Todos A Bordo

Arquivo : Conforto

Qual avião é mais seguro de voar: um grande ou um pequeno?
Comentários Comente

Todos a Bordo

Manutenção e treinamento dos pilotos são os fatores principais para garantir a segurança (foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

Considerado o meio de transporte mais seguro do mundo, o avião ainda causa medo em muitos passageiros. Quando a viagem tem de ser feita em um avião de pequeno porte, esse medo tende a ser maior. Essa preocupação faz sentido?

“Um avião pequeno tem a mesma segurança que um avião grande, desde que bem voado. O piloto bem treinado vai fazer um voo seguro tanto no avião grande como no avião pequeno”, afirma o comandante Miguel Ângelo, diretor de segurança operacional da Aopa Brasil (Associação de Pilotos e Proprietários de Aeronaves).

Segundo o comandante Miguel Ângelo, os principais fatores que afetam a segurança do voo são a capacitação dos pilotos, a manutenção das aeronaves e a padronização das operações. A principal diferença entre os aviões de pequeno porte e os de grande porte está nos limites operacionais.

Leia também:

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

Avião militar cai 7x mais rápido que o normal em teste; Embraer nega danos

Sonha em comandar um avião? Veja quanto custa formação básica de um piloto

Cessna Skylane é o modelo mais popular no Brasil (Foto: Divulgação)

É que as aeronaves menores são muito mais sensíveis às condições climáticas do que as maiores. Os jatos comerciais, por exemplo, conseguem pousar com ventos fortes que inviabilizariam a operação de aviões pequenos.

“Se você respeitar as características do voo e da máquina que você está voando, ele é seguro.

Tem de conhecer as limitações do local em que você está voando, as limitações da máquina e as próprias limitações do piloto. Não dá para voar um avião pequeno e achar que vai ter a performance e o desempenho de um avião grande”, afirma o comandante.

Pressão sobre os pilotos

No entanto, muitos pilotos da aviação de pequeno porte, mesmo sabendo das condições desfavoráveis para um voo seguro, acabam decolando por conta da pressão do patrão ou de clientes e medo de demissão. Para o diretor de segurança operacional da Aopa, isso é um dos fatores que fazem com o índice de acidentes com aviões de pequeno porte seja maior do que na aviação comercial.

“Isso ocorre por conta dos padrões de segurança e do treinamento. Uma das nossas brigas, que trabalhamos com segurança de voo, é como aplicar tudo o que nós sabemos na aviação grande também na aviação pequena”, afirma.

O comandante afirma, no entanto, que a maioria dos pilotos da aviação de pequeno porte segue à risca de os padrões de segurança. “Tem muito piloto de avião pequeno que faz simulador nos Estados Unidos tanto quanto os pilotos de Boeing ou Airbus. O avião só não é seguro quando o piloto não tem treinamento e o avião não tem manutenção. Todos os aviões são seguros se respeitar as regras e os limites de segurança”, diz.

Aviões maiores voam em altitudes maiores e, por isso, sofrem menos turbulência (Foto: Getty Images)

Aviões menores sofrem mais turbulência?

Outra reclamação comum dos passageiros é que os aviões de pequeno porte sofrem mais turbulência durante o voo. O comandante Miguel Ângelo afirma que isso, de fato, acontece, mas o problema não está relacionado com o tamanho do avião, mas sim com a velocidade e a altitude do voo.

Os aviões comerciais voam, geralmente, a 10 mil metros de altitude, enquanto os turboélices não passam de 5.000 metros e aviões monomotores chegam somente a 3.000 metros de altitude. O problema é que quanto mais baixo o voo, mais agitado é o ar. “Não é que o avião pequeno sofre mais com a turbulência. O lugar onde ele voa é que tem mais turbulência. Além disso, os aviões a jato voam mais rápido e ficam menos tempo nessas condições desfavoráveis”, diz.

Leia também:

Comandante de avião pode desviar voo, barrar, prender ou casar passageiros?

Jatos comerciais têm motor escondido na traseira. Sabe para que ele serve?

Controle de qualidade de voo entrega quando o piloto faz algo errado


American vai pôr mais passageiros no avião, mas diz que não vai apertá-los
Comentários Comente

Todos a Bordo

Empresa afirma que o limite entre os assentos é de 76 cm (foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

Em Dallas (EUA)

O CEO da American Airlines, Doug Parker, afirmou que a companhia vai aumentar o número de passageiros por avião, mas que isso não vai reduzir ainda mais o espaço entre as poltronas dentro de seus aviões. Segundo o executivo, o limite estabelecido pela empresa é de uma distância de, no mínimo, 76 cm entre as poltronas. “Não vamos reduzir o espaço além disso”, diz.

A companhia área tem feito a reconfiguração interna de seus aviões para ter o mesmo padrão tanto nas aeronaves provenientes da US Airways como da própria American Airlines – as duas empresas realizaram a fusão no final de 2013.

No caso do Airbus A321, por exemplo, os aviões originários da American Airlines tinha capacidade para 181 passageiros, enquanto os que eram da US Airways contavam com 187 assentos. Com a reconfiguração interna, todos os aviões do modelo passam a ter capacidade para 190 passageiros.

O aumento do número de lugares dentro dos aviões, segundo a companhia, é possível com o uso de assentos mais finos.

Leia também:
Aéreas cobram mais de R$ 100 só para marcar assento comum em voos longos
Juíza dos EUA diz que aperto em avião afeta segurança e pede novas regras
Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica

Mesma quantidade de aviões, mais capacidade de passageiros

Com 1.544 aviões em operação nas rotas domésticas e internacionais, a companhia aérea norte-americana American Airlines tem planos de aumentar sua oferta de assentos sem alterar a quantidade de aviões. Para isso, a empresa tem realizado desde 2014 uma forte renovação de sua frota.

A principal mudança está na aquisição de aeronaves maiores tanto para as rotas domésticas como internacionais. No mercado dentro dos Estados Unidos, a estratégia da empresa é ter mais aviões com capacidade entre 161 e 200 passageiros, reduzindo a quantidade de aviões entre 99 e 160 assentos.

Em 2014, a empresa tinha 587 aviões com capacidade entre 99 e 160 lugares. Esse número deve cair para cerca de 200 aeronaves em 2021. Por outro lado, o número de aviões entre 161 e 200 assentos deve subir de 245 unidades para cerca de 600 aviões.

Outra novidade é chegada dos novos aviões Boeing 737 MAX. A companhia recebeu nesta quinta-feira (28) a primeira aeronave da nova família de jatos comerciais da fabricante norte-americana. A American Airlines tem encomenda para 100 aeronaves desse modelo, que devem ser entregues ao longo dos próximos cinco anos.

A tendência de utilizar aviões maiores também deve ocorrer nas rotas de longa duração. As aeronaves com capacidade entre 201 e 250 passageiros vão ser reduzidas de 111 unidades para cerca de 50 até 2021, enquanto os aviões com mais de 250 assentos devem mais do que dobrar, passando de 40 unidades em 2014 para aproximadamente 100 aviões em 2021.

Desde que começou a sua renovação da frota, a American Airlines já recebeu 496 novos aviões. No mesmo período, a companhia aposentou 469 aeronaves antigas. Atualmente, a frota da companhia tem uma idade média de dez anos.

Plano de frota da American Airlines para 2021:

150 a 200 jatos regionais de até 98 passageiros (eram 328 em 2014)

400 a 450 jatos regionais configurados com duas classes de cabine (eram 238 em 2014)

200 aviões entre 99 e 160 passageiros (eram 587 em 2014)

600 aviões entre 161 e 200 passageiros (eram 245 em 2014)

50 aviões entre 201 e 250 passageiros (eram 111 em 2014)

100 aviões acima de 250 passageiros (eram 40 em 2014)

Mais eficiência e novas receitas

Com a renovação da maior frota de aviões entre todas as companhias aéreas do mundo, a American Airlines busca operar com mais eficiência para reduzir seus custos e aumentar a capacidade de passageiros.

O CEO da companhia apresentou dados que apontam que, entre 1978 e 2013, o lucro total da American Airlines naquele período foi de US$ 1 bilhão. Desde 2014, no entanto, a rentabilidade da companhia tem apresentado resultados bem melhores. Nos últimos quatro anos, o lucro acumulado da companhia saltou para US$ 19,2 bilhões.

Além de aumentar o número de passageiros, a companhia também busca novas receitas com a venda de serviços adicionais, como a reserva antecipada de assento, o despacho de bagagem nos voos domésticos ou o acesso à conexão wi-fi dentro dos aviões.

Para o presidente da American Airlines, Robert Isom, a cobrança por esses serviços extras permite que a companhia reduza o preço das passagens aéreas para competir em melhores condições com as companhias norte-americanas de baixo custo.

“O que estamos fazendo agora não é um corte de custos, mas combinar um preço do produto com a expectativa do cliente. Isso nos permite competir melhor. O cliente pode voar pela American com o preço de low cost e ter alguns benefícios adicionais”, afirma.

Além da venda de serviços extras, a companhia aérea também tem adotado a estratégia de criar novas classes de cabine a bordo de seus aviões, especialmente nas aeronaves maiores. A classe Premium Economy, categoria intermediária entre a econômica e a executiva, por exemplo, atualmente está presente em 26% dos aviões de dois corredores da empresa. A previsão é que todos os aviões dessa categoria tenham a classe Premium Economy até o final do próximo ano.

União com a Latam

Com uma forte presença no Brasil – atualmente são 72 voos semanais no país – e na América do Sul, a American Airlines tem a expectativa de concluir o processo de joint-venture com a Latam até o ano que vem.

O acordo já foi aprovado em diversos mercados operados pelas duas companhias aéreas, como Colômbia, Peru e Uruguai. No Brasil, o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) já emitiu parecer positivo.

Para que o negócio seja concretizado, no entanto, ainda falta a aprovação das autoridades chilenas e do acordo de céus abertos entre o Brasil e os Estados Unidos. “O resultado será de crescimento do mercado, aumento da oferta e redução dos preços”, afirma Joe Mohan, vice-presidente de Alianças e Parcerias da American Airlines.

O jornalista viajou a convite da American Airlines.

Leia também:

Por que alguns aviões têm as pontas das asas dobradas?

Que avião pousa antes: o do presidente ou um com órgão para transplante?

O que são aqueles rastros brancos que alguns aviões deixam no céu?


Aéreas cobram mais de R$ 100 só para marcar assento comum em voos longos
Comentários Comente

Todos a Bordo

Aéreas cobram reserva antecipada até para o assento do meio (Foto: Getty Images)

Por Vinícius Casagrande

Antes os passageiros de avião em voos internacionais tinham de pagar para sentar em poltronas com mais espaço, mesmo na classe econômica. Há algum tempo, a cobrança também vem acontecendo para marcar assento comum.

A maioria das companhias aéreas que faz voos de longa duração a partir do Brasil cobra para o passageiro reservar, com antecedência, um assento específico no avião. Essa cobrança é feita, normalmente, em passagens mais baratas ou promocionais da classe econômica.

Os valores variam em cada companhia aérea e podem passar de R$ 100. E não é necessário querer algum conforto a mais. O simples fato de escolher com antecedência o seu lugar no avião, mesmo que seja na poltrona do meio, já pode ter um custo extra.

Os passageiros que não quiserem desembolsar um valor além daquele já pago pelo bilhete só conseguem escolher o lugar no qual viajarão no momento do check-in  (normalmente 24h antes do voo pela internet ou no aeroporto, na hora do embarque). O problema é que muitos dos assentos podem já estar reservados e membros de uma mesma família podem ter de viajar separados.

Valores mudam conforme localização

Em algumas companhias aéreas, os valores mudam de acordo com a localização do assento dentro do avião. Na British Airways, por exemplo, há pelo menos cinco preços diferentes para os assentos, que variam de US$ 18 (R$ 56,43) a US$ 48 (R$ 150,48). O que muda é se eles estão localizados na frente ou atrás do avião, nas fileiras da janela, no corredor ou no meio da aeronave. Há, ainda, outros valores para poltronas nas fileiras de apenas dois assentos (US$ 49 ou R$ 153,61) ou nas saídas de emergência (US$ 56 ou R$ 175,56).

Entre as companhias europeias que voam para o Brasil, todas cobram pela reserva antecipada do assento nas classes tarifárias mais baratas. Em algumas, as passagens mais caras já incluem a reserva de assento.

Nas duas companhias aéreas brasileiras que voam para a Europa – Latam e Azul –, é possível reservar um assento com antecedência sem nenhum custo extra. As empresas cobram somente pelo assento conforto, com mais espaço para as pernas.

Assento com mais espaço para as pernas pode chegar a R$ 455 (foto: Divulgação)

Para ter mais conforto, o valor é mais alto

Os passageiros que procuram um pouco mais de conforto a bordo, mesmo viajando em classe econômica, têm de pagar ainda mais para reservar o assento. Poltronas localizadas na primeira fileira da classe econômica ou nas saídas de emergência podem ter um custo extra. Esses são os lugares com mais espaço para o passageiro esticar as pernas.

Na Emirates, por exemplo, o valor para reservar esses assentos pode variar de R$ 180 a R$ 455, dependendo da temporada, rota e destino. O passageiro só descobre o valor exato após emitir e pagar o bilhete aéreo.

Na Lufthansa e na Swiss, a reserva de assentos da primeira fila da classe econômica ou nas saídas de emergência custa R$ 359. Na KLM, o privilégio de poder esticar mais as pernas custa R$ 259, enquanto a TAP cobra R$ 222.

O grupo Air France-KLM afirmou que quando o check-in online é aberto, 30 horas antes do voo, todos os passageiros podem reservar assentos gratuitamente. Os clientes do programa de fidelidade Flying Blue nas categorias Silver, Gold e Platinum, além de seus acompanhantes, não pagam pela reserva de assentos, desde que estejam todos na mesma reserva. O valor da reserva de assento na Air France e na KLM é fixo e não há variação para época do ano.

A British Airways afirmou que oferece reserva grátis de assento 24 horas antes do voo e o serviço pago para os passageiros que quiserem escolher seu lugar antes desse prazo. “A cobrança foi introduzida há alguns anos, após a companhia consultar os clientes e concluir que a medida seria bem aceita”, afirmou a empresa em nota.

A espanhola Iberia confirmou que a reserva de assentos não está incluída nas passagens mais baratas. “Nesses casos, a Iberia determina ao cliente um assento automaticamente no dia anterior à saída do voo. Se o cliente quiser trocar seu lugar, terá um custo para isso”, disse a empresa em nota.

Questionadas, a British e a Iberia não informaram se os valores mudam conforme a época do ano. As demais companhias foram procuradas pelo Todos a Bordo, mas não responderam até a publicação desta reportagem.

Nos voos para os Estados Unidos, não há cobrança

Nas três companhias norte-americanas que voam para o Brasil – American Airlines, United e Delta –, não há a cobrança obrigatória para reserva antecipada de assentos no voo. As únicas taxas são para quem prefere voar na área da frente da classe econômica ou nos assentos com mais espaço.

As empresas brasileiras com voos para os Estados Unidos – Latam, Azul e Avianca – também não cobram taxas para reserva de assentos antecipadamente.

Confira os valores cobrados pelas principais companhias aéreas para a reserva de assento na classe econômica. A pesquisa foi feita no site das companhias aéreas, para passagens reservadas para março do ano que vem. Na maioria das companhias aéreas, em outras datas pesquisadas, os valores permaneceram os mesmos, independentemente da época do ano ou da antecedência na marcação de assento.

Lufthansa

Assento padrão – R$ 109

Primeira fileira ou saída de emergência (espaço extra para as pernas) – R$ 359

TAP

Assento padrão – R$ 92,48

Assento na primeira fileira da classe econômica (espaço extra para as pernas) – R$ 129,47

Assento na saída de emergência (espaço extra para as pernas) – R$ 221,96

Swiss

Assento padrão – R$ 91

Assento na parte da frente da classe econômica – R$ 173

Primeira fileira da classe econômica ou saída de emergência (espaço extra para as pernas) – R$ 359

KLM

Assento padrão – R$ 73,98

Assento na parte da frente da classe econômica – R$ 110,98

Assento com espaço extra para pernas – R$ 258,95

Air France

Assento padrão – R$ 71,63

Primeira fileira da classe econômica ou saída de emergência (espaço extra para as pernas) – R$ 99,66

Assento em fileira de duas poltronas – R$ 99,66

British Airways

Assentos padrão – de US$ 18 (R$ 56,43) a US$ 48 (R$ 150,48)

Assento em fileira com apenas duas poltronas – US$ 49 (R$ 153,61)

Assento na saída de emergência (espaço extra para as pernas) – US$ 56 (R$ 175,56)

Iberia

De US$ 17 (R$ 53,30) a US$ 33 (R$ 103,45) na baixa temporada

De US$ 22 (R$ 69) a US$ 37 (R$ 116) na alta temporada

Assentos nas saídas de emergência (espaço extra para as pernas) – de US$ 45 (R$ 141) a US$ 92 (R$ 287)

Air Europa

Assento padrão – R$ 53

Assento na saída de emergência (espaço extra para as pernas) – R$ 132

Emirates

Assento padrão – entre R$ 45 e R$ 105

Assento na parte da frente – entre R$ 90 e R$ 265

Primeira fileira da classe econômica ou saída de emergência (espaço extra para as pernas) – entre R$ 180 e R$ 445

United Airlines

Assento padrão – não há cobrança

Delta Airlines

Assento padrão – não há cobrança

American Airlines

Assento padrão – não há cobrança

Latam

Assento padrão – não há cobrança

Azul

Assento padrão – não há cobrança

Avianca

Assento padrão – não há cobrança

Leia também:

1ª classe ganha cremes, perfumes e bálsamos labiais de Bulgari e Lacroix

Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica

Dono de jatinho paga R$ 37 mil para estacionar e embarca sem fila e raio-x


Quanto mais alto, melhor: como a altitude afeta o desempenho dos aviões
Comentários Comente

Todos a Bordo

Aviões comerciais voam entre 10 km e 12 km de altitude

Os aviões comerciais, independentemente da rota que estão fazendo, costumam voar sempre na mesma altitude, entre 10 km e 12 km em relação ao nível do mar. A escolha dessa altitude padrão tem uma razão bem simples: economia de combustível, mais segurança e conforto dos passageiros.

Conforme sobem, os aviões encontram uma atmosfera com ar mais rarefeito, com uma concentração menor de gases. Com isso, precisam de menos combustível para realizar a queima dentro do motor. Como existem menos moléculas de ar na altitude, também são necessárias menos moléculas de combustível.

Além disso, com o ar rarefeito, o avião encontra menos resistência para se deslocar, o que faz com que a força que o motor tem de fazer em altitude também seja menor, economizando ainda mais combustível.

Seria lógico imaginar, então, que se os aviões voassem ainda mais alto, a economia de consumo seria maior. O problema é que a partir de uma determinada altitude, que varia de acordo com cada modelo de avião, eles atingem o chamado teto operacional (em torno dos 12 km de altitude). Quando isso acontece, o ar fica tão rarefeito que já não é suficiente para realizar a queima do combustível no motor.

Quanto mais longe do chão, mais seguro para um pouso de emergência

Outra vantagem de voar o mais alto possível é que, caso haja algum problema durante o voo, os pilotos têm mais tempo para tentar encontrar uma solução. Mesmo que todos os motores do avião parem, por exemplo, o avião ainda consegue fazer uma descida suave, como se estivesse se aproximando para o pouso.

Quanto mais alto o avião estiver, mais tempo ele terá para chegar até o solo e maiores as chances de os pilotos encontrarem uma pista para pousar em segurança. Em 2001, por exemplo, um Airbus A330 da companhia aérea Air Transat com 306 pessoas a bordo ficou sem combustível quando sobrevoava o oceano Atlântico. O avião conseguiu planar por meia hora e percorrer 120 km até pousar em segurança na pequena Ilha Terceira, no arquipélago dos Açores, em Portugal.

Altitude também aumenta o conforto

A altitude também aumenta o conforto dos passageiros. No nível de voo dos aviões comerciais, a atmosfera também é mais calma. O resultado é que os aviões encontram bem menos turbulência.

A formação de nuvens e chuva ocorrem somente próximas à superfície da Terra. É por isso que sempre que os passageiros olharem pela janela do avião encontrarão o céu limpo. O único fenômeno que pode causar turbulência por ali é o vento.

Em altitudes elevadas, existem as chamadas correntes de jato. São grandes corredores de vento que atingem velocidades acima dos 100 km/h. O problema é que os radares meteorológicos dos aviões não conseguem identificar essas correntes, e a turbulência pode acontecer de forma repentina, sem dar chances para o piloto desviar. Por isso, mesmo com o céu limpo, é recomendado estar sempre com o cinto de segurança.

As maiores altitudes já atingidas por aviões

Enquanto os aviões comerciais tradicionais voam a altitudes entre 10 km e 12 km, as viagens no supersônico Concorde, além de bem mais rápidas, atingiam altitudes bem maiores. O Concorde podia chegar a mais de 18 km de altitude. A bordo do avião, os passageiros podiam ver até mesmo a curvatura da Terra.

O recorde de altitude em voo, no entanto, pertence a um avião militar. Em 1997, o russo Alexandr Fedotov, a bordo de um caça soviético MiG-25M, atingiu 37,6 km acima do nível do mar.

Leia também:

Aviões seguem estradas invisíveis no céu e não podem ir por onde quiserem

Tempo de voo pode ter diferença de 2h na ida e na volta. Sabe por quê?

Este avião é o campeão nas rotas mais longas do mundo, com mais de 16h


Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica
Comentários Comente

Todos a Bordo

Um bom planejamento pode fazer muita diferença durante a viagem (Imagem: Joel Silva/Folhapress)

Assentos apertados, falta de entretenimento a bordo, refeição ruim e até excesso de barulho. Todos os itens podem transformar uma viagem de avião em uma aventura bastante desconfortável. Um bom planejamento, no entanto, pode aliviar bastante boa parte desses sacrifícios a bordo.

O passo a passo para ter uma viagem mais confortável começa já na hora da compra da passagem, analisando o que a companhia aérea oferece, qual é a configuração dos assentos dentro da aeronave, os aeroportos de saída e chegada, o horário do voo e até mesmo os benefícios que seu cartão de crédito oferece. À primeira vista, tudo isso parece meros detalhes, mas fazem uma boa diferença no final da viagem.

Plaza Premium Lounge, sala VIP do aeroporto de Heathrow (foto: Divulgação)

Aproveite o conforto das salas VIPs

Você não precisa viajar na primeira classe ou na classe executiva para ter acesso às salas VIP dos aeroportos. Especialmente em esperas longas, esse espaço reservado pode fazer uma grande diferença. Lá dentro, o passageiro pode comer e beber à vontade e ainda descansar em poltronas bastante confortáveis, com o wi-fi liberado. Há salas VIP para voos nacionais e internacionais.

Passageiros frequentes recebem upgrades de categoria nos programas de fidelidade das companhias aéreas que dão direito a esse benefício. Mesmo quem viaja pouco também pode usufruir das salas VIP. Diversos cartões de crédito oferecem essa vantagem aos passageiros. Em muitos casos, no entanto, é necessário que o cartão tenha sido utilizado para a compra da passagem.

Caso você não tenha nenhum desses benefícios, ainda é possível pagar para ter acesso às salas VIP. As taxas variam de acordo com o aeroporto – em Guarulhos, o valor é de US$ 70 (R$ 222). Outra opção é se filiar a programas como o Priority Pass. No plano mais simples, o passageiro paga uma taxa anual de US$ 99 (R$ 314) e mais US$ 27 (R$ 85) por cada visita.

Escolha correta do assento no avião aumenta o conforto (foto: Divulgação)

Como escolher o melhor assento no avião

Durante a viagem, você vai passar algumas horas sentado. Então, é fundamental escolher o assento com antecedência para não ter de ficar ainda mais espremido durante o voo. Os lugares na parte dianteira do avião, por exemplo, costumam ser os primeiros na escolha das reservas. Os passageiros que viajam nessa área têm um embarque mais simples, já que entram no avião e podem se sentar rapidamente, e são os primeiros a sair do avião.

Se conseguir um assento na primeira fileira, melhor ainda. Esse é o local que o passageiro terá mais espaço para esticar as pernas e não terá uma poltrona reclinando na sua direção durante a viagem. Para garantir uma evacuação mais rápida em caso de algum incidente, as poltronas localizadas nas saídas de emergência também têm um espaço maior.

Esse conforto, no entanto, pode ter um custo a mais. As companhias aéreas sabem da preferência dos passageiros por esses assentos, e muitas delas passaram a cobrar uma taxa adicional para reservar um assento nessas fileiras.

A configuração interna do avião também pode fazer diferença. Nos voos nacionais, os aviões contam com a configuração 3-3 (janela, meio e corredor) ou 2-2 (janela e corredor). Nos voos internacionais, o mais comum é encontrar a classe econômica dividida da seguinte maneira: 2-4-2, 3-3-3 ou 3-4-3. As diferenças ocorrem por opção das companhias aéreas ou pelo modelo do avião.

As fileiras com apenas dois assentos costumam ser melhores, enquanto o assento do meio é o mais desconfortável. Escolher entre janela e corredor, no entanto, depende das prioridades de cada pessoa. Para quem gosta de admirar a vista e não quer ser incomodado durante a viagem, o melhor é escolher um assento na janela. Já para o passageiro que pretende esticar mais as pernas e gosta de levantar durante o voo, o assento no corredor é a melhor opção.

Para evitar surpresas, o ideal é que o assento seja reservado já no momento da compra da passagem.

Tablets podem substituir telas instaladas nos assentos dos aviões (foto: Getty Images)

Leve seu próprio entretenimento de bordo

Se o passageiro não tiver nada para fazer a bordo, a sensação é de que as horas demoram bem mais para passar. Mesmo que a companhia ofereça telas individuais de entretenimento de bordo, é sempre melhor levar o seu próprio material de distração pessoal.

Além do risco de não encontrar um filme de que você goste, em companhias aéreas estrangeiras há sempre a chance de ele não ter dublagem ou legendas em português. Por isso, é melhor garantir e deixar algo gravado no seu smartphone, tablet ou notebook, de preferência com a bateria carregada. E não pode faltar o seu próprio fone de ouvido.

Livros e revistas também são essenciais. Nesse caso, se você esqueceu de colocar na mala de mão, basta comprar um no próprio aeroporto.

Leve cremes, produtos de higiene pessoal e medicamentos (foto: Divulgação)

Prepare seu próprio kit com itens pessoais

Os passageiros da primeira classe e da classe executiva recebem kits com meias, cremes faciais e para as mãos, hidratante labial, escova e pasta de dente, entre outros itens. Mesmo viajando na classe econômica, você também pode ter os mesmos mimos. A diferença é que ele deve ser preparado em casa e guardado na mala de mão. Mas vale lembrar que cada item não pode exceder 100 ml, caso contrário serão retidos no raio-x.

Não ache que isso é algo supérfluo. Esses kits podem fazer uma enorme diferença para o conforto durante a viagem. Durante o voo, o ar interno do avião fica bem mais seco. Depois de algumas horas, a pele já começa a sentir os efeitos da baixa umidade.

Para quem sofre de rinite ou sinusite, os efeitos são ainda mais sensíveis com a irritação do nariz. Nesse caso, vale incluir também um descongestionante nasal de cloreto de sódio ou soro fisiológico. Qualquer outro medicamento que o passageiro use com regularidade também deve ser incluído no seu kit pessoal.

Para ter um sono melhor, vale levar também um tapa-olhos para evitar a claridade e um protetor de ouvido para ficar livre do barulho de outros passageiros.

Outro item que não pode faltar são balas e chicletes para serem usados durante a decolagem e o pouso. Com a mudança de pressão, é normal o passageiro sentir dores no ouvido. Chupar balar ou mastigar chiclete ajuda a aliviar o incômodo.

Horário do voo também influencia no conforto (Foto: Apu Gomes/Folhapress)

O melhor horário do voo

Em viagens longas, o horário do voo também pode fazer uma grande diferença. É muito mais fácil, por exemplo, dormir em um voo que decolou no final do dia do que em um voo que partiu no meio da tarde.

No primeiro caso, é bem provável que você nem veja a viagem passar. Por outro lado, caso tenha decolado à tarde, a chance é maior de você ter sono somente quando já estiver chegando ao seu destino final.

Independentemente do horário do voo, no entanto, algumas pessoas simplesmente não conseguem dormir no avião. Nesse caso, a melhor opção é escolher um voo diurno para não perder uma noite de sono.

Outro ponto importante é avaliar a distância da cidade até o aeroporto. Dependendo do horário de saída ou chegada, essa questão é ainda mais relevante para não ter que enfrentar o horário mais pesado do trânsito e deixar a viagem ainda mais longa e cansativa.

Leia também:

Maior avião do mundo, A380 estreia no Brasil com 1ª classe a R$ 57 mil

Aeroporto de Paris tem mordomia para adulto e criança da classe econômica

Viajar de executiva chega a custar 7,5 vezes o valor da classe econômica


Avião da Qatar terá pijama de grife, cama de casal e banco de couro e ouro
Comentários Comente

Todos a Bordo

Na nova executiva da Qatar, até quatro pessoas poderão se sentar frente a frente. Foto: Divulgação

A companhia aérea Qatar Airways lançou uma nova configuração para sua classe executiva. O desenho permite que pessoas viajando juntas possam se comunicar melhor.

Os assentos do corredor central do avião passarão a ser posicionados frente a frente, e a divisória onde ficam os monitores de TV poderá ser aberta, possibilitando que até quatro pessoas possam interagir.

Outra possibilidade é a de transformar assentos das fileiras centrais em uma cama de casal. Quem viajar em voos noturnos receberá pijamas da marca britânica The White Company. A marca italiana de bagagens Bric’s fará as embalagens dos kits com produtos de higiene e beleza.

Foto: Divulgação

Os assentos terão acabamento em couro com detalhes em ouro rosa (uma mistura de ouro com cobre). Também terão divisórias deslizantes que podem ser fechadas para mais privacidade (veja foto abaixo).

Chamadas pela aérea de QSuites, as poltronas foram desenvolvidas ao longo dos últimos dois anos. Segundo a empresa, a novidade será introduzida na frota a partir de junho deste ano. A Qatar Airways foi eleita a companhia aérea com a melhor classe executiva em 2016, pelo ranking da Skytrax.

Foto: Divulgação

O CEO da aérea do Catar, Akbar Al Baker, disse no lançamento que a nova executiva oferecerá uma experiência de “primeira classe”.

“Na Qatar Airways, você escolhe quando comer, e as opções de menu são variadas, com algo para todo mundo. Você escolhe quando descansar e quando se divertir (…) Faz sentido dar a você a opção de fazer sua própria ‘cabine dentro da cabine’, criando QSuites duplas ou quádruplas”.

Foto: Divulgação

Leia também:
Empresa dos EUA cria 1a suíte fechada em assentos da classe executiva

Viajar de executiva chega a custar 7,5 vezes o valor da classe econômica

Nova poltrona da classe executiva da Emirates tem TV gigante e bar privado


Pijama hidratante é novo mimo oferecido pela melhor aérea do mundo
Comentários Comente

Todos a Bordo

Pijama com efeito hidratante para clientes vip. Foto: Divulgação/Emirates

Pijama com efeito hidratante para clientes vip. Foto: Divulgação/Emirates

Eleita a melhor companhia aérea do mundo em 2016, a Emirates passou a oferecer novos mimos para seus clientes da primeira classe. Se o ar seco a bordo é um problema que atinge todos os passageiros, os que viajarem na primeira classe poderão amenizar o desconforto com pijamas hidratantes – sim, algumas empresas oferecem pijamas aos clientes vip.

O tecido usado na fabricação da roupa libera um composto de algas marinhas que, de acordo com a aérea, minimiza a desidratação e estimula a circulação. As microcápsulas hidratantes são liberadas conforme o passageiro se movimenta.

Quem quiser, pode levar a roupa para casa depois do voo – a promessa é que o pijama manterá a ação hidratante ao longo de dez lavagens.

O pijama é distribuído junto com pantufas e máscara para dormir. A distribuição é feita somente em voos longos, realizados no período noturno.

Cobertores

Os clientes da primeira classe recebem ainda um cobertor de pele de carneiro sintética para dormir. A peça também está disponível na loja virtual da Emirates por US$ 60 (cerca de R$ 190).

Para a classe executiva, em alguns voos são distribuídos edredons. Na classe econômica, a aérea investiu em sustentabilidade, com novos cobertores feitos de garrafas pet recicladas. Segundo a empresa, até o fim de 2019, os cobertores ecológicos terão evitado que 88 milhões de garrafas plásticas virassem lixo – o equivalente ao peso de 44 aviões A380.

Kit feminino distribuído pela Emirates para passageiras da primeira classe. Foto: Divulgação

Kit feminino distribuído pela Emirates para passageiras da primeira classe. Foto: Divulgação

Spa completo

O gigante A380, o maior avião de passageiros do mundo, que passará a fazer voos regulares na rota São Paulo – Dubai a partir do final de março, é famoso pelo spa a bordo, com chuveiro para os clientes da primeira classe.

Esses passageiros privilegiados da Emirates também recebem vários produtos para aproveitar seu tempo no spa. A aérea renovou a seleção oferecida a bordo, com uma linha exclusiva criada pela marca irlandesa Voya, conhecida por usar ingredientes orgânicos.

São itens como xampu, condicionador, sabonete líquido, hidratante corporal e creme para as mãos, entre outros. Alguns produtos podem ser encontrados também nos lounges da Emirates nos aeroportos.

Para completar, um kit da marca italiana Bulgari é oferecido para clientes da executiva e da primeira classe – para estes, os mimos vêm dentro de um nécessaire de couro.

Leia também:

Quer voar no gigante A380, que terá voos diários de SP? Veja rotas e preços

Sala de aeroporto da Qatar tem spa, salão de jogos e cama ganha 7 estrelas

A R$ 256 mil, passagem aérea inclui cama de casal, sala de estar e chuveiro


Projetos preveem aviões com bancos aquecidos e filmes com realidade virtual
Comentários Comente

Todos a Bordo

Óculos de realidade virtual. Foto: Divulgação/SkyLights

Óculos de realidade virtual. Foto: Divulgação/SkyLights

Bancos com regulagem de temperatura, casulos para dormir, filmes com tecnologia de realidade virtual e raio X três vezes mais rápido. Estas são algumas inovações previstas para aviões e aeroportos que estão sendo desenvolvidas, segundo levantamento da revista Wired e da rede de TV CNN, ambas dos Estados Unidos. Veja a seguir uma seleção dessas propostas:

Assentos

Bancos com regulagem de temperatura são comuns em carros. E agora estão mais perto de se tornar uma realidade nos aviões. Jatinhos particulares são a primeira vitrine desse tipo de produto, que pode chegar também aos aviões comerciais – empresas de tecnologia para interiores de avião trabalham com a expectativa de que sejam adotados dentro de 3 a 5 anos.

Também há quem aposte em uma poltrona semelhante às que são usadas em cinemas para a classe econômica dos aviões. Isso significa que os assentos desocupados poderiam ser levantados, facilitando a movimentação dos passageiros.

Um assento flexível, que se adapta às várias posições em que o passageiro fica durante o voo, também está em estudo. A poltrona, poderá ajustar-se à forma do corpo da pessoa quando ela busca uma posição mais confortável, para assistir a um filme, por exemplo.

Espaços individuais

Poltronas desenhadas para a classe premium (aquela intermediária entre a econômica e a executiva) por uma empresa britânica permitem configurações específicas para cada tipo de cliente, transformando-se em cabines individuais, duplas ou até mesmo com banheiro, feitas em cores, materiais e com acabamentos diferentes.

E que tal dormir a bordo em casulos individuais, com luz, som e temperatura ajustáveis? Essa ideia está em desenvolvimento, para atender especialmente aquele passageiro que não gosta muito de interagir com vizinhos de assento durante o voo.

Poltronas em forma de casulo, chamada Air Lair. Foto: Divulgação/Factory Design

Poltronas em forma de casulo, chamada Air Lair. Foto: Divulgação/Factory Design

Realidade virtual

Se a conexão wi-fi está cada vez mais perto de se tornar um item generalizado nos voos, o desafio das empresas agora é buscar ferramentas para um público que terá mais opções de entretenimento.

Equipamentos de realidade virtual podem ser uma resposta para esta busca. Uma empresa desenvolveu um sistema para a companhia aérea XL Airways, da França. Por US$ 16 (cerca de R$ 52), os passageiros podem alugar um aparelho com filmes em 3D.

Outras companhias aéreas fizeram testes com óculos de realidade virtual como uma alternativa de entretenimento para seus clientes, como a Transavia, uma subsidiária da Air France/KLM, e a australiana Qantas.

Além de assistir a filmes, também é possível fazer uma visita virtual à cabine de comando do avião ou às cidades atendidas pelas rotas da companhia. A tecnologia também pode ajudar a acalmar pessoas que têm medo de voar, além de ser vista como mais uma fonte de recursos para a empresa.

Aeroportos

Uma equipe da Universidade Northeastern, dos Estados Unidos, trabalha em um sistema de raio X que usa tecnologia semelhante à do scanner utilizado atualmente em aeroportos americanos, só que muito mais rápida.

O sistema permite verificar até 300 pessoas por hora – a média atual é de 100 passageiros por hora. O objetivo é que não seja necessário retirar nenhum objeto da bagagem de mão, apenas passar pelo detector de metais para ser escaneado em tempo real.

Pesquisadores também querem usar informações biométricas dos passageiros no lugar de documentos e cartões de embarque, com o objetivo de acelerar os procedimentos nos aeroportos.

Leia também
O aeroporto do futuro terá pista de pouso em passarelas no meio da cidade?
Avião do futuro tem cabine transparente e TVs em holograma
Projeto de assento do futuro tem aquecimento no pé e TV de 24”

Boeing desenvolve toalete autolimpante para aviões


Projeto da Boeing dá R$ 150 e comida para voluntário testar conforto de voo
Comentários Comente

Todos a Bordo

Pesquisadores da USP estudam melhorias no conforto de passageiros (Foto: Divulgação)

Pesquisadores da USP estudam melhorias no conforto de passageiros (Foto: Divulgação)

A USP e a Boeing estão desenvolvendo um novo estudo para melhorar o conforto dos passageiros de avião. Os pesquisadores do Centro de Engenharia de Conforto da Escola Politécnica da USP estão em busca de voluntários para realizarem voos simulados de até 6h30 e avaliarem os efeitos de itens como ruídos internos, umidade do ar, pressão atmosférica, temperatura e iluminação da cabine no conforto durante a viagem.

Durante o voo, os voluntários recebem serviço de bordo com alimentação e tablets disponíveis para entretenimento dos passageiros, além de uma ajuda de custo de R$ 150.

Para fazer parte do projeto, a única exigência é que a pessoa tenha experiência anterior em viagens de avião. “Não precisa ser ninguém técnico. É até melhor que seja um passageiro comum”, afirma o professor da USP e coordenador do projeto, Jurandir Itizo Yanagihara.

As inscrições podem ser feitas pelo site do projeto (clique aqui) ou pelo e-mail conforto@usp.br. A seleção dos candidatos aprovados para os testes será feita pelos pesquisadores do projeto.

Sala de embarque reproduz o ambiente de um aeroporto (Foto: Vinícius Casagrande/UOL)

Sala de embarque reproduz o ambiente de um aeroporto (Foto: Vinícius Casagrande/UOL)

Conheça o estudo

Ruídos internos, umidade do ar, pressão atmosférica, temperatura e iluminação. A influência desses cinco itens no conforto dos passageiros de avião é o objetivo principal do Centro de Engenharia de Conforto. Criado em 2005, os pesquisadores já fizeram diversos estudos para a Embraer e agora desenvolvem um novo projeto em parceria com a Boeing.

“O objetivo é estudar diversos parâmetros ambientais e seu impacto no conforto dos passageiros”, afirma o coordenador do projeto. Depois de analisados, os estudos são enviados às fabricantes de aviões para ajudar no desenvolvimento de novas cabines de passageiros para reduzir o cansaço e o desconforto de voar.

As pesquisas são feitas dentro de um prédio no departamento de engenharia mecânica. O local guarda uma maquete reduzida de um avião Embraer 195, com apenas 30 lugares, instalada dentro de uma câmara de pressão.

Na entrada, o prédio tenta simular o ambiente de um aeroporto, com sala de embarque, comissárias de bordo e até rampa de acesso ao avião. Antes de embarcar, cada “passageiro” recebe um questionário que deverá ser preenchido durante o “voo”.

Em uma simulação de uma viagem de 6h30, os pesquisadores controlam todos os parâmetros que pretendem analisar, podendo alterar temperatura, pressão atmosférica, nível de ruído, iluminação e a umidade do ar.

O coordenador do projeto afirma que seria impossível fazer as diversas simulações em um avião real. “Temos muita flexibilidade e o controle total de todos os parâmetros que queremos analisar”, diz.

Segundo Yanagihara, existem somente dois simuladores como esse no mundo. Além do utilizado pela USP, o outro fica na Alemanha, no Fraunhofer Institute for Building Physics, e trabalha com um simulador de um Airbus A319.

Simulador pode alterar pressão, umidade, temperatura e iluminação durante o voo (Foto: Vinícius Casagrande/UOL)

Simulador altera pressão, umidade, temperatura e iluminação do avião (Foto: Vinícius Casagrande/UOL)

Pressão e umidade

O professor da USP afirma que os dois principais desafios para aumentar o conforto dos passageiros durante o voo, principalmente em viagens longas, é conseguir aumentar a pressão atmosférica e a umidade do ar a bordo dos aviões.

A pressão interna durante a maior parte do voo corresponde a uma altitude de 2.500 metros. Isso faz com que o ar fique mais rarefeito e aumente a sensação de cansaço no corpo.

Os aviões mais modernos da Boeing já conseguiram aumentar essa pressão para uma altitude correspondente a 1.800 metros.

Essa evolução foi possível graças ao uso de materiais compostos na fabricação dos aviões, que suportam melhor a diferença entre as pressões interna e externa dos aviões.

Já em relação à umidade, o professor da USP afirma que é um processo mais complicado. Segundo ele, o vapor de água, ao se chocar com as paredes frias da fuselagem, condensa e vira água acumulada no material isolante.

“Por isso, os aviões precisam ter uma baixa umidade para não ter esse peso morto, que só deixa o avião mais pesado e aumenta o consumo de combustível”, afirma Yanagihara.

Algumas mudanças até podem ser viáveis tecnicamente. Saber se o custo-benefício vale a pena é a grande questão. “Temos de analisar todas as variáveis para o fabricante investir naquilo que realmente faz diferença”, afirma o coordenador do projeto.

Leia também:

Ar seco a bordo: como reduzir o desconforto

Até dor de ouvido e sinusite devem ser informadas antes de viajar de avião

Asmático ou míope podem pilotar avião? Veja problemas que ameaçam carreira


Passageiros dizem quais os melhores aeroportos do mundo para esperar um voo
Comentários Comente

Todos a Bordo

Passageiros em lounge do Aeroporto Internacional Changi, em Cingapura (Foto: jovt/Getty Images)

Passageiros em lounge do Aeroporto Internacional Changi, em Cingapura (Foto: jovt/Getty Images)

Qual o melhor aeroporto para o passageiro que precisa esperar pelo voo? O site “The Guide to Sleeping in Airports” (Guia para Dormir em Aeroportos) fez uma pesquisa levando em consideração os serviços e as instalações dos aeroportos, a limpeza, a segurança, as opções de alimentação e de coisas para fazer para ‘matar o tempo’.

No quesito “experiência geral” dos viajantes, a Ásia domina o topo do ranking mundial, com os aeroportos de Cingapura, Coreia do Sul, Japão e Taiwan.

Considerando só América do Sul, o primeiro colocado é o aeroporto de Montevidéu, no Uruguai. O representante do Brasil mais bem posicionado é o aeroporto do Galeão, que aparece em oitavo lugar.

Os rankings foram feitos a partir de comentários e notas dadas pelos passageiros por meio do site –a maioria veio de usuários da América do Norte, Ásia e Europa. O levantamento não tem valor científico porque não faz uma divisão exata do peso de usuários pelo mundo.

Confira os que foram considerados melhores:

1. Cingapura
Aeroporto de Changi

O aeroporto tem jardins, spa, cinema e estações de vídeo game. Para escalas mais longas, há um serviço gratuito com passeios pela cidade-Estado.

 

2. Coreia do Sul
Aeroporto Internacional de Incheon, em Seul

As opções para passar o tempo incluem um centro cultural, jardins e pista de gelo. Também há chuveiros que podem ser usados de graça.

 

3. Japão
Aeroporto Internacional de Tóquio (Haneda)

A limpeza foi indicada como ponto positivo. Para descanso, foram bem avaliados os bancos sem divisórias, o hotel anexo ao terminal e a sensação de segurança no aeroporto.

 

Aeroporto Internacional Haneda, em Tóquio. Foto: Sean Kuma/Getty Images

Aeroporto Internacional Haneda, em Tóquio. Foto: Sean Kuma/Getty Images

4. Taiwan
Aeroporto Internacional de Taipé (Taoyuan)

A decoração criativa, com temas diferentes em várias áreas, foi um ponto alto na pesquisa. A maioria dos temas é combinado com atividades para os passageiros, como lições de caligrafia ou degustação da culinária local.

 

5. Alemanha
Aeroporto Internacional de Munique

Aspectos básicos, como limpeza, organização e atendimento ao cliente foram bem avaliados, assim como o campo de minigolfe e a cervejaria.

 

6. Japão
Aeroporto Internacional Kansai (Osaka)

O aeroporto ganhou pontos principalmente por ter uma nova área exclusiva para quem quiser dormir, com bancos grandes, empréstimo de cobertores e lugar para guardar a bagagem.

 

7. Canadá
Aeroporto Internacional de Vancouver

A variedade de lojas e restaurantes foi bem avaliada, assim como o aquário.

 

8. Finlândia
Aeroporto de Helsinque

As pessoas que responderam ao levantamento gostaram das cabines para dormir, algumas delas gratuitas e disponíveis das 6h às 22h.  

 

9. Estônia
Aeroporto Internacional de Tallinn

Um ponto ressaltado foi a sala de leitura, com livros que podem inclusive ser levados pelos viajantes e devolvidos no retorno.

 

Aeroporto Internacional de Zurique. Foto: Rafael Wiedenmeier/Getty Images

Aeroporto Internacional de Zurique. Foto: Rafael Wiedenmeier/Getty Images

10. Suíça
Aeroporto Internacional de Zurique (Kloten)

O esquema de sinalização foi apontado como um dos destaques, por facilitar a vida de quem está procurando o portão de embarque.

 

Aeroportos com as piores avaliações:

 

1. Arábia Saudita
Aeroporto Internacional Rei Abdulaziz (Jedá)

2. Sudão do Sul
Aeroporto Internacional de Juba

3. Nigéria
Aeroporto Internacional de Port Harcourt

4. Uzbequistão
Aeroporto Internacional de Tashkent

5. Grécia
Aeroporto Nacional de Santorini (Thira)

6. Grécia
Aeroporto Internacional de Chania

7. Grécia
Aeroporto Internacional de Heraklion (Creta)

8. Venezuela
Aeroporto Internacional Simón Bolívar (Caracas)

9. Inglaterra
Aeroporto Internacional Luton (Londres)

10. Nepal
Aeroporto Internacional de Tribhuvan (Katmandu)

 

Há ainda outras duas listas: uma com os melhores e piores aeroportos para dormir e outra com os melhores e piores para fazer uma escala.

 

Leia também:
Aeroportos na China têm fila cor de rosa só para mulheres na área do raio X
Aeroportos antigos viram hotéis, pista de boliche e abrigo para refugiados
O aeroporto do futuro terá pista de pouso em passarelas no meio da cidade?