Todos A Bordo

Voo direto para Rússia na Copa? Só se o mundial fosse em 1994 ou 1998

Todos a Bordo

Companhia aérea russa vou para o Brasil entre 1993 e 2000 (Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

Os torcedores brasileiros que forem acompanhar a Copa do Mundo no ano que vem terão de fazer pelo menos uma conexão (troca de avião) em alguma cidade europeia antes de chegar à Rússia. Atualmente, nenhuma companhia aérea tem voos diretos entre os dois países. Mas no passado essa história já foi diferente.

Em 1993, a companhia aérea russa Aeroflot começou a operar voos regulares entre Moscou e São Paulo. Inicialmente, o voo era operado com um avião do modelo Ilyushin IL-62 e precisava de uma escala de reabastecimento em Salvador (BA).

No ano seguinte, o avião utilizado passou a ser o Ilyushin IL-96-300, que permitia fazer voos diretos entre Moscou e São Paulo. Assim, a escala em Salvador foi cancelada.

A presença da Aeroflot no Brasil, no entanto, não durou muito tempo. Os primeiros rumores do fim das operações da companhia aérea russa no Brasil começaram a surgir em 1998. No ano seguinte, a empresa paralisou suas operações no Brasil por alguns meses. Quando os voos foram retomados, passaram a ter escala em Tunis, na Tunísia. No ano 2000, a Aeroflot abandonou o Brasil em definitivo.

Leia também:
Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica
Quer economizar na passagem aérea? Aprenda a usar programas de fidelidade
O que significam as placas, faixas e luzes nas pistas dos aeroportos?

Nos últimos anos, a companhia aérea russa chegou a fazer alguns voos fretados entre Moscou e São Paulo e Moscou e Rio de Janeiro. Em 2014, a empresa foi a responsável por trazer toda a delegação da seleção russa que disputou a Copa do Mundo no Brasil. Em 2016, a empresa transportou atletas, dirigentes e torcedores para as Olimpíadas do Rio de Janeiro.

Assim como a ligação direta com a Rússia, o Brasil já teve diversas outras rotas que foram extintas. Relembre algumas delas:

Companhia aérea israelense voou para o Brasil entre 2009 e 2011 (Divulgação)

São Paulo – Tel Aviv (Israel)

A rota entre o Brasil e Israel durou apenas dois anos. Em maio de 2009, a companhia aérea israelense El Al iniciou seus voos diretos entre Tel Aviv e São Paulo. As operações, no entanto, ficaram abaixo da expectativa da empresa e, em 2011, os voos foram suspensos.

Essa rota, no entanto, deve ser retomada no ano que vem. No mês passado, a Latam anunciou a intenção de fazer um voo direto para Tel Aviv. O voo sairá de Santiago (Chile), fará uma parada em São Paulo e seguirá direto para Israel. O trecho entre São Paulo e Tel Aviv deve ter duração de 14 horas e 30 minutos de voo. O voo da Latam deve começar a operar no final de 2018 com três frequências semanais.

Companhia aérea japonesa JAL encerrou suas atividades no Brasil em 2010 (Divulgação)

São Paulo e Rio de Janeiro – Tóquio (Japão)

Uma das rotas mais longas a partir do Brasil ligava São Paulo a Tóquio. Com mais de 18,5 mil quilômetros de distância entre as duas cidades, os aviões nunca tiveram capacidade para fazer o voo direto. A rota entre Brasil e Japão começou a ser operada em 1960 pela companhia aérea brasileira Real Aerovias e foi encerrada em 2010, quando a Japan Airlines deixou de voar para o país.

Os voos da Real Aerovias duraram pouco tempo. Em 1961, a empresa foi comprada pela Varig, que passou a fazer a ligação entre o Brasil e o Japão. No início, o voo decolava de São Paulo e fazia escalas em Lima (Peru), Los Angeles (EUA) e Honolulu (EUA) antes de chegar a Tóquio. A Varig também operava voos saindo do Rio de Janeiro.

Com o tempo e a aquisição de aviões mais modernos, as escalas foram sendo reduzidas. Nos últimos anos, a viagem fazia apenas uma escala em Los Angeles.

O último voo entre São Paulo e Tóquio foi realizado no dia 27 de setembro de 2010 pela Japan Airlines (JAL). A empresa operava no país desde 1978.

Nos anos 1980, Brasil teve ligação com o Iraque (Reprodução/Facebook)

Rio de Janeiro – Bagdá (Iraque)

Na década de 1980, o Brasil tinha uma ligação com o Iraque na rota entre Rio de Janeiro e Bagdá. O voo era operado pela companhia aérea iraquiana Iraqi Airways. O voo, no entanto, não era direto e precisava fazer algumas escalas no caminho.

As cidades de escala dependiam da época de operação dos voos e do modelo do avião utilizado na rota, além de outras estratégias da própria companhia aérea. Em determinada época, o voo fazia paradas em Amã (Jordânia) e Lisboa (Portugal). Quando encerrou definitivamente suas operações no Brasil, o voo da Iraqi Airways partia de Bagdá e fazia escalas em Larnaca (Chipre) e Lisboa antes de chegar ao Rio de Janeiro.

Etihad deixou de voar para o Brasil em março de 2017 (Divulgação)

São Paulo – Abu Dhabi (Emirados Árabes Unidos)

Atual sede da Copa do Mundo de Clubes da Fifa, Abu Dhabi deixou de ter uma ligação direta com o Brasil em março deste ano, quando a companhia aérea Etihad parou de operar no país. A empresa fazia voos diretos entre São Paulo e Abu Dhabi desde 2013.

Segundo a empresa, no período em que voou para o Brasil foram transportados mais de 460 mil passageiros. O voo direto entre as duas cidades tinha duração de 14 horas e 30 minutos.

O time do Grêmio, de Porto Alegre (RS), embarcou nesta quarta-feira (6) com destino a Abu Dhabi, onde disputará o mundial de clubes da Fifa. Sem um voo direto a partir do Brasil, os jogadores foram divididos em dois grupos. Parte da delegação fará escala em Londres (Inglaterra) e outra parte em Frankfurt (Alemanha).

O Brasil ainda tem uma ligação direta com os Emirados Árabes Unidos, mas ligando São Paulo e Rio de Janeiro a Dubai. O voo é operado pela companhia aérea Emirates. Na ligação com São Paulo, a viagem é feita com o Airbus A380, o maior avião de passageiros do mundo com capacidade para cerca de 500 passageiros. Já na rota com destino ao Rio de Janeiro, o avião utilizado é o Boeing 777, que pode levar cerca de 360 passageiros.

São Paulo – Bruxelas (Bélgica)

A cidade que abriga a sede da União Europeia não tem uma ligação direta com o Brasil desde abril de 2000, quando a Vasp encerrou todos os seus voos internacionais para a Europa e Estados Unidos.

O voo da companhia aérea brasileira era operado com o avião MD-11. A viagem saía de São Paulo, fazia uma parada em Recife (PE) ou Salvador e seguia para a capital da Bélgica. Além da Vasp, a companhia aérea belga Sabena também fez a ligação entre Bruxelas e São Paulo. O voo, no entanto, durou apenas entre 1998 e 1999.

Leia também:

Jatos comerciais têm motor escondido na traseira. Sabe para que ele serve?

Drone bateu em avião na Argentina; EUA registram 100 casos de risco por mês

Aeroporto de Guarulhos tem sala de crise inspirada na Casa Branca