IPCA
0.01 Jun.2019
Topo
Blog Todos a Bordo

Blog Todos a Bordo

Modelo de avião que levava Gabriel Diniz teve 26 acidentes em 9 anos

Alexandre Saconi

2027-05-20T19:18:16

27/05/2019 18h16

Erramos: este conteúdo foi alterado

O modelo de avião que transportava o cantor Gabriel Diniz (autor do hit "Jenifer") e caiu hoje na região de Porto do Mato, em Estância (SE), um Piper Cherokee P28A, registrou 26 acidentes de 2009 a 2018, com quatro mortes ao todo. O acidente de hoje não foi computado nesta conta. Os dados são do Sipaer (Sistema de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), ligado ao Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), da Aeronáutica.

A maior parte das ocorrências se deve à falha do motor em voo (seis ocorrências), perda de controle no solo (também seis ocorrências) e perda de controle em voo (com três ocorrências ao todo).

Leia também

As investigações do Cenipa apontam que a maioria dos acidentes foi causada em decorrência de escolhas equivocadas tomadas pelos pilotos (dez ocorrências). Em abril, o país contava com o registro de 299 unidades desse modelo com autorização para voar, segundo a Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

O Seripa II (Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos), de Pernambuco (PE), órgão regional do Cenipa, investiga as causas do acidente.

Segundo a agência, o avião foi fabricado em 1974 e tinha capacidade para transportar até três passageiros e o piloto.

Táxi-aéreo clandestino

A aeronave que caiu nessa tarde poderia estar realizando o Taca (Transporte Aéreo Clandestino). O transporte de passageiros é fiscalizado pela Anac e precisa de autorização para ser realizado.

Segundo a agência, ao contratar um táxi-aéreo, o usuário deve se certificar de que a empresa tem autorização para prestar o serviço por meio da lista de prestadoras autorizadas.

Por meio do site da Anac ou do aplicativo Voe Seguro – Consulta de Táxi-Aéreo Pirata (disponível para o sistema Android), é possível checar se a empresa possui licença para prestar o serviço e se a aeronave está autorizada a transportar passageiros.

Se você encontrar alguma empresa ou pessoa oferecendo o táxi-aéreo clandestino, é importante denunciar à agência para evitar riscos e manter a segurança aérea. A Anac realiza a campanha "Voe seguro, não use táxi-aéreo clandestino", que tem a iniciativa de incentivar a pesquisa de informações antes de se contratar o transporte aéreo. As denúncias podem ser feitas pelo telefone 163 diretamente à Anac.

Errata: o texto foi atualizado
10/06/2019 às 15h19
Uma versão anterior deste texto não informava o nome do modelo do avião, Piper Cherokee P28A. A informação foi incluída no texto. 

Sobre o blog

Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra notícias sobre aviões, helicópteros, viagens, passagens, companhias aéreas e curiosidades sobre a fascinante experiência de voar.

Mais Todos a Bordo