves precisam ter equipamentos avançados a bordo e os pilotos receberem treinamento específico para isso. Isso já acontece com muitos dos aviões que fazem voos comerciais, mas ainda está longe dos aviões de pequeno porte.

Altitudes diferentes para evitar colisão

A largura das aerovias pode ser de 30 km (até 7,5 km de altitude) ou de 80 km (acima de 7,5 km de altitude). Mas a principal forma de manter a segurança dos aviões que voam simultaneamente pela mesma aerovia é com a separação vertical das aeronaves.

A distância vertical mínima de segurança deve ser de 1.000 pés (305 metros). Para criar uma imagem mais clara, é como se as aerovias fossem como estradas com formato de prateleiras – se os carros andam lado a lado, os aviões voam um em cima do outro.

Dois aviões que voam em sentido contrário dentro da mesma aerovia, nunca deveriam se encontrar na mesma altitude. No exemplo da viagem entre Brasília e Goiânia pela aerovia W10, os voos que saem da capital federal seguem em altitudes pares a partir de 16.000 pés, como 18.000 pés, 20.000 pés e assim por diante.

No voo de retorno entre Goiânia e Brasília, os aviões devem voar em altitudes ímpares a partir de 15.000 pés, como 17.000 pés, 19.000 pés e 21.000 pés.

Com essa divisão entre níveis de voo pares e ímpares, o sistema de controle de tráfego aéreo garante que se tenha uma separação vertical mínima de pelo menos 1.000 pés entre dois aviões que se cruzem no céu em sentidos opostos – o acidente do jato Legacy e com o avião Gol, em 2006, só aconteceu por causa de diversas falhas consecutivas tanto do controle de tráfego aéreo como dos pilotos norte-americanos do Legacy.

Carta aeronáutica com as rotas especiais de aeronaves (imagem: Reprodução)

Voos visuais

Alguns aviões podem voar fora das aerovias. Para isso, no entanto, precisam estar em condições para identificar, visualmente, as referências em solo. As regras para os chamados voos visuais exigem visibilidade horizontal mínima de 5 km até a altitude de 10.000 pés (3 km). Para voos entre 10.000 pés e 14.500 pés (4,4 km), a visibilidade horizontal mínima sobe para 8 km (acima de 14.500 pés, os voos visuais são proibidos).

Em condição de voo visual, qualquer tipo de avião ou helicóptero pode seguir o trajeto que preferir. No entanto, deve manter uma altitude seguindo conceito semelhante ao estabelecido dentro das aerovias para garantir a separação mínima de 1.000 pés em relação aos aviões que voam em sentido contrário.

Em algumas regiões de grande movimentação de aeronaves, próximo aos principais aeroportos, foram criadas também algumas estradas no céu para os voos visuais. Nesse tipo de voo, no entanto, elas recebem o nome de corredores visuais ou rotas especiais de aeronaves. Esses corredores contam com altitude máxima de voo reduzida, em média entre 500 metros e 1 km em relação ao solo, para não interferir no tráfego de grandes aviões.

Leia também:

Tempo de voo pode ter diferença de 2h na ida e na volta. Sabe por quê?

Feita há 95 anos, primeira viagem de avião de Lisboa ao Rio durou 79 dias

Este avião é o campeão nas rotas mais longas do mundo, com mais de 16h

OS BASTIDORES DA ESQUADRILHA DA FUMAÇA 


1ª queda em 10 anos: brasileiro pega menos avião e troca EUA por Argentina
Comentários Comente

Todos a Bordo

Fluxo de passageiros para os EUA teve queda de 17,4% (Foto: Getty Images)

Por Vinícius Casagrande

O ano passado foi o primeiro, desde 2007, em que o número de passageiros de avião teve diminuição no país, com queda geral de 6,9%. A diminuição ocorreu tanto em voos nacionais (-7,8%) quanto em internacionais (-3%). Somando os dois mercados, viajaram de avião no último ano 109,6 milhões de pessoas. Em 2015, recorde histórico no Brasil, haviam sido transportados 117,7 milhões de passageiros.

O número de passageiros do Brasil para os Estados Unidos caiu 17,4%, indo de 5,3 milhões em 2015 para 4,4 milhões no ano passado. Em compensação, o volume para a Argentina cresceu 11,4%. Mesmo com a redução, os EUA continuam sendo o destino que atrai mais brasileiros.

Estados Unidos – 4.440.924 passageiros (-17,4% em relação a 2015)

Argentina – 3.431.848 passageiros (+11,4%)

Chile – 1.500.579 passageiros (+6,6%)

Portugal – 1.474.704 passageiros (-4,1%)

Espanha – 1.012.586 passageiros (+4%)

França – 927.829 passageiros (-4,4%)

Queda geral no país

Com a diminuição da demanda, as empresas aéreas também reduziram a quantidade de voos no país. No mercado internacional, a baixa registrada no ano passado foi de 7,9%, ou 11,5 mil voos a menos. Nos voos nacionais, a queda foi ainda maior, de 11,4%, ou 106 mil voos a menos em relação a 2015.

Internamente, na rota de maior movimento no país, entre os aeroportos de Santos Dummont, no Rio de Janeiro, e Congonhas, em São Paulo, a redução foi de 3,5%, caindo de 4 milhões para 3,9 milhões.

Os dados constam do Anuário do Transporte Aéreo, elaborado pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) e divulgado na sexta-feira passada (30 de junho).

Rotas mais movimentadas do país

Os aeroportos de São Paulo e do Rio de Janeiro dominam as principais rotas aéreas do Brasil. Todas as 20 rotas mais movimentadas do país em número de passageiros passam por um dos quatro aeroportos que servem as duas cidades (Congonhas e Guarulhos, em São Paulo, e Santos Dummont e Galeão, no Rio de Janeiro).

O aeroporto de Guarulhos conta com quase metade das 20 rotas com maior fluxo de passageiros no mercado nacional. Veja as rotas mais movimentadas do país:

Rio de Janeiro (Santos Dummont) – São Paulo (Congonhas): 3.906.171 passageiros

São Paulo (Congonhas) – Brasília: 2.078.804 passageiros

Salvador – São Paulo (Guarulhos): 1.856.072 passageiros

Porto Alegre – São Paulo (Guarulhos): 1.811.195 passageiros

São Paulo (Guarulhos) – Recife: 1.752.261 passageiros

São Paulo (Congonhas) – Belo Horizonte (Confins): 1.737.740 passageiros

São Paulo (Congonhas) – Porto Alegre: 1.726.640 passageiros

Curitiba – São Paulo (Guarulhos): 1.490.442 passageiros

Fortaleza – São Paulo (Guarulhos): 1.479.841 passageiros

São Paulo (Congonhas) – Curitiba: 1.447.058 passageiros

Rio de Janeiro (Galeão) – São Paulo (Guarulhos): 1.308.077 passageiros

Belo Horizonte (Confins) – São Paulo (Guarulhos): 1.164.835 passageiros

Salvador – Rio de Janeiro (Galeão): 1.140.958 passageiros

Brasília – Rio de Janeiro (Santos Dummont): 1.117.575 passageiros

Brasília – São Paulo (Guarulhos): 1.064.470 passageiros

Florianópolis – São Paulo (Guarulhos): 1.013.807 passageiros

São Paulo (Congonhas) – Rio de Janeiro (Galeão): 951.193 passageiros

Rio de Janeiro (Galeão) – Porto Alegre: 874.735 passageiros

Rio de Janeiro (Galeão) – Recife: 834.933 passageiros

Rio de Janeiro (Santos Dummont) – Belo Horizonte (Confins): 833.881 passageiros

Leia também:

Onde há mais passageiros de avião no mundo? EUA, Europa, Coreia ou Vietnã?

Passageiro educado ao telefone pode ganhar assento mais espaçoso em aviões

Você sabe como é feito o batismo de um avião? Até os bombeiros são chamados


Este avião é o campeão nas rotas mais longas do mundo, com mais de 16h
Comentários Comente

Todos a Bordo

Qatar utiliza o Boeing 777-200LR na rota mais longa do mundo (Foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

O Boeing 777 é o avião que mais faz as rotas ultralongas na aviação mundial. Dos dez trechos com mais de 16 horas de viagem, o modelo está presente em sete deles. O Boeing 777 faz, inclusive, a rota com o maior tempo de viagem, entre Auckland, na Nova Zelândia, e Doha, no Catar, pela companhia aérea Qatar Airways. São 17h40 para percorrer 14.522 km.

A nova rota mais longa do mundo foi lançada no mês passado. Até então, a liderança era do voo entre São Francisco e Cingapura. A rota é operada pelas companhias aéreas United Airlines, que utiliza o Boeing 787-9, e pela Singapore Airlines, que voa com o Airbus A350-900.

Na terceira e quarta posições do ranking estão dois voos do Airbus A380-800. A Emirates voa de Auckland para Dubai, enquanto a australiana Qantas faz a rota entre Dallas e Sydney. Os dois voos têm o tempo estimado de viagem em 17h05.

Além da liderança, a partir da quinta posição o domínio do Boeing 777 é total, sendo o escolhido para voar todas as demais rotas de longa duração. Na movimentada rota entre Dubai e Los Angeles, a Emirates tem dois voos diários, um com o Boeing 777-200LR e outro com o Airbus A380-800. Os dois aviões fazem o trajeto em 16h15.

O tempo estimado da viagem foi pesquisado no site das próprias companhias aéreas, seguindo o ranking da consultoria OAG. O tempo total prevê o horário de saída e chegada dos voos. Em geral, duração do voo é estimada contando também o tempo dos deslocamentos dentro dos aeroportos. Os voos podem, ainda, ter um tempo maior ou menor de acordo com as condições do clima durante a rota.

Liderança ameaçada

A liderança do Boeing 777 nas rotas mais longas do mundo, no entanto, pode estar ameaçada. A Singapore Airlines já anunciou que pretende lançar no próximo ano uma nova rota mais longa do mundo. O voo com o Airbus A350-900ULR ligando Cingapura a Nova York deve levar 18h30 para percorrer 15.340 km.

Também em 2018, a Qantas planeja um voo entre Perth e Londres a bordo de um Boeing 787-900. Com uma distância de 14.495 km, a viagem entre as duas cidades tem previsão de durar 17 horas.

Para o analista sênior da OAG, John Grant, os aviões mais modernos permitem que as companhias aéreas de todo o mundo criem rotas cada vez mais longas. Isso acontece porque os novos aviões são mais eficientes e consomem menos combustível, o que permite aumentar o alcance dos voos.

“O padrão industrial do Boeing 777 tem sido capaz de voar essas distâncias por algum tempo, mas as novas tecnologias de aviões têm custos operacionais menores”, afirma.

Para aumentar a autonomia dos voos, as companhias devem adotar configurações internas dos aviões com menos capacidade de passageiros. Isso aconteceria aumentando a quantidade de assentos da primeira classe e da executiva. É que quanto mais passageiros, maior o peso do avião e, consequentemente, maior o consumo de combustível, o que diminui a autonomia.

VÍDEO REGISTRA POUSO DO BOEING 777 DURANTE TEMPESTADE

A maior distância voada

O ranking foi baseado sob o critério de tempo de voo. Em termos de distância, no entanto, o voo da Air India entre Nova Déli e São Francisco é o mais longo do mundo, percorrendo 15,3 mil km. O título foi conquistado quando a empresa mudou o trajeto voado.

Desde outubro, a empresa passou a fazer a rota sobrevoando o Pacífico, em vez ir sobre o Atlântico. Com isso, a rota ficou 1.400 km mais longa. No entanto, o voo se beneficia dos ventos de cauda que aumentam a velocidade do avião em cerca de 140 km/h. Isso fez com que a viagem ficasse duas horas mais rápida, totalizando 14,5 horas. O voo é feito com o Boeing 777-200ER.

A influência do vento pode ser vista também nas demais rotas mais longas do mundo. Enquanto o voo entre Auckland e Doha tem duração prevista de 17h40, a viagem no sentido contrário dura 16 horas. A maior diferença ocorre na rota entre São Francisco e Cingapura. São 17h10 em um sentido e apenas 15h05 no trecho contrário, uma diferença de mais de duas horas.

As rotas mais longas do mundo

1. De Auckland a Doha (Qatar Airways) – 17h40 – 14.522 km – Boeing 777-200LR

2. De São Francisco a Singapura (United e Singapore) – 17h10 – 13.571 km – Boeing 787-9 e Airbus A350-900

3. De Auckland a Dubai (Emirates) – 17h05 – 14.189 km – Airbus A380-800

4. De Dallas a Sydney (Qantas) – 17h05 – 13.798 km – Airbus A380-800

5. De Johannesburgo a Atlanta (Delta) – 16h50 – 13.571 km – Boeing 777-200LR

6. De Abu Dhabi a Los Angeles (Etihad) – 16h45 – 13.475 km – Boeing 777-200LR

7. De Jeddah a Los Angeles (Saudi Arabian) – 16h40 – 13.382 km – Boeing 777-300

8. De Dubai a Houston (Emirates) – 16h35 – 13.114 km – Boeing 777-300ER

9. De Dubai a Los Angeles (Emirates) – 16h15 – 13.391 km – Boeing 777-200LR e Airbus A380-800

10. De Doha a Los Angeles (Qatar Airways) – 16h15 – 13.338 km – Boeing 777-200LR

Leia também:

Empresa muda rota, e voo entre Índia e EUA vira o mais longo do mundo

Apenas 13 empresas têm o maior avião do mundo em sua frota; veja quais são

Pistas de Guarulhos são alargadas para voos diários do maior avião do mundo

Veja como é voar no A380 da companhia aérea Emirates


Onde há mais passageiros de avião no mundo? EUA, Europa, Coreia ou Vietnã?
Comentários Comente

Todos a Bordo

Jeju, na Coreia do Sul. Ligação com Seoul é a mais movimentada do mundo (Foto: Maristela do Valle/UOL)

Jeju, na Coreia do Sul, atrai turista por conta de suas belezas (Foto: Maristela do Valle/UOL)

Os Estados Unidos e a Europa concentram os maiores mercados da aviação comercial no mundo. Com isso, seria natural imaginar que as rotas mais congestionadas seriam as que ligassem cidades norte-americanas ou europeias. A realidade, no entanto, é bem diferente disso.

Um estudo da empresa de análise de aviação OAG, do Reino Unido, coloca no topo da lista uma cidade que a maioria das pessoas nunca sequer ouviu falar. A rota entre Jeju e Seoul, ambas na Coreia do Sul, conta com o maior fluxo de passageiros no mundo.

Por ano, as viagens de avião de Jeju a Seoul levam mais de 6,5 milhões de passageiros. A rota chega a ter mais de cem voos em um único dia, apenas em um sentido. Embora desconhecida no ocidente, a ilha de Jeju é um dos principais destinos para casais em lua-de-mel e amantes da natureza na Ásia.

Os voos ligando cidades europeias e norte-americanas não entram nem mesmo entre as dez maiores em relação ao número de passageiros por ano. Das dez rotas mais movimentadas do mundo, nove estão presentes na Ásia. Completa a lista um voo entre as cidades de Melbourne e Sydney, na Austrália.

Tóquio é a cidade que concentra as rotas mais congestionadas do mundo. Três rotas ligando a capital japonesa estão entre as dez mais movimentadas. Os maiores fluxos são de Tóquio a Sapporo, Fukuoka e Okinawa.

A lista guarda ainda outras surpresas. Na sétima colocação, está a ligação entre duas cidades vietnamitas: Ho Chi Minh e Hanói. Já em nono lugar, aparece a rota entre Surabaia e Jacarta, ambas na Indonésia.

A ponte aérea Rio-São Paulo ocupava no ano passado a décima colocação. Com a crise e a redução de voos de todas as companhias brasileiras, no entanto, a rota saiu da lista. A OAG divulga apenas o ranking das dez maiores.

As dez rotas mais movimentadas

1) De Jeju a Seoul, na Coreia do Sul (6.561.314 passageiros)

2) Sapporo a Tóquio, no Japão (6.209.366 passageiros)

3) Fukuoka a Tóquio, no Japão (5.961.277 passageiros)

4) Melbourne a Sydney, na Austrália (5.067.167 passageiros)

5) Taipei a Hong Kong, na China (4.146.547 passageiros)

6) Nova Déli a Mumbai, na Índia (4.143.639 passageiros)

7) Ho Chi Minh a Hanói, no Vietnã (4.141.322 passageiros)

8) Pequim a Xangai, na China (3.962.081 passageiros)

9) Surabaia a Jacarta, na Indonésia (3.849.866 passageiros)

10) Tóquio a Okinawa, no Japão (3.784.546 passageiros)

Leia também:

Os novos aviões e helicópteros que voaram pela primeira vez em 2016

Congonhas é o aeroporto com mais conexões de voos da A. Latina, diz ranking

Praias, rios, florestas e neve; pilotos escolhem aeroportos mais bonitos


Empresa muda rota, e voo entre Índia e EUA vira o mais longo do mundo
Comentários Comente

Todos a Bordo

Boeing 777 da Air Índia percorre 15,3 mil km entre Nova Déli e São Francisco (Imagem: Divulgação)

Boeing 777 da Air India percorre 15,3 mil km entre Nova Déli e São Francisco (Imagem: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

A Air India conquistou o título de voo mais longo do mundo ao mudar o trajeto de seu voo entre Nova Déli, na Índia, e São Francisco, nos EUA.

A companhia fazia a rota sobrevoando o Oceano Atlântico, mas desde a semana passada o voo começou a fazer o trajeto pelo lado oposto, passando pelo Oceano Pacífico.

A mudança fez a distância percorrida pelo voo aumentar em 1.400 km, chegando a um total de 15,3 mil km.

Apesar do aumento na distância, o voo ficou cerca de duas horas mais rápido. A partir de agora, o tempo total da viagem passa a ser de 14,5 horas.

Segundo a empresa, isso foi possível por conta dos ventos em altitudes elevadas. Quando sobrevoava o Atlântico, o avião enfrentava ventos de frente que diminuíam a velocidade em relação ao solo, em média, em 25 km/h.

Na rota pelo Pacífico, os ventos são mais fortes e seguem na mesma direção do voo. Com isso, o avião é empurrado pelos ventos e a velocidade em relação ao solo aumenta, em média, em 140 km/h.

Por conta da variação da velocidade do vento, a expectativa é que o tempo total do voo na nova rota diminua entre uma e três horas em cada viagem.

A Air India utiliza na rota o Boeing 777-200ER. Estima-se que, a cada hora de voo, o avião consuma cerca de 9.600 litros de combustível. O voo mais rápido vai permitir uma economia significativa à empresa.

Também para aproveitar os ventos de cauda, o voo de retorno, entre São Francisco e Nova Déli, continua sendo feito pela rota original, sobre o Atlântico.

Disputa pelo voo mais longo

Com a mudança de caminho, em termos de distância, a Air India tirou o título da Emirates. Até então, o voo mais longo do mundo era o da rota entre Dubai, nos Emirados Árabes Unidos, e Auckland, na Nova Zelândia. O voo percorre 14,3 mil km em 16,5 horas.

O título da Air India, no entanto, não deve durar muito tempo. A Singapore Airlines já anunciou que, a partir de 2018, pretende realizar a rota entre Cingapura e Nova York. O percurso total de 16,5 mil km deverá ser percorrido em 19 horas com o Airbus A350.

Hoje, a rota mais longa em termos de tempo de voo pertence à Emirates no trecho entre Dubai e a Cidade do Panamá. São 17,5 horas e 13,8 mil km.

Leia mais:

Manual para enfrentar voos de looonga distância

Aérea cria voo internacional ‘mais curto do mundo’ operado por jato Embraer

Até dor de ouvido e sinusite devem ser informadas antes de viajar de avião


Air India opta por Nova Déli e deixa disputa por voo mais longo do mundo
Comentários Comente

Todos a Bordo

Foto mostra cauda de Airbus da Air India no aeroporto internacional Indira Gandhi em Nova Déli (Raveendran /AFP)

Foto mostra cauda de Airbus da Air India no aeroporto internacional Indira Gandhi em Nova Déli
(Raveendran /AFP)

A Air India acabou escolhendo Nova Déli como ponto de partida e chegada do novo voo até São Francisco, na Califórnia. A imprensa indiana havia divulgado na última semana que a companhia aérea estava cogitando ligar São Francisco a Bangalore, o que daria origem ao voo mais longo do mundo, com 18 horas de duração.

A nova rota a partir da capital terá duração aproximada de 16 horas de voo e cobrirá uma distância de mais de 12.000 quilômetros.

Leia também: Manual para enfrentar voos de looonga duração
As dez rotas de avião mais longas do mundo

O anúncio foi feito pelo primeiro-ministro Narendra Modi durante visita ao Vale do Silício. Ele afirmou que o voo nonstop será realizado três vezes por semana, a partir do dia 2 de dezembro. O novo voo deverá ser operado por aviões Boeing 777-200 LR. A Air India já voa para Nova York, Newark e Chicago.

Com a decisão por Nova Déli, fica mantida a expectativa pelo início da operação do voo da Emirates entre Dubai e Cidade do Panamá, em fevereiro do ano que vem. O voo cobrirá 13.800 quilômetros em 17 horas e 35 minutos.

Atualmente, o voo mais longo em operação é da Qantas e liga Dallas, no Texas, a Sydney, na Austrália. A viagem dura 16 horas e 35 minutos.


Satélites e vento redefinem mapa aéreo, e rotas no país encolhem 50 mil km
Comentários Comente

Todos a Bordo

Crédito: Divulgação

Companhias nacionais, como a Azul, poderão economizar tempo e combustível. (Foto: Divulgação)

As rotas aéreas não são simples trajetos em linha reta, que cruzam o céu de um ponto a outro, mas percursos específicos, padronizados, definidos com base em critérios técnicos. Para traçar cada aerovia, os especialistas consideram variações topográficas, a direção do vento e o tráfego aéreo, entre outras influências. Por isso, com o aprimoramento dos satélites e as experiências acumuladas de voo, essas “estradas virtuais” podem ser redesenhadas de tempos em tempos, como vem ocorrendo neste ano com o mapa aéreo brasileiro.

Até o fim de 2015, as rotas aéreas do país devem ter uma redução acumulada de 50 mil quilômetros, com base nas 69 novas cartas aeronáuticas, de voos domésticos e internacionais, publicadas neste ano pelo Instituto de Cartografia Aeronáutica (ICA), braço do Departamento de Controle do Espaço Aéreo (Decea). Ao todo, 180 rotas  passarão por alterações em seu traçado para otimizar o fluxo do tráfego aéreo, por meio de um trabalho colaborativo entre o ICA e as companhias.

De acordo com a Associação Brasileira das Empresas Aéreas (Abear), a diminuição de 50 mil quilômetros equivale a 60 voos a menos por mês, ao se considerar a média mensal de mais de 64,5 milhões de quilômetros voados em 2013 (o processo de redesenho implementado agora começou em 2014). Essa redução deve gerar impactos positivos no consumo de querosene, nas emissões de gases e no tempo de voo.

“Para o passageiro, a redução da viagem pode variar de 3 a 10 minutos”, explica o comandante Paulo Roberto Alonso, consultor de segurança de voo da Abear. Naturalmente, esse tempo também é influenciado pela potência das aeronaves. O redesenho das rotas é realizado por meio de informações mais precisas obtidas por navegação via satélite. A maior parte das novas rotas já foi implementada (140 de um total de 180), como os trechos entre São Paulo/Rio de Janeiro, São Paulo/Brasília e Rio de Janeiro/Brasília.

Crédito: Ian L./FreeRange

O redesenho das cartas cartográficas é feito com dados obtidos via satélite. (Foto: Ian L./FreeRange)

Alonso explica que alteração das aerovias não é um processo demorado. Para que uma mudança ocorra, é necessário apenas que as companhias tenham tempo de realizar as devidas programações nos computadores das aeronaves. Com os novos dados incluídos nos sistemas dos aviões, o reconhecimento das aerovias ocorre automaticamente, como em uma atualização de dados de GPS.

O ICA trabalha com dois tipos importantes cartas de navegação: as Cartas de Navegação Visual (VFR – Visual Flight Rules) e as Cartas de Navegação por Instrumentos (IFR – Instrument Flight Rules). Além das cartas, o órgão produz e publica, em meios impressos e digitais, mapas e manuais com orientações detalhadas para voos no país.

Leandro Quintanilha – leandroq@gmail.com


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>