Todos A Bordo

Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica

Todos a Bordo

Um bom planejamento pode fazer muita diferença durante a viagem (Imagem: Joel Silva/Folhapress)

Assentos apertados, falta de entretenimento a bordo, refeição ruim e até excesso de barulho. Todos os itens podem transformar uma viagem de avião em uma aventura bastante desconfortável. Um bom planejamento, no entanto, pode aliviar bastante boa parte desses sacrifícios a bordo.

O passo a passo para ter uma viagem mais confortável começa já na hora da compra da passagem, analisando o que a companhia aérea oferece, qual é a configuração dos assentos dentro da aeronave, os aeroportos de saída e chegada, o horário do voo e até mesmo os benefícios que seu cartão de crédito oferece. À primeira vista, tudo isso parece meros detalhes, mas fazem uma boa diferença no final da viagem.

Plaza Premium Lounge, sala VIP do aeroporto de Heathrow (foto: Divulgação)

Aproveite o conforto das salas VIPs

Você não precisa viajar na primeira classe ou na classe executiva para ter acesso às salas VIP dos aeroportos. Especialmente em esperas longas, esse espaço reservado pode fazer uma grande diferença. Lá dentro, o passageiro pode comer e beber à vontade e ainda descansar em poltronas bastante confortáveis, com o wi-fi liberado. Há salas VIP para voos nacionais e internacionais.

Passageiros frequentes recebem upgrades de categoria nos programas de fidelidade das companhias aéreas que dão direito a esse benefício. Mesmo quem viaja pouco também pode usufruir das salas VIP. Diversos cartões de crédito oferecem essa vantagem aos passageiros. Em muitos casos, no entanto, é necessário que o cartão tenha sido utilizado para a compra da passagem.

Caso você não tenha nenhum desses benefícios, ainda é possível pagar para ter acesso às salas VIP. As taxas variam de acordo com o aeroporto – em Guarulhos, o valor é de US$ 70 (R$ 222). Outra opção é se filiar a programas como o Priority Pass. No plano mais simples, o passageiro paga uma taxa anual de US$ 99 (R$ 314) e mais US$ 27 (R$ 85) por cada visita.

Escolha correta do assento no avião aumenta o conforto (foto: Divulgação)

Como escolher o melhor assento no avião

Durante a viagem, você vai passar algumas horas sentado. Então, é fundamental escolher o assento com antecedência para não ter de ficar ainda mais espremido durante o voo. Os lugares na parte dianteira do avião, por exemplo, costumam ser os primeiros na escolha das reservas. Os passageiros que viajam nessa área têm um embarque mais simples, já que entram no avião e podem se sentar rapidamente, e são os primeiros a sair do avião.

Se conseguir um assento na primeira fileira, melhor ainda. Esse é o local que o passageiro terá mais espaço para esticar as pernas e não terá uma poltrona reclinando na sua direção durante a viagem. Para garantir uma evacuação mais rápida em caso de algum incidente, as poltronas localizadas nas saídas de emergência também têm um espaço maior.

Esse conforto, no entanto, pode ter um custo a mais. As companhias aéreas sabem da preferência dos passageiros por esses assentos, e muitas delas passaram a cobrar uma taxa adicional para reservar um assento nessas fileiras.

A configuração interna do avião também pode fazer diferença. Nos voos nacionais, os aviões contam com a configuração 3-3 (janela, meio e corredor) ou 2-2 (janela e corredor). Nos voos internacionais, o mais comum é encontrar a classe econômica dividida da seguinte maneira: 2-4-2, 3-3-3 ou 3-4-3. As diferenças ocorrem por opção das companhias aéreas ou pelo modelo do avião.

As fileiras com apenas dois assentos costumam ser melhores, enquanto o assento do meio é o mais desconfortável. Escolher entre janela e corredor, no entanto, depende das prioridades de cada pessoa. Para quem gosta de admirar a vista e não quer ser incomodado durante a viagem, o melhor é escolher um assento na janela. Já para o passageiro que pretende esticar mais as pernas e gosta de levantar durante o voo, o assento no corredor é a melhor opção.

Para evitar surpresas, o ideal é que o assento seja reservado já no momento da compra da passagem.

Tablets podem substituir telas instaladas nos assentos dos aviões (foto: Getty Images)

Leve seu próprio entretenimento de bordo

Se o passageiro não tiver nada para fazer a bordo, a sensação é de que as horas demoram bem mais para passar. Mesmo que a companhia ofereça telas individuais de entretenimento de bordo, é sempre melhor levar o seu próprio material de distração pessoal.

Além do risco de não encontrar um filme de que você goste, em companhias aéreas estrangeiras há sempre a chance de ele não ter dublagem ou legendas em português. Por isso, é melhor garantir e deixar algo gravado no seu smartphone, tablet ou notebook, de preferência com a bateria carregada. E não pode faltar o seu próprio fone de ouvido.

Livros e revistas também são essenciais. Nesse caso, se você esqueceu de colocar na mala de mão, basta comprar um no próprio aeroporto.

Leve cremes, produtos de higiene pessoal e medicamentos (foto: Divulgação)

Prepare seu próprio kit com itens pessoais

Os passageiros da primeira classe e da classe executiva recebem kits com meias, cremes faciais e para as mãos, hidratante labial, escova e pasta de dente, entre outros itens. Mesmo viajando na classe econômica, você também pode ter os mesmos mimos. A diferença é que ele deve ser preparado em casa e guardado na mala de mão. Mas vale lembrar que cada item não pode exceder 100 ml, caso contrário serão retidos no raio-x.

Não ache que isso é algo supérfluo. Esses kits podem fazer uma enorme diferença para o conforto durante a viagem. Durante o voo, o ar interno do avião fica bem mais seco. Depois de algumas horas, a pele já começa a sentir os efeitos da baixa umidade.

Para quem sofre de rinite ou sinusite, os efeitos são ainda mais sensíveis com a irritação do nariz. Nesse caso, vale incluir também um descongestionante nasal de cloreto de sódio ou soro fisiológico. Qualquer outro medicamento que o passageiro use com regularidade também deve ser incluído no seu kit pessoal.

Para ter um sono melhor, vale levar também um tapa-olhos para evitar a claridade e um protetor de ouvido para ficar livre do barulho de outros passageiros.

Outro item que não pode faltar são balas e chicletes para serem usados durante a decolagem e o pouso. Com a mudança de pressão, é normal o passageiro sentir dores no ouvido. Chupar balar ou mastigar chiclete ajuda a aliviar o incômodo.

Horário do voo também influencia no conforto (Foto: Apu Gomes/Folhapress)

O melhor horário do voo

Em viagens longas, o horário do voo também pode fazer uma grande diferença. É muito mais fácil, por exemplo, dormir em um voo que decolou no final do dia do que em um voo que partiu no meio da tarde.

No primeiro caso, é bem provável que você nem veja a viagem passar. Por outro lado, caso tenha decolado à tarde, a chance é maior de você ter sono somente quando já estiver chegando ao seu destino final.

Independentemente do horário do voo, no entanto, algumas pessoas simplesmente não conseguem dormir no avião. Nesse caso, a melhor opção é escolher um voo diurno para não perder uma noite de sono.

Outro ponto importante é avaliar a distância da cidade até o aeroporto. Dependendo do horário de saída ou chegada, essa questão é ainda mais relevante para não ter que enfrentar o horário mais pesado do trânsito e deixar a viagem ainda mais longa e cansativa.

Leia também:

Maior avião do mundo, A380 estreia no Brasil com 1ª classe a R$ 57 mil

Aeroporto de Paris tem mordomia para adulto e criança da classe econômica

Viajar de executiva chega a custar 7,5 vezes o valor da classe econômica