Todos A Bordo

Arquivo : programas de milhagem

Só agora fidelidade da Avianca aceita compra de voo parceiro direto no site
Comentários Comente

Todos a Bordo

Avianca é integrante da maior aliança do mundo, a Star Alliance (foto: Divulgação)

O Amigo, programa de fidelidade da companhia da companhia aérea Avianca Brasil, mudou nesta quinta-feira (5) a forma de emissão de passagens aéreas pelas 28 companhias membros da rede global Star Alliance. A partir de agora, os bilhetes para qualquer um dos 1.300 destinos das empresas parceiras podem ser comprados diretamente pelo site do programa.

As demais companhias brasileiras já aceitavam isso. Membro da aliança OneWorld, a Latam permite o resgate de alguns voos de companhias da rede pelo site do programa Multiplus. A Gol não faz parte de nenhuma aliança, mas o programa de fidelidade Smiles permite a emissão pelo site de passagens de empresas parceiras. O programa TudoAzul tem parceria com a agência ViajaNet para emissão de passagem em qualquer companhia com pontos do programa diretamente pelo site.

No caso da Avianca, no site do programa Amigo só estavam disponíveis passagens para trechos nacionais e internacionais operados pela própria Avianca Brasil. Para as demais companhias da Star Alliance, a única alternativa para a emissão de bilhetes era o atendimento telefônico.

Leia também:

– Clube de milhas de empresa aérea vale a pena ou é cilada? Fizemos as contas
– Aéreas são suspeitas de separar famílias para cobrar mais por assento junto
– Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

“Em vez de ter de falar com o call center, informar o destino e a data e depois aguardar para saber a resposta, o passageiro do programa Amigo vai ter facilidade de acesso e visualização de todo portfólio de voos dos parceiros da Star Alliance. Com isso, terá total autonomia para escolher a rota e a companhia aérea para chegar até o destino”, afirma Fabrício Angelim, diretor do programa Amigo.

A Avianca Brasil faz parte da rede Star Alliance desde 2015. Com a mudança promovida nesta quinta-feira, Angelim afirmou que a expectativa é de crescimento de 25% na base de clientes do programa de fidelidade da companhia. “Fechamos o ano de 2017 com 4 milhões de clientes e devemos fechar esse ano com 5 milhões”, diz.

Passagens terão preço fixo

A emissão das passagens nas companhias aéreas parceiras da Star Alliance terá preço fixo. A quantidade de pontos necessária dependerá da região de origem e destino do voo. A tabela completa de preços pode ser consultada diretamente no site do programa.

Veja alguns dos preços:

– Brasil para América do Sul: 20 mil pontos por trecho

– Brasil para América do Norte: 35 mil pontos por trecho

– Brasil para Europa Ocidental: 50 mil pontos por trecho

– Brasil para Ásia Central: 100 mil pontos por trecho

– Brasil para Oceania: 140 mil pontos por trecho

– Voos entre dois destinos dentro da América do Norte: 12,5 mil pontos por trecho

– Voos entre dois destinos dentro da Europa Ocidental: 25 mil pontos por trecho

Além dos pontos exigidos, há ainda a necessidade de pagamento, em dinheiro, das taxas de embarque.

O diretor do programa Amigo afirmou que a disponibilidade total de bilhetes em cada voo ficará sob responsabilidade de cada companhia aérea. Com isso, em época de alta temporada, o passageiro que quiser comprar um bilhete de última hora pode não encontrar voos disponíveis.

O sistema é diferente do adotado pela Avianca nos voos nacionais e internacionais operados pela empresa. O diretor do programa Amigo afirma que todos os lugares do avião são vendidos também com pontos do programa. No entanto, o valor da passagem varia na mesma proporção dos preços em reais.

O diretor do programa Amigo afirmou que a companhia deve implementar ainda neste ano um sistema de compra de pontos. Essa seria uma alternativa para quem não conseguiu acumular os pontos necessários para um determinado trecho. “Isso deve estar disponível no segundo semestre do ano”, afirma Angelim.

Todas as outras companhias aéreas brasileiras já permitem a compra de milhas ou pontos para complementar o valor da passagem.

Leia também:

– O dia em que o piloto deixou o filho brincar na cabine e derrubou um avião
– O caminho de um avião 0 km do interior de SP até Amsterdã
– Embraer entrega primeiro avião do modelo E190-E2 a uma companhia aérea


Clube de milhas de empresa aérea vale a pena ou é cilada? Fizemos as contas
Comentários Comente

Todos a Bordo

Reportagem: Vinícius Casagrande / Edição: Maria Carolina Abe

Usar milhas e pontos de programas de fidelidade é uma forma de economizar na compra da passagem aérea, mas nem sempre o passageiro consegue juntar a pontuação necessária, especialmente em voos para o exterior. De olho nesse público, as empresas criaram os clubes de milhagem.

Funciona assim: o cliente paga uma assinatura mensal e, em troca, ganha uma quantidade de pontos ou milhas. Quanto mais cara for a assinatura, mais pontos ou milhas ele ganha. O assinante também tem direito a alguns outros benefícios, como pontuação extra em voos ou ao fazer transferências de cartões de crédito ou programas parceiros, validade maior dos pontos/milhas e promoções exclusivas.


Leia também:
– Aprenda a usar programas de fidelidade
Voe de graça com compras de R$ 1.400/mês, diz CEO da Multiplus
– Você ainda joga milhas fora, diz CEO da Smiles


Como escolher o melhor plano para você?

Para facilitar a comparação entre os planos, o blog Todos a Bordo calculou quanto custa para o assinante cada ponto ou milha. Nas tabelas abaixo, esse valor aparece na coluna da direita.

Usando esse critério, o Clube 1.000 da Multiplus tem os pontos mais caros: R$ 0,0429 cada.

A Multiplus, aliás, tem uma característica curiosa: é mais barato comprar um ponto no plano intermediário do que no plano top de linha.

A Smiles e o Tudo Azul têm os preços mais baixos no plano que permite acumular até 10.000 milhas ou pontos por mês: R$ 0,0299 cada.

Vale a pena entrar em um clube de milhas?

Para saber isso, é preciso comparar o preço cobrado pela companhia aérea em uma rota e a quantidade de milhas ou pontos necessários para emitir a passagem.

Por exemplo: nos planos que têm as milhas e pontos mais baratos, o lote de 10.000 custa R$ 299. Assim, se uma passagem custar R$ 299, só vale a pena comprar pelo programa de fidelidade se forem necessários menos de 10.000 pontos ou milhas para a emissão do bilhete. Além disso, é preciso calcular o valor das taxas e embarque, que devem ser pagos em dinheiro.

De 9 simulações, em uma o clube de milhas foi vantajoso 

O Todos a Bordo fez nove simulações usando os valores mais baixos cobrados para cada ponto ou milha em cada programa.

Em apenas um caso fazer parte do clube de milhas foi mais vantajoso do que comprar a passagem no site da companhia aérea.

Foi em uma viagem de ida e volta entre São Paulo e Orlando (EUA). Com o clube Smiles, a passagem para voar com a Delta custaria R$ 2.573,33 (80 mil milhas mais R$ 181,33 de taxa de embarque). O mesmo bilhete na companhia aérea norte-americana é oferecido por R$ 2.828,98, uma diferença de 9%.

Veja alguns exemplos:

São Paulo – Miami (Latam e Multiplus)
Ida em 9 de junho e volta em 23 de junho
Pontos necessários: 60.000 + R$ 181,33 (taxa de embarque)
Custos no Clube 5.000: R$ 2.158,80 (60.000 x R$ 0,03598 por ponto) + R$ 181,33 (taxa de embarque)
Total investido: R$ 2.340,13
Preço no site da Latam: R$ 2.187,35
Diferença: R$ 152,77 a menos para compras diretamente no site da Latam (7% mais caro no Clube Multiplus)

São Paulo – Buenos Aires (Gol e Smiles)
Ida em 9 de junho e volta em 23 de junho
Pontos necessários: 30.000 + R$ 332,25 (taxa de embarque)
Custos no Plano 10.000: R$ 897 (30.000 x R$ 0,0299 por milha) + R$ 332,25 (taxa de embarque)
Total investido: R$ 1.229,25
Preço no site da Gol: R$ 1.138,41
Diferença: R$ 90,84 a menos para compras diretamente no site da Gol (8% mais caro no Clube Smiles)

São Paulo – Fort Lauderdale, Miami (Tudo Azul e Azul)
Ida em 9 de junho e volta em 23 de junho
Pontos necessários: 67.000 + R$ 429,08 (taxa de embarque)
Custos no Clube 10.000: R$ 2.003,30 (67.000 x R$ 0,0299 por ponto) + R$ 429,08 (taxa de embarque)
Total investido: R$ 2.432,38
Preço no site da Azul: R$ 2.348,38
Diferença: R$ 84 a menos para compras diretamente no site da Azul (3,5% mais caro no Clube Tudo Azul)

Outros benefícios: bônus, sala VIP e bagagem grátis

Também é possível incluir na conta outros benefícios oferecidos pelos clubes de milhagem. Nesse caso, o valor varia de uma pessoa para outra e é preciso avaliar qual o seu perfil para, então, definir o plano mais vantajoso.

Na Multiplus, por exemplo, o Clube 10.000 dá 30% de pontos extras nas transferências de cartões de crédito ou programas parceiros. Segundo o diretor comercial da Multiplus, Carlos Formigari, cada cliente transfere, em média, 100 mil pontos dos cartões de crédito e 50 mil pontos de outros programas parceiros por ano, o que daria 45 mil pontos extras com a bonificação de 30%. “Nesse caso, o valor de cada ponto passa a ser de R$ 0,0269”, afirma.

Além disso, os associados ainda podem economizar de outras formas, dependendo do programa e do plano escolhido. Alguns oferecem despacho de bagagem gratuito, acesso a sala VIP e pontos qualificáveis para subir de categoria dentro do programa de fidelidade, o que daria mais pontos a cada voo realizado.

O que as empresas dizem

“A ideia do clube é ser um acelerador para acumular mais milhas e ajudar a chegar mais rápido ao objetivo”, afirma André Fehlauer, diretor de produtos da Smiles.

Ele cita como principais benefícios para os associados a validade de dez anos das milhas, bônus nas transferências de cartões de crédito (5% após seis meses e 10% após um ano), desconto de 10% na compra de produtos com milhas no Shopping Smiles, promoções exclusivas de milhas reduzidas, além de pontos qualificáveis para subir de categoria Smiles.

“Toda semana temos algum tipo de promoção exclusiva. Os clientes já sabem como funcionam e esperam até que tenha um valor atrativo para a emissão da passagem para determinado destino”, diz.

O diretor comercial da Multiplus afirma que a última reformulação dos planos, em janeiro, foi feita após uma análise e consulta com os clientes. “É um produto para aumentar os participantes já engajados e pensado para a nossa base de clientes”, diz Carlos Formigari. Segundo ele, o público-alvo são os clientes que já fazem transferência de outros programas e que procuram outros benefícios, como o acesso a salas VIP.

A Tudo Azul foi procurada, mas não respondeu até a publicação desta reportagem. Entre os principais benefícios adicionais estão a possibilidade de assinatura anual com desconto de até 14% em relação ao preço normal da mensalidade, bônus ao transferir os pontos do seu cartão de crédito (de 5% após 6 meses e 10% após 12 meses) e pontos extras de acordo com o tempo de permanência.


Leia também:

– Os 5 jatos mais vendidos do mundo; custam de R$ 16 mi a R$ 203 mi
– Por que a parte traseira da asa do avião se move nos pousos e decolagens?
– Novo avião comercial da Embraer é aprovado em testes e liberado para voar
– O caminho de um avião 0 km do interior de SP até Amsterdã
– Brasil terá oferta recorde de passagem direta para Orlando (EUA) em 2018
– Que tamanho sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?
– Como os pilotos sabem se o avião está baixo ou alto na hora de pousar?

Veja caminho que sua mala faz no aeroporto depois de despachada


Quer economizar na passagem aérea? Aprenda a usar programas de fidelidade
Comentários Comente

Todos a Bordo

Foto: Getty Images

Por Vinícius Casagrande

Os programas de fidelidade das companhias aéreas podem ajudar a viajar sem gastar muito, e não é preciso ser um viajante frequente para acumular pontos e milhas. As aéreas têm parcerias com diversas lojas e cartões de crédito. Quando você faz alguma compra, ganha pontos nos programas parceiros, que podem ser usados para comprar passagem.

Esses programas ainda são pouco usados no Brasil: apenas 10% dos brasileiros usam algum programa de fidelização, seja de empresas aéreas ou de outros setores, segundo a Abemf (Associação Brasileira de Empresas do Mercado de Fidelização).

Entenda como esses programas programas funcionam e como usá-los para economizar com passagens.

Latam faz parte da aliança global One World (Foto: Divulgação)

1. Os principais programas de fidelidade

As quatro principais companhias do país têm seus próprios programas de fidelidade:

Em todos, os passageiros precisam fazer um cadastro com seus dados pessoais e ganham um número. Basta informar esse número no momento da compra ou do check-in para acumular pontos.

Se o cadastro no programa for feito depois do voo, o passageiro não receberá os pontos e milhas referentes às viagens anteriores. Se já é cadastrado e esqueceu de informar seu número do programa de fidelidade na hora da compra ou do check-in, pode pedir o crédito dos pontos pelos canais de atendimento das empresas.

As companhias também têm parcerias com cartões de créditos e programas de fidelidade de outras empresas brasileiras, como lojas, postos de gasolina, sites de reservas de hotéis e companhias aéreas internacionais, como Walmart, Lojas Renner, Fast Shop, postos Ipiranga e Petrobrás, entre outros.

Algumas aéreas têm cartões de créditos específicos, que levam a marca da companhia, para o acúmulo de pontos e milhas.

Para conseguir acumular milhas mais rapidamente, o ideal é concentrar-se em uma mesma companhia aérea e fazer compras sempre com o cartão de crédito que gera novos pontos.

Leia também:
Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica
Sonha em comandar um avião? Veja quanto custa formação básica de um piloto
Dono de jatinho paga R$ 37 mil para estacionar e embarca sem fila e raio-x

2. As alianças de companhias aéreas

Existem três grandes alianças mundiais de companhias aéreas: Star Alliance, One World e Sky Team. A Latam é integrante da One World, com um total de 13 companhias aéreas. A Avianca faz parte da Star Alliance, que tem, no total, 28 empresas.

Quando um passageiro voa em uma das empresas membro da aliança, pode acumular os pontos em qualquer outra companhia que faz parte do grupo. Assim, mesmo que faça um voo pela Japan Airlines, da One World, acumula pontos no Latam Fidelidade. Ao voar pela Air New Zealand, da Star Alliance, os pontos podem ser acumulados no programa Amigo, da Avianca.

Mesmo Gol e Azul, que não fazem parte de uma aliança global, também contam com parcerias individuais. A Gol, por exemplo, tem parceria com 12 companhias aéreas, como Delta, Air France, KLM, Etihad e AirCanada. O Tudo Azul tem como principais parceiros a portuguesa TAP e a norte-americana United Airlines. Essas parcerias funcionam da mesma forma que as alianças. Ao voar da Delta, o passageiro acumula pontos no Smiles, enquanto ao voar pela United Airlines pode somar pontos no Tudo Azul.

Avianca é integrante da maior aliança do mundo, a Star Alliance (foto: Divulgação)

3. Quantas milhas são acumuladas por voo?

Antigamente, as companhias aéreas adotavam uma tabela fixa para o acúmulo de milhas e pontos, de acordo com os locais de origem e destino da viagem. Nos últimos anos, as empresas passaram a adotar um novo sistema que varia de acordo com o valor pago na passagem.

Outra variável é a categoria do cliente dentro do programa de fidelidade. Conforme viaja, o passageiro sobe de categoria e passa a ter direito a mais benefícios. Com isso, também acumula mais pontos a cada viagem. Cada companhia tem uma tabela própria:

Latam: um passageiro da categoria de entrada recebe 2,5 pontos para cada real gasto (excluindo a taxa de embarque) em voos nacionais. Assim, uma passagem que custou R$ 200 dá o direito a 500 pontos. Na categoria Black Signature, o valor da passagem é multiplicado por oito. Consulte aqui a tabela completa.

Azul: O programa Tudo Azul adota formula semelhante, variando entre dois pontos por cada real gasto na passagem na categoria de entrada a até 3,5 pontos por real na categoria principal(principal ou na mais alta?). Veja a tabela completa do Tudo Azul.

Gol: No Smiles, o cálculo de milhas acumuladas também é de acordo com o valor pago no bilhete. As tarifas promocionais e dos feirões têm a proporção de uma milha para cada real gasto. Na tarifa programada, a relação é de dois para um e, na flexível, de três para um.

Avianca: é a única que segue com uma tabela fixa para o acúmulo de pontos em seu programa de fidelidade. Os pontos variam de acordo com a categoria do passageiro dentro do programa e o tipo de tarifa comprada. Nos voos nacionais, a premiação pode variar entre 500 e 3.000 pontos. Veja a tabela completa de pontuação.

4. Transferência de cartão de crédito e outros programas

As companhias aéreas são parceiras de outros programas de fidelidade. Os mais comuns são os de cartões de crédito. Os bancos calculam os pontos dos clientes de acordo com os valores gastos. Cartões com mais benefícios, e geralmente com anuidade mais altas, permitem acumular pontos mais rapidamente.

Nas lojas parceiras, quando o cliente faz uma compra, pode acumular pontos no programa de fidelidade da companhia aérea. Antes do pagamento da compra, o cliente precisa informar o número do programa de fidelidade para que os pontos sejam transferidos para a empresa aérea. As lojas parceiras podem ser consultadas no site de cada programa.

Depois de transferir os pontos das lojas parceiras ou dos cartões de crédito, o cliente pode usar esses pontos para emitir uma passagem aérea.

Cuidado com ‘pegadinhas’!

É comum que tanto os cartões de crédito como as lojas parceiras ofereçam promoções de bônus de pontos e milhas para a transferência para as aéreas. No entanto, antes de sair correndo para aproveitar a promoção é sempre importante ler com atenção as regras.

Na maioria dos casos, o cliente só recebe os pontos bônus caso se cadastre naquela promoção específica. No comércio eletrônico, as empresas também costumam criar um site específico para ativar as promoções de milhas. Quem não segue essas regras recebe apenas os pontos normais. Essa burocracia extra é uma forma de todas as empresas envolvidas avaliarem o retorno da campanha que foi realizada.

Além disso, também pode haver outros tipos de restrições. Alguns cartões de crédito exigem uma quantidade mínima de pontos para a transferência aos programas de fidelidade das companhias. Os valores dependem de cada banco e do tipo de cartão de crédito. Outros programas parceiros também podem cobrar taxas para a transferência. O KM de Vantagens, dos pontos Ipiranga, por exemplo, cobra R$ 31 para transferir 500 km, que viram 1.000 pontos no programa de fidelidade da Latam.

Milhas do programa Smiles podem ser usadas em diversas companhias internacionais (foto: Divulgação)

5. Quantas milhas são necessárias para emitir uma passagem?

As regras para o resgate de passagens aéreas também não seguem uma tabela fixa de acordo com a origem e o destino da viagem. As companhias passaram a permitir que todas os assentos do avião possam ser comprados com o uso de pontos e milhas, mas os valores mudam de acordo com a procura, data do voo e antecedência da compra. Quanto mais cara a passagem estiver, mais pontos ou milhas serão necessários.

“A precificação das passagens aéreas em pontos acompanha o sistema de precificação dinâmica das compras com dinheiro. A quantidade de pontos necessários para resgatar as passagens varia de acordo com a antecedência da sua reserva, o período da viagem, do destino, da rota, os horários dos voos e a disponibilidade de assentos”, afirma a Latam.

Nesse caso, a regra é a mesma utilizada para quem compra com dinheiro: quanto antes o passageiro se programar, menos pontos ou milhas serão necessários para a emissão do bilhete.

No sistema anterior com a tabela fixa de pontos, era mais fácil adquirir passagens dos programas de fidelidade para épocas concorridas do ano, como ano novo e carnaval. Agora, essas passagens estão mais caras nesse sistema. Por outro lado, quem viaja fora da alta temporada e consegue se programar com antecedência pode aproveitar diversas promoções.

Mesmo quando o passageiro ainda não acumulou pontos suficientes para trocar para uma passagem, é possível emitir uma passagem de forma mista. Dessa forma, parte do pagamento é feita com pontos e milhas e o restante em dinheiro.

Exemplo: Um voo da Gol de São Paulo a Salvador (BA) no dia 13 de março, com saída às 6h25, por exemplo, custa R$ 374. O mesmo voo pode ser reservado com 11.700 milhas do programa Smiles. Se o passageiro tiver apenas 5.900 milhas disponíveis, pode completar o pagamento em dinheiro. Nesse caso, utilizaria as 5.900 milhas e pagaria mais de R$ 174.

6. Onde posso comprar uma passagem aérea com pontos ou milhas?

A emissão das passagens com milhas para voos nacionais e internacionais pode ser feita diretamente no site dos programas de fidelidade das companhias aéreas, utilizando os dados de login e senha criados durante o cadastro.

O sistema on-line permite que alguns voos de empresas parceiras ou que façam parte da mesma aliança de companhias aéreas também possam ser reservados diretamente pela internet.

No entanto, caso algum voo não esteja disponível para reserva pela internet, será necessário consultar em alguma loja da empresa aérea ou pelo atendimento telefônico se aquele voo específico pode ser reservado com pontos ou milhas. Nas companhias aéreas parceiras, a quantidade de pontos ou milhas necessários para emitir uma passagem também pode variar, já que a precificação é determinada pela empresa que efetivamente realiza o voo.

O programa Tudo Azul tem como principais parceiras aéreas a TAP e a United (foto: Divulgação)

7. Quando é melhor comprar a passagem com dinheiro ou utilizar as milhas?

Apesar de as companhias aéreas afirmarem que o preço das passagens em pontos ou milhas varia de acordo com a disponibilidade dos assentos no voo, exatamente como acontece com os preços em dinheiro, não existe uma relação direta entre os valores do bilhete. Assim, uma passagem de R$ 200 e outra de R$ 300, por exemplo, podem ter o mesmo valor em pontos ou milhas. Esse cálculo é o grande segredo das companhias aéreas.

O ideal é sempre comparar os preços em real e em pontos e milhas para analisar qual é a mais vantajoso para aquele momento. Além do valor, é preciso ficar atento também ao prazo de validade dos pontos e milhas. Geralmente, eles devem ser utilizado no período máximo de dois a três anos, dependendo da companhia aérea. Quando esse prazo expira, eles perdem a validade.

Leia também:

Escola de pilotos da Emirates tem jato brasileiro e aeroporto exclusivo

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

Por que quase todos os aviões são brancos?


Número de milhas para voar na Avianca vai variar conforme preço em real
Comentários Comente

Todos a Bordo

Quantidade de pontos vai flutuar de acordo com o preço da passagem (Foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

Em Miami (EUA)

A Avianca deve concluir até o final de julho uma grande mudança no seu programa de fidelidade, o Amigo. O presidente da companhia, Frederico Pedreira, afirmou que a intenção é que 100% dos assentos estejam disponíveis para venda com a troca de pontos. Atualmente, são apenas entre 20% e 25% dos lugares do avião.

Outra mudança é em relação à política de preço praticada nessa modalidade. Hoje, as rotas têm pontuação fixa e a proposta é que os valores variem de acordo com o preço em real das passagens. “Se baixar o valor em reais, os pontos automaticamente vão descer para ficarem mais atrativos e deixar o sistema mais fácil”, afirma Pedreira. “Vamos dar mais opções aos nossos clientes para usarem as milhas deles de uma forma mais eficiente”, avalia.

A Avianca tem testado o novo sistema desde o início de maio em dez rotas da companhia. “Até o final do próximo mês, deve estar em toda a nossa malha, incluindo o internacional”, afirma.

Segundo o presidente da companhia, para o voo entre São Paulo e Miami, nos Estados Unidos, que iniciou as operações na última sexta-feira (23), entre 8% e 10% das passagens já são emitidas com pontos do programa Amigo. O índice é bem acima do 3% nos voos nacionais da companhia.

Melhorar o programa Amigo tem sido um dos objetivos atuais da Avianca. Em recente pesquisa feita pela própria companhia com seus passageiros, esse foi o item que recebeu a pior avaliação.

A Avianca também tem priorizado as melhorias do programa após o ingresso da companhia na rede Star Alliance. Os passageiros que acumulam pontos no programa Amigo podem utilizá-lo para compra de passagem nas 25 empresas que fazem parte da aliança.

Cobrança de bagagem ainda não foi definida

Em meio à polêmica liberação para a cobrança de bagagem despachada – medida já implementada pelas concorrentes Azul, Gol e Latam –, o presidente da Avianca afirma que ainda estão sendo feitos estudos internos para definir quais procedimentos serão adotados.

Pedreira adiantou que a medida deve entrar em vigor na companhia no final do ano. “Queremos criar uma nova classe tarifária que não inclui o despacho de bagagem, com preços realmente atraentes para conquistar novos clientes, mas ainda estamos estudando como fazer isso”, diz.

Avianca fez primeiro voo para Miami na última sexta-feira (23) (Foto: Divulgação)

Expansão internacional

Depois de realizar seu primeiro voo internacional de longo curso, entre São Paulo e Miami, a Avianca se prepara agora para expandir suas atividades para outros destinos internacionais.

A empresa deve iniciar nesta quarta-feira (28) as vendas de passagens para os dois voos diários que terá, a partir de 7 de agosto, entre São Paulo e Santiago, no Chile. O voo da manhã será operado com os novos Airbus A330-200, os mesmos utilizados nos voos para Miami, enquanto o voo da noite será operado com os Airbus A320 que a companhia utiliza nos voos domésticos.

Até o final do ano, a empresa deve inaugurar mais uma rota internacional. O novo destino ainda não foi escolhido e deve ser anunciado até agosto. Segundo o presidente da Aviancal, o que já foi definido é que novo voo terá como destino um país do continente americano. Buenos Aires, na Argentina, é um desejo da companhia, mas um acordo bilateral entre os dois países não permite a criação de novos voos.

Atualmente, a Avianca já opera um voo semanal entre Fortaleza (CE) e Bogotá, na Colômbia, e ainda neste ano deve ter outro voo semanal entre Salvador (BA) e Bogotá.

A expansão internacional da Avianca começou com a chegada dos novos aviões Airbus A330-200. A aeronave conta com duas classes na cabine de passageiros. São 32 assentos na classe executiva e mais 206 na econômica.

Miami recebe 71 voos semanais do Brasil

A estreia da Avianca nos voos de longo curso ocorreu no destino que tem mais voos a partir do Brasil. São 71 ligações semanais saindo de diversas cidades brasileiras para Miami. Apesar da forte concorrência, o presidente da companhia acredita no crescimento do mercado e no suporte da Avianca Colômbia, que opera voos para a cidade norte-americana desde os anos 1940.

“Miami é o maior mercado ponto a ponto. A maioria dos passageiros faz o voo de São Paulo a Miami, sem conexão. Seja do ponto de vista operacional ou comercial, a marca Avianca é muito forte aqui em Miami. Isso vai ajudar nossa presença aqui”, afirma Pedreira.

Crescimento no mercado doméstico

A Avianca também tem expandido suas operações no mercado brasileiro. Além dos três novos Airbus A330-200 (um ainda está para chegar), a empresa já recebeu neste ano seis novos aviões Airbus A320.

Com isso, a empresa abriu duas novas bases de operação no país, em Foz do Iguaçu (PR) e Navegantes (SC). Na última semana, a Avianca também iniciou as vendas para os quatro voos diários entre São Paulo e Belo Horizonte (MG). As operações devem começar no dia 21 de agosto.

Apesar da expansão, o presidente da Avianca afirma que a empresa não tem “a menor intenção de se tornar a maior companhia aérea brasileira”. Pedreira afirma que a meta é manter entre 15% e 17% do mercado nacional. “O importante é ter rotas rentáveis e poder oferecer o melhor produto para os passageiros”, afirma.

Segundo dados apresentados pelo presidente da companhia, enquanto outras empresas tiveram retração, a Avianca teve crescimento de 14% no número de passageiros transportados no último ano.

O jornalista viajou a Miami a convite da Avianca

Leia também:

Airbus inaugura centro de treinamento de pilotos em Campinas (SP)

Por que devo colocar o assento na posição vertical em pousos e decolagens?

Empresas europeias falam em passagem aérea grátis. É possível no Brasil?


Começam a valer as novas regras para acumular milhas Smiles e Multiplus
Comentários Comente

Todos a Bordo

TAM A320

A virada do ano marca também o início de novas regras nos programas Smiles, da Gol, e Multiplus, da Latam. Todas as mudanças da Gol entram em vigor no dia 3 de janeiro. As da Latam serão divididas em duas etapas: primeiro, entram algumas em 1º de janeiro e depois outras ao longo do primeiro semestre.

As duas empresas afirmam que as novas regras têm como objetivo deixar mais claro o total de milhas acumuladas em cada viagem, além dos pontos necessários para mudança de categoria do usuário.

Na prática, no entanto, os passageiros terão de fazer várias contas para saber exatamente quantos pontos serão acumulados em determinada viagem. A vantagem é que todos os tipos de tarifa passam a somar pontos, inclusive as promocionais que normalmente não tinham esse benefício.

Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Smiles

A partir de agora, todos os tipos de tarifa da Gol passam a ter direito ao acúmulo de milhas no programa Smiles, inclusive as adquiridas em feirões de passagens.

O cálculo de milhas para a troca de passagens permanece de acordo com o valor pago no bilhete. As tarifas promocionais e dos feirões terão a proporção de uma milha para cada real gasto. Na tarifa programada, permanece a relação de dois para um e, na flexível, de três para um.

A principal mudança promovida pelo Smiles, no entanto, está no cálculo para a promoção de categoria. Ao voar com mais frequência, o passageiro é promovido a uma categoria superior, que conta com mais benefícios. As vantagens incluem bônus no acúmulo de milhas, descontos na compra de serviços e acesso às salas VIP.

Para ser promovido, o Smiles calcula um segundo tipo de pontuação. Para isso, o programa considerava somente a distância dos voos. Quem fazia diversas viagens curtas tinha até mais dificuldade de subir de categoria do que o passageiro que fazia apenas uma viagem internacional no ano, por exemplo.

Agora, o programa acrescentou a possibilidade de promoção de categoria também pela quantidade de trechos voados. Caso o voo tenha conexão que exija a troca de avião, são contados dois trechos.

Para subir à categoria Prata (a segunda da escala), agora são necessários 10 mil milhas ou dez trechos voados. A categoria Diamante (a mais alta) exige 30 mil milhas ou 30 trechos voados – antes eram necessárias 35 mil milhas. Vale o que o passageiro atingir primeiro.

(Foto: Divulgação)

Foto: Divulgação

Multiplus

As mudanças no programa de fidelidade da Latam são mais complicadas. A empresa conta com dois tipos de pontuação: pontos Multiplus, que podem ser utilizados para troca de passagens e devem entrar em vigor durante o primeiro semestre de 2017 (ainda sem data definida), e pontos Elite, que servem para subir de categoria dentro do programa e com regras válidas a partir de 1º de janeiro.

Para saber quantos pontos Multiplus um passageiro irá acumular durante a viagem, será preciso saber primeiro de qual categoria ele faz parte. A empresa criou um “índice multiplicador” para cada categoria.

Nos voos domésticos, o multiplicador é de:

  • Categoria Black Signtue: 8
  • Categoria Black: 7
  • Categoria Platinum: 6
  • Categoria Gold: 4
  • Categoria Latam: 2,5

Para os voos internacionais, o multiplicador é de:

  • Categoria Black Signtue: 12
  • Categoria Black: 11
  • Categoria Platinum: 10
  • Categoria Gold: 8
  • Categoria Latam: 5

O valor pago na passagem – sem as taxas de embarque ou serviços adicionais – deverá ser multiplicado por esse índice. No entanto, há ainda mais uma complicação. Se o voo for nacional, deverá ser utilizado o valor em reais. Já se for um voo internacional, o valor utilizado para o cálculo deverá ser em dólar.

Um passageiro da categoria Latam, a mais baixa, que pagar R$ 500 em um voo nacional irá acumular 1.250 pontos Multiplus (R$ 500 x 2,5). Já um passageiro da categoria Black Signature, a mais alta, que pagar o mesmo valor na passagem terá direito a 4.000 pontos Multiplus (R$ 500 x 8).

No caso de voos internacionais, um bilhete comprado pelos mesmos R$ 500 terá de ser convertido para dólar de acordo com a cotação do dia da compra, atualmente o equivalente a US$ 153. Assim um passageiro da categoria Latam irá acumular 765 pontos Multiplus (US$ 153 x 5), enquanto o passageiro da categoria Black Signature terá direito a 1.836 pontos Multiplus (US$ 153 x 12).

Para os passageiros das categorias Black Signature, Black e Platinum, há um valor mínimo de acúmulo de 500 pontos Multiplus. O acúmulo máximo por trecho é de 60.000 pontos Multiplus.

As mudanças de categoria no Latam Fidelidade será feita de acordo com os pontos Elite. Para calcular os pontos de cada viagem, o passageiro deverá multiplicar a distância percorrida em milhas pelo percentual da tarifa escolhida.

Nos voos domésticos, o percentual é de:

  • Tarifa relax: 150%
  • Tarifa top: 150%
  • Tarifa flex: 125%
  • Tarifa básica: 75%
  • Tarifa megapromo: 25%

No caso de voos internacionais, o percentual é de:

  • Tarifa premium business flex: 300%
  • Tarifa premium business access: 200%
  • Tarifa economy: 150%
  • Tarifa control: 150%
  • Tarifa access: 125%
  • Tarifa base: 75%

Em um voo de São Paulo a Miami (4.093 milhas de distância), quem pagar a tarifa base terá direito a 3.070 pontos Elite. Para subir para a categoria Gold, são necessários 10 mil pontos Elite ou dez trechos voados na Latam. Para chegar ao topo da escala, a exigência é de 150 mil pontos Elite ou 125 voos na Latam. Tudo isso é válido para o período de um ano.

Correção: A versão original deste post informava incorretamente que todas as mudanças no programa de fidelidade da Latam passariam a valer em 1º de janeiro. Apenas as regras para os pontos Elite, utilizados para mudança de categoria no programa, começaram nessa data. As mudanças para acúmulo dos pontos Multiplus, utilizados para troca de passagens, ocorrerão ao longo do primeiro semestre (a empresa não informou as datas exatas).

Leia também:

Latam cobra por comida (e talvez água) e promete bilhete 20% mais barato

Passageiros dizem quais os melhores aeroportos do mundo para esperar um voo

Aérea com melhor classe econômica do mundo tem tarô e show de mágica


Como aproveitar melhor as milhas voando em companhias aéreas parceiras
Comentários Comente

Todos a Bordo

Foto: Getty Images

Getty Images

Comecemos com um alerta: não é possível transferir milhas entre programas de fidelidade nem, é claro, pontuar em dois programas diferentes com a mesma passagem. Sendo assim, a opção pelo programa de sua preferência é passo importante na hora de decidir onde acumular milhas para trocar por passagens aéreas.

Vamos a um exemplo: você compra um bilhete da American Airlines, no site da companhia americana, mas quer que os pontos sejam creditados no Multiplus Fidelidade TAM, que integra a mesma aliança Oneworld. Mas se você não deixar isso claro, os pontos não vão parar automaticamente no Fidelidade. É preciso indicar o programa de sua preferência no momento da compra das passagens ou no check-in – seja pela internet, totem ou direto com o funcionário no aeroporto.

Também é possível fazer uma solicitação retroativa de pontos depois da viagem, caso não tenham sido creditados em nenhum programa. Ainda no exemplo acima, se você estiver cadastrado no AAdvantage, da companhia americana, os pontos podem ir parar lá. Em geral, o campo para indicar o programa de fidelidade de sua preferência aparece na mesma página dos dados do passageiro. Mais do que uma informação para fins de identificação, o programa escolhido vai determinar o destino final das milhas correspondentes à categoria do bilhete adquirido.

Obviamente esse processo vale para todas as companhias aéreas que trabalham com empresas parceiras, como é o caso do Smiles. Ao comprar passagem no site de alguma parceira da Gol, é só selecionar o Smiles na hora de incluir os dados do passageiro. Se, ao contrário, você quiser creditar pontos de passagens da Gol em outro programa de milhagem, também é só fazer essa opção no momento da compra ou do check-in.

A Avianca anunciará no final deste mês sua entrada oficial na rede Star Alliance, que também prevê o acúmulo de pontos na empresa de preferência do cliente.

Em resumo: se for informar o programa de fidelidade (nome ou número) já na hora da compra ou do check-in, atenção para não escolher automaticamente o programa da companhia aérea que fará o voo. Se não optar por nenhum programa antes de viajar, atente para os prazos definidos pelas empresas para fazer a solicitação retroativa de milhas. Vale lembrar que algumas categorias de passagens aéreas não são válidas para acúmulo de pontos.

Leia também: Como prolongar a vida útil das suas milhas
Consumidor que vende milhas aéreas expõe dados pessoais e pode não receber
Companhia sorteia 100 milhões de milhas até o fim das férias de julho


Consumidor que vende milhas aéreas expõe dados pessoais e pode não receber
Comentários Comente

Todos a Bordo

Crédito: Abdelkrim Amrani/FreeRange

Basta fazer uma busca rápida na internet com as palavras “vender milhas” para encontrar empresas especializadas que se dispõem a pagar por milhagens aéreas acumuladas por pessoas físicas. Segundo Maria Inês Dolci, coordenadora institucional da Proteste Associação de Consumidores, essa transação é irregular. A entidade vem recebendo denúncias de usuários que não receberam por suas milhas e que agora se sentem expostos a golpes, porque passaram dados pessoais e bancários aos compradores, além da senha do programa de fidelidade.

“Infelizmente, essa é uma prática ilegal que existe há anos”, afirma Dolci. Há até empresas que se especializaram na compra de milhas de companhias específicas.  A venda de milhagem soa como um recurso oportuno para quem tem pontos prestes a expirar ou simplesmente precisa levantar dinheiro rápido. Mas mesmo pessoas que já venderam milhas outras vezes reclamam que lotes comercializados em março não foram honrados pelos compradores. Como forma de deixar o consumidor mais tranquilo, há empresas que oferecem o pagamento antes do envio da senha para o resgate das milhas, mas esse tipo de operação também é condenado pela Proteste.

É que os contratos de adesão a programas de milhagem preveem a exclusão de usuários por revenda de milhas. Normalmente, a transferência de pontos do titular para outras pessoas só é permitida em caráter de doação. “Milhas revendidas acabam sendo convertidas em passagens por agências de turismo que integram o esquema”, explica Dolci. Desse modo, pode ser que muitos dos viajantes nem saibam que suas passagens foram obtidas por meio da compra de milhas de terceiros.

A Proteste recomenda ao consumidor que vendeu milhas a troca da senha no programa de fidelidade e o rápido registro de um boletim de ocorrência. É uma precaução contra o risco de que seus dados pessoais venham a ser usados em golpes no futuro.

Leandro Quintanilha – leandroq@gmail.com


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>