Topo
Blog Todos a Bordo

Blog Todos a Bordo

Por que tantas companhias aéreas vão à falência no Brasil e no mundo?

Vinícius Casagrande

2014-12-20T18:04:00

14/12/2018 04h00

Varig e Vasp deixaram de voar no começo dos anos 2000 por problemas financeiros (Cesar Itiberê/Folhapress)

O mercado de aviação é um dos mais instáveis para as empresas em todo o mundo. Casos de pedidos de recuperação judicial, como aconteceu na última segunda-feira (10) com a Avianca Brasil, ou mesmo de falência são comuns nesse setor.

Nem as maiores companhias aéreas do mundo passam ilesas. As três maiores companhias aéreas dos Estados Unidos – American Airlines, Delta e United – já tiveram de recorrer à Justiça para sobreviver. Depois da reestruturação e algumas fusões de empresas, conseguiram superar a crise e seguem voando.

Nem todas, porém, têm o mesmo destino. Somente no ano passado, 22 companhias aéreas faliram em todo o mundo. Neste ano, houve outros casos de falência, com a da Primera Air, uma empresa de baixo custo da Dinamarca que vinha registrando forte expansão nos últimos anos.

Leia também:

No Brasil, os anos 2000 ficaram marcados pelo fim das operações de três das maiores companhias aéreas que o país já teve: Varig, Vasp e TransBrasil. Houve também o fim das operações da WebJet e BRA, além da Trip, que foi comprada pela Azul. Já a Passaredo enfrentou uma recuperação judicial e conseguiu se reestruturar.

Por que há tanta crise no setor aéreo?

O principal motivo para a instabilidade no setor aéreo vem de altos custos operacionais com grande exposição ao risco e margens de lucro reduzidas. O especialista em direito aeronáutico Guilherme Amaral, sócio do escritório ASBZ Advogados, lista cinco fatores principais que dificultam a gestão de uma companhia aérea.

  • Custo operacional alto
  • Margem de lucro pequena
  • Investimento alto
  • Danos causados por condições climáticas
  • Forte regulação do mercado

"É um mercado com uma margem de lucro muito pequena, uma necessidade de investimento muito alta e uma exposição surreal a fatores fora do seu controle. A empresa depende do preço do petróleo, da taxa de câmbio e de condições climáticas muito mais do que qualquer outro setor", afirmou Amaral.

Avianca entrou com pedido de recuperação judicial na última segunda-feira (Diego Padgurschi /UOL)

Segundo dados da Abear (Associação Brasileira de Empresas Aéreas), no último ano, 27,1% dos custos das companhias aéreas nacionais foram com combustível. Em segundo lugar, aparecem arrendamento, manutenção e seguro das aeronaves, que consumiram 21,1% dos custos das empresas.

"Quando o petróleo sobe e há uma oscilação na taxa de câmbio, o custo das empresas sobe muito, mas elas não conseguem fazer o mesmo reajuste no preço das tarifas porque o mercado simplesmente não aceita. Se as passagens sobem, as pessoas deixam de voar", disse Amaral.

Fatores completamente inesperados também causam sérios danos às companhias aéreas. A maior crise da aviação nos Estados Unidos, maior mercado mundial, veio logo após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001.

Na ocasião, foram sequestrados dois aviões da American Airlines e dois da United Airlines. No entanto, todo o mercado mundial sofreu com as consequências. As companhias aéreas tiveram de adotar novas políticas de segurança, o que gerou impacto nos custos operacionais.

Em qualquer mercado, aumento do petróleo, das taxas cambiais ou de outro fator que impacte nos custos podm causar problemas às finanças das empresas. "As empresas trabalham com margens entre 2% e 4%, em mercados bons. Elas movimentam um volume grande, mas dificilmente esse é um mercado rentável", afirmou Amaral.

Direitos dos passageiros no Brasil aumentam custos

Uma crítica constante do mercado de aviação no Brasil está relacionada às obrigações das companhias aéreas em caso de atrasos e cancelamentos de voos causados por fatores fora do controle das empresas. Se um aeroporto fecha por conta de uma tempestade, a companhia aérea é obrigada a fornecer alimentação ou até mesmo hospedagem a todos os passageiros afetados.

Em muitos países, como nos Estados Unidos ou na Europa, em situações semelhantes as companhias aéreas precisam apenas reacomodar os passageiros em outro voo. A alimentação e a hospedagem ficam por conta dos próprios passageiros.

"É um mercado regulado por todo mundo, mas quanto mais se tenta proteger o passageiro, mais exposto ele fica. No Brasil, há um volume de responsabilidade em cima das companhias que não existe em nenhum outro lugar do mundo. Essa estrutura maluca faz com que as empresas tenham um custo absurdo", afirmou Amaral.

Desde o ano passado, a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) alterou uma resolução que trata dos direitos e deveres dos passageiros. A principal mudança foi a permissão para que as companhias aéreas passassem a cobrar pelo despacho de bagagem em voo. Todas as companhias aéreas brasileiras já cobram pelo serviço.

Problemas de gestão

Para o coordenador de fusões, aquisições e valuation do PEC-FGV (Programa de Educação Continuada da Fundação Getúlio Vargas) e especialista em criação de valor ao acionista, Oscar Malvessi, além de todos os fatores característicos do setor, há também muitos problemas de gestão dentro das companhias aéreas.

"É um mercado com uma competitividade maior, e, logo, as empresas são mais vulneráveis. Se a empresa não tem um controle rígido, ela se perde e vai para a UTI", afirmou.

Malvessi avalia que as questões de altos custos operacionais, baixa margem de lucro ou imprevisibilidade com fatores externos não podem ser usados como argumentos para as constantes crises.

"Isso não pode ser um problema. Você sabe que o mercado é assim. Então, tem de gerir a empresa dessa forma. O mais relevante é a gestão, porque as pessoas sabem a realidade das companhias aéreas, e são elas que tomam as decisões. Se você tem um avião que gasta mais combustível, o erro foi seu de comprar aquele avião", disse.

Leia também:

Sobre o blog

Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra notícias sobre aviões, helicópteros, viagens, passagens, companhias aéreas e curiosidades sobre a fascinante experiência de voar.