Topo
Blog Todos a Bordo

Blog Todos a Bordo

Embraer e Boeing fazem aviões, mas não é só: radar, GPS e bomba também

Vinícius Casagrande

11/01/2019 04h00

Radar Saber-M200, da Embraer (Divulgação)

Embraer, Boeing, Airbus e Bombardier são as quatro principais fabricantes de aviões do mundo. As quatro empresas, no entanto, não se limitam a produzir aeronaves comerciais, militares e executivas. Seus produtos incluem satélites espaciais, armamento de guerra, radares e até bondes urbanos e trens de metrô. Veja alguns dos produtos das quatro fabricantes que vão além da produção de aviões.

Embraer

  • Sentir-M20: Radar portátil de vigilância terrestre capaz de detectar uma pessoa rastejando em um raio de até um quilômetro, outra caminhando em até dez quilômetros e veículos leves em até 30 quilômetros de distância. Rastreia até cem alvos simultâneos.
  • Saber-M60: Radar de artilharia antiaérea capaz de rastrear até 60 alvos simultaneamente num raio de 60 quilômetros e até cinco quilômetros de altura.
  • Saber-M200: Radar multifuncional de longo alcance para controle de tráfego aéreo, defesa aérea, artilharia antiaérea e monitoramento meteorológico.
  • Saber-S200: Radar para controle de tráfego aéreo, com alcance de 370 quilômetros e capacidade de processamento de 600 alvos simultâneos.
  • Comunicação: Vários produtos de radiocomunicação, sistema de banda larga com links de rádio criptografados e projetos de comunicação via satélite.
  • A Embraer também é controladora de outras empresas que fornecem serviços para diversas áreas. A Atech, por exemplo, desenvolve os sistemas utilizados no Brasil para o controle de tráfego aéreo no país.

Leia também:

Projeto Phanton Express, da Boeing, para lançamento de satélites (Divulgação)

Boeing

A empresa norte-americana trabalha há mais de 50 anos em parceria com a Nasa para a produção de foguetes, naves espaciais e satélites.

  • Cápsula espacial CST-100 Starliner: Terá capacidade para sete passageiros na órbita terrestre baixa. A intenção é que a nova cápsula possa transportar astronautas até a Estação Espacial Internacional. No futuro, poderá ser usada até mesmo para voos comerciais ao espaço.
  • GPS: A Boeing começou a desenvolver em 1978 os primeiros satélites do Sistema Global de Posicionamento, o famoso GPS. Já foram mais de 40 satélites de GPS colocados em órbita, o que, segundo a empresa, representa 40% de todos os satélites de GPS.
  • Phantom Express: Está sendo desenvolvida para aumentar a capacidade de lançamento de novos satélites. É uma nave espacial autônoma e reutilizável para o lançamento de pequenos satélites.
  • Mísseis e bombas: A empresa faz também algumas munições aéreas como mísseis e sistemas de navegação para as bombas. A Boeing já produziu mais de 260 kits JDAM (Munição Conjunta de Ataque Direto, na sigla em inglês). Esse kit permite que bombas convencionais possa ser guiadas por um conjunto de orientação inercial (baseado no posicionamento em relação ao norte magnético da Terra) e GPS.
  • Míssil Harpoon Block II: Usado por 30 aliados internacionais dos Estados Unidos. Equipam cerca de 600 navios, 180 submarinos e 12 tipos de aeronave e veículo de lançamento terrestre.

Nave Ariane 5, da Airbus, já fez mais de 70 lançamentos consecutivos (Divulgação)

Airbus

A Airbus também tem forte participação na exploração espacial. A empresa europeia produz desde pequenos satélites até um laboratório espacial instalado na Estação Espacial Internacional.

  • Constelação OneWeb: O projeto pretende lançar no espaço 900 microssatélites que irão permitir o acesso à internet de alta velocidade em qualquer ponto da Terra. O lançamento do primeiro satélite está previsto para este ano.
  • Satélites: A empresa tem experiência em lançamento de satélites. Somente a nave Ariane 5 já fez mais de 70 lançamentos consecutivos. Segundo a Airbus, ela foi responsável por colocar em órbita metade dos satélites comerciais existentes.
  • Galileo: A Airbus é a uma das principais desenvolvedoras dos satélites para o sistema europeu de geolocalização, que é uma alternativa ao GPS.
  • Estação Espacial Internacional: Tem dois projetos, a Columbus, um laboratório espacial multifuncional e o ATV (Veículo de Transferência Automatizado, na sigla em inglês), que permite o embarque de astronautas na estação espacial. Também fornece suporte operacional e sistema de controle e comunicação.

Perspectiva do monotrilho da Bombardier que deve ser usado em São Paulo (Divulgação)

Bombardier

A maioria de seus funcionários não atua na área de aviação, mas na de trens. A área aeroespacial da empresa canadense emprega 29,5 mil funcionários, enquanto a Bombardier Transportation, responsável pelos trens, tem 39,8 mil funcionários.

  • Metrô de São Paulo: Trens da Bombardier podem ser encontrados nas linhas 1 (Azul) e 2 (Verde), além do monotrilho da linha 15 (Prata).
  • Bondes e trens de alta velocidade: Produz vagões e locomotivas ao redor do mundo, indo de bondes urbanos a trens de alta velocidade. Segundo a empresa, são mais de 500 clientes em 60 países. Todos os dias, mais de 500 milhões de pessoas em todo o mundo utilizam os trens da Bombardier.

Leia também:

 

Sobre o blog

Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra notícias sobre aviões, helicópteros, viagens, passagens, companhias aéreas e curiosidades sobre a fascinante experiência de voar.