IPCA
0.13 Mai.2019
Topo
Blog Todos a Bordo

Blog Todos a Bordo

Aérea britânica que terá voos no Brasil serve carne só na classe executiva

Vinícius Casagrande

2004-05-20T19:04:00

04/05/2019 04h00

Voos entre São Paulo e Londres serão feitos a bordo do Boeing 787 (Divulgação)

A companhia aérea britânica Virgin Atlantic vai estrear no Brasil no ano que vem com voos entre São Paulo e Londres (Reino Unido). A empresa ainda não divulgou a data exata e os valores que pretende cobrar. A única certeza é de que os futuros passageiros brasileiros da classe econômica não vão encontrar carne no serviço de bordo. Carne só é servida na classe executiva. A empresa diz que é por uma questão ambiental, mas o fato é que quem paga mais consegue acesso aos pratos carnívoros.

Criada pelo bilionário Richard Branson, a empresa adota várias práticas do estilo de vida de seu fundador. Vegetariano desde 2014, Branson decidiu abolir gradativamente a carne em todos os negócios do grupo Virgin, que inclui também hotéis e transporte ferroviário, entre outros.

Leia também:

A restrição à carne no serviço de bordo de todos os voos da companhia aérea foi anunciada durante o relatório de sustentabilidade de 2017 da empresa e já começou a ser implementada. "Já reduzimos a quantidade de carne e óleo de palma a bordo. Na classe econômica, que tem a maior quantidade de refeições, não temos mais carne", afirmou a assessoria da Virgin Atlantic ao ser procurada pelo Todos a Bordo. Na executiva, ainda há opções de refeições com carnes, mas que podem ser abolidas no futuro.

Apesar do projeto de acabar com o consumo de carne em todos os voos, a Virgin Atlantic ainda não pode ser chamada de uma companhia aérea vegetariana. É que a empresa serve outros produtos de origem animal, como peixes e frutos do mar. Segundo a empresa, o objetivo principal é adquirir alimentos sustentáveis.

O bilionário Richard Branson, fundador da Virgin Atlantic (Divulgação)

Preservação da Amazônia

Branson tem sido um forte defensor de práticas vegetarianas como forma de preservação do meio ambiente. "O consumo de carne atual contribui para o aquecimento global e a degradação do meio ambiente. Estima-se que 14,5% das emissões globais de gases de efeito estufa geradas pelo homem sejam provenientes da pecuária, o que é mais do que a contribuição de todas as formas de transporte. A produção de carne representa 41% dessas emissões.", afirmou em artigo publicado no site da Virgin.

O programa de sustentabilidade da companhia aérea coloca como meta reduzir a quantidade de alimentos que geram risco de desmatamento de florestas. A preocupação com a Amazônia é uma constante nos discursos de Branson sobre o tema. "Cerca de 80% da área desmatada da Amazônia no Brasil é usada para criação de gado. Isso causa uma grande perda de biodiversidade", disse no mesmo artigo.

Empresa serve 5,5 milhões de refeições ao ano

A Virgin Atlantic assinou uma parceria com a ONG britânica Associação de Restaurantes Sustentáveis (SRA, na sigla em inglês), com o objetivo de garantir práticas sustentáveis para as 5,5 milhões de refeições servidas a bordo a cada ano.

"Deve seguir princípios chaves como: condições justas de trabalho e remuneração aos fornecedores e funcionários, peixes e frutos do mar de origem sustentável e redução de alimentos com risco de desmatamento", afirmou o relatório da Virgin Atlantic.

Além das restrições aos alimentos que causam desmatamento, o código de ética da empresa também proíbe o transporte de alguns itens que, segundo a empresa, comprometem seus valores e compromissos comerciais. "Nos recusamos a transportar uma série de produtos legais, como barbatanas de tubarão, marfim, troféus de caça e produtos de peles."

Primeiro destino na América do Sul

São Paulo será o primeiro destino da Virgin Atlantic na América do Sul. O voo, com duração de 11h55, terá frequência diária e será operado em aeronave Boeing 787, com três opções de cabine: econômica, executiva e primeira classe.

O novo voo para o Brasil faz parte do plano de crescimento global da companhia aérea, que já anunciou a criação de outras rotas internacionais a partir de Londres. Além disso, a Virgin Atlantic deve fazer parte de uma nova joint-venture internacional em conjunto com Delta, Air France e KLM. O negócio é avaliado em US$ 13 bilhões.

As três empresas que formarão a joint-venture com a Virgin Atlantic já são parceiras da brasileira Gol, o que deve facilitar um acordo no Brasil para o transporte de passageiros a outras cidades no país.

Piloto e copiloto nunca comem a mesma refeição

UOL Notícias

Sobre o blog

Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra notícias sobre aviões, helicópteros, viagens, passagens, companhias aéreas e curiosidades sobre a fascinante experiência de voar.