Topo
Blog Todos a Bordo

Blog Todos a Bordo

Mulheres são 40% dos controladores de tráfego aéreo no Brasil; veja rotina

Vinícius Casagrande

30/12/2018 04h00

Tenente Cristiane Lara Prestes (de azul) supervisiona o trabalho de outras controladoras (Divulgação/FAB)

A tenente Cristiane Lara Prestes, 38, virou controladora de tráfego aéreo de forma "casual", como ela mesmo define. Quando decidiu prestar concurso para ser sargento da Aeronáutica, em 2001, conhecia bem pouco da profissão, mas foi a sua opção na hora de escolher a carreira dentro da Força Aérea Brasileira (FAB).

"Apesar de não ter ainda todas as informações sobre a profissão, escolhi a especialidade de controle de tráfego aéreo porque parecia ser a mais atraente", afirmou. Depois de 17 anos, diz que a carreira é apaixonante. Atualmente, ela trabalha no Centro de Controle de Área Amazônico, responsável pelos voos na região Norte do Brasil.

Leia também:

Participação feminina maior no Brasil

Hoje, Cristiane é uma das 1.560 mulheres controladoras de tráfego aéreo no Brasil. Elas já representam cerca de 40% dos 3.918 profissionais da área no país, segundo dados da FAB.

O índice é o dobro dos Estados Unidos, onde a profissão tem 20% de mulheres, de acordo com dados da consultoria DataUSA.

No Reino Unido, o índice é de cerca de 25%, segundo dados da Nats, maior empresa prestadora desse tipo de serviço no país.

Na Austrália, o índice é ainda menor. Apenas 13% dos controladores de tráfego aéreo são mulheres. A Airservices Australia, que presta esse serviço no país, abriu em outubro um processo seletivo para contratação de novos profissionais com uma campanha para atrair mais mulheres.

Em países mais conservadores, esse mercado foi aberto às mulheres somente nesta década. Nos Emirados Árabes Unidos, por exemplo, Nouf al Afifi foi a primeira mulher controladora de tráfego aéreo do país. Ela ingressou na carreira em 2011.

Para a tenente Cristiane, o fenômeno não está ligado apenas à profissão, mas, sim, ao avanço das mulheres em todos os campos profissionais.

"Não acho que a resposta esteja na atividade de tráfego aéreo em si, mas, sim, num fenômeno generalizado em todas as áreas. As mulheres vêm conquistando respeito e espaço na sociedade. Somos tão capazes quanto os homens para desempenhar atividades em qualquer área de atuação, como política, Justiça, medicina, ciência, aviação, engenharia, entre outros. O número de mulheres no tráfego aéreo é reflexo dessa crescente realidade, e não porque o tráfego aéreo tenha algum atrativo especial para o gênero feminino", afirmou.

Uma das profissões mais estressantes do mundo

A profissão de controlador de tráfego aéreo é constantemente relacionada como uma das mais estressantes do mundo. Apesar de descrever a atividade como envolvente, desafiadora, instigante e até apaixonante, a tenente Cristiane concorda que o nível de estresse é bastante elevado.

"Acredito que sim, pelo grau de responsabilidade, que é intrínseco a cada decisão que é tomada pelo controlador de tráfego aéreo. Toda decisão é única diante de cada situação, e o número de variáveis envolvidas pode ser bastante desafiador", afirmou.

Segundo ela, é necessário 100% de foco no que está acontecendo nos céus. "A profissão exige muito raciocínio lógico, espacial, atenção e concentração o tempo todo. É como um jogo de xadrez constante, em que o que está em jogo é a segurança do transporte aéreo de milhares de pessoas", declarou.

Tenente Cristiane Lara Prestes com sua equipe no Centro de Controle de Área Amazônico (Divulgação/FAB)

Clima ruim é o pior cenário

Em dias de chuvas e tempestades, não são apenas os passageiros que sofrem com atrasos e cancelamentos de voos. Para a tenente Cristiane, esse é um dos piores cenários para o trabalho de um controlador de tráfego aéreo.

"Condições meteorológicas adversas é uma das situações mais difíceis para o controlador de tráfego aéreo trabalhar, porque tira a possibilidade de planejamento. E planejamento é um dos pilares da nossa atuação", afirmou.

"Esse é um cenário desafiador que poderia ser comparado ao de um médico que se prepara para uma cirurgia de rotina, mas que encontra uma enfermidade muito mais complexa do que a esperada. O paciente começa a sangrar e, o que antes tinha passos previsíveis e estaria sob controle, agora se tornou imprevisível, extremamente complexo e desafiador", comparou.

Ela se recorda especialmente de um dia em que os aeroportos Santos Dumont e Galeão, ambos no Rio de Janeiro, fecharam por causa das condições climáticas.

"Nesse dia, fui auxiliada por um assistente, um coordenador de setor e pelo supervisor, que me ajudavam a enxergar todos os conflitos, já que o cenário era de muitas aeronaves desviando fora da rota, e aeronaves orbitando no céu, aguardando melhoria dos aeroportos", afirmou.

Foram necessárias cerca de duas horas para as condições meteorológicas melhorarem naquele dia e os aviões voltarem à sua rota original. "Foi preciso muito sangue frio, atenção, agilidade e, principalmente, apoio do resto da equipe", disse.

Salário inicial é de R$ 4.500 a R$ 5.000

Os controladores de tráfego aéreo podem ser civis ou militares. A formação dos civis é feita pelo Instituto de Controle do Espaço Aéreo, em São José dos Campos (SP), e tem duração de até nove meses. O salário inicial da carreira gira em torno de R$ 5.000.

Os militares são formados pela Escola de Especialistas de Aeronáutica, em Guaratinguetá (SP). O curso dura dois anos, com formação militar e técnico especializada, e salário inicial em torno de R$ 4.500, segundo a FAB. Eles iniciam a carreira como terceiro-sargento, podendo chegar à graduação de Suboficial ou ao posto de Oficial após realizar concursos internos.

A duração dos cursos é diferente por causa da formação militar dos controladores que são ligados à FAB e trabalham em aeroportos cujo controle de tráfego aéreo é de responsabilidade do Decea (Departamento de Controle do Espaço Aéreo). Os controladores civis trabalham em aeroportos cujas torres de controle são administradas pela Infraero.

Para se candidatar, é necessário ter ensino médio completo e conhecimento intermediário da língua inglesa.

Leia também:

Bombeiros têm 90s para agir em acidente aéreo; veja simulação em Guarulhos

Sobre o blog

Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra notícias sobre aviões, helicópteros, viagens, passagens, companhias aéreas e curiosidades sobre a fascinante experiência de voar.