PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Com umidade de deserto, avião afeta nariz, ouvido e paladar; veja dicas

Todos a Bordo

11/01/2016 06h00

passageiro_Getty Images_615

Crédito: Getty Images

Viajar de avião pode não ser tão prazeroso para o nosso organismo. Quem nunca sentiu uma leve dor de ouvido, uma sensação de "nariz entupido" ou ficou com as pernas inchadas? Tudo isso acontece porque as condições externas durante um voo são muito diferentes das que o nosso corpo está acostumado quando estamos no solo.

Mudança brusca de pressão, ar seco e mobilidade reduzida são apenas alguns dos fatores que podem atrapalhar o funcionamento do organismo. Veja alguns exemplos e como evitá-los:

Nariz

Durante o voo, o nível de umidade dentro do avião cai para menos de 20%. Com um clima tão seco, as mucosas do nariz e garganta, responsáveis por bloquear a entrada de micróbios em nosso corpo, ficam mais ressecadas. Resultado? O organismo fica mais propenso a ser "atacado" por vírus e bactérias.

Como evitar: tome bastante água durante o voo e lave o nariz com soro fisiológico sempre que possível.

Ouvido

As tubas auditivas são canais que levam ar ao ouvido. Quando essas vias ficam bloqueadas (como em um resfriado, por exemplo), a chegada do ar fica comprometida.

Em viagens aéreas, principalmente pousos e decolagens, acontece uma mudança muito brusca da pressão atmosférica, o que também prejudica a entrada do ar nas tubas.

Essa falta de chegada de ar cria um vácuo no ouvido médio, impedindo a vibração do tímpano, resultando naquela sensação de surdez momentânea. Se o processo for muito intenso ou prolongado, pode surgir um líquido no ouvido, causando dores.

Como evitar: Para desbloquear os ouvidos, tente fazer o movimento de "engolir" saliva mais vezes. Isso ajuda a ativar os músculos que abrem a tuba auditiva. Bocejar é ainda melhor, porque ativa de maneira mais forte os músculos.

Língua

A pressurização e o ar seco durante o voo afetam nossas papilas gustativas, responsáveis por sentir o sabor dos alimentos. É como se elas ficassem um pouco mais inchadas, o que atrapalha o paladar.

Além disso, a baixa umidade do ar dificulta o trabalho das membranas que revestem o nariz. Isso contribui para que a nossa capacidade de sentir o gosto dos alimentos fique prejudicada. Essa sensação é muito parecida com aquela que temos quando estamos gripados e parece que não sentimos o sabor dos alimentos.

Como evitar: Alguns estudos, mostram que a percepção de doce ou salgado reduz-se em 30% durante o voo. A dica é não exagerar nas refeições.

Pernas

Ficar sentado na mesma posição por muito tempo pode deixar pernas e pés inchados por conta do acúmulo de líquido na região. Esse aumento de líquido causa pressão nas pernas e, consequentemente, o inchaço. O problema é que essa retenção de líquidos pode evoluir para uma trombose, popularmente conhecida como "mal da classe econômica", já que é mais difícil se movimentar nessa parte do avião do que na classe executiva.

A trombose acontece quando a circulação do sangue não ocorre de forma eficiente. Assim, ele se torna mais denso e se acumula em uma determinada região, causando vermelhidão, inchaço, aumento de temperatura na região e dor.

Como evitar: Use calçados confortáveis e meias elásticas durante o voo. Mova os pés e pernas durante a viagem e tente caminhar pelo avião, mesmo que não precise ir ao banheiro.

Leia também: 

Dicas para (tentar) dormir melhor durante os voos

Ar seco a bordo: como reduzir o desconforto

 

 

Sobre o blog

Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra notícias sobre aviões, helicópteros, viagens, passagens, companhias aéreas e curiosidades sobre a fascinante experiência de voar.