Todos A Bordo

Arquivo : use suas milhas

Só agora fidelidade da Avianca aceita compra de voo parceiro direto no site
Comentários Comente

Todos a Bordo

Avianca é integrante da maior aliança do mundo, a Star Alliance (foto: Divulgação)

O Amigo, programa de fidelidade da companhia da companhia aérea Avianca Brasil, mudou nesta quinta-feira (5) a forma de emissão de passagens aéreas pelas 28 companhias membros da rede global Star Alliance. A partir de agora, os bilhetes para qualquer um dos 1.300 destinos das empresas parceiras podem ser comprados diretamente pelo site do programa.

As demais companhias brasileiras já aceitavam isso. Membro da aliança OneWorld, a Latam permite o resgate de alguns voos de companhias da rede pelo site do programa Multiplus. A Gol não faz parte de nenhuma aliança, mas o programa de fidelidade Smiles permite a emissão pelo site de passagens de empresas parceiras. O programa TudoAzul tem parceria com a agência ViajaNet para emissão de passagem em qualquer companhia com pontos do programa diretamente pelo site.

No caso da Avianca, no site do programa Amigo só estavam disponíveis passagens para trechos nacionais e internacionais operados pela própria Avianca Brasil. Para as demais companhias da Star Alliance, a única alternativa para a emissão de bilhetes era o atendimento telefônico.

Leia também:

– Clube de milhas de empresa aérea vale a pena ou é cilada? Fizemos as contas
– Aéreas são suspeitas de separar famílias para cobrar mais por assento junto
– Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

“Em vez de ter de falar com o call center, informar o destino e a data e depois aguardar para saber a resposta, o passageiro do programa Amigo vai ter facilidade de acesso e visualização de todo portfólio de voos dos parceiros da Star Alliance. Com isso, terá total autonomia para escolher a rota e a companhia aérea para chegar até o destino”, afirma Fabrício Angelim, diretor do programa Amigo.

A Avianca Brasil faz parte da rede Star Alliance desde 2015. Com a mudança promovida nesta quinta-feira, Angelim afirmou que a expectativa é de crescimento de 25% na base de clientes do programa de fidelidade da companhia. “Fechamos o ano de 2017 com 4 milhões de clientes e devemos fechar esse ano com 5 milhões”, diz.

Passagens terão preço fixo

A emissão das passagens nas companhias aéreas parceiras da Star Alliance terá preço fixo. A quantidade de pontos necessária dependerá da região de origem e destino do voo. A tabela completa de preços pode ser consultada diretamente no site do programa.

Veja alguns dos preços:

– Brasil para América do Sul: 20 mil pontos por trecho

– Brasil para América do Norte: 35 mil pontos por trecho

– Brasil para Europa Ocidental: 50 mil pontos por trecho

– Brasil para Ásia Central: 100 mil pontos por trecho

– Brasil para Oceania: 140 mil pontos por trecho

– Voos entre dois destinos dentro da América do Norte: 12,5 mil pontos por trecho

– Voos entre dois destinos dentro da Europa Ocidental: 25 mil pontos por trecho

Além dos pontos exigidos, há ainda a necessidade de pagamento, em dinheiro, das taxas de embarque.

O diretor do programa Amigo afirmou que a disponibilidade total de bilhetes em cada voo ficará sob responsabilidade de cada companhia aérea. Com isso, em época de alta temporada, o passageiro que quiser comprar um bilhete de última hora pode não encontrar voos disponíveis.

O sistema é diferente do adotado pela Avianca nos voos nacionais e internacionais operados pela empresa. O diretor do programa Amigo afirma que todos os lugares do avião são vendidos também com pontos do programa. No entanto, o valor da passagem varia na mesma proporção dos preços em reais.

O diretor do programa Amigo afirmou que a companhia deve implementar ainda neste ano um sistema de compra de pontos. Essa seria uma alternativa para quem não conseguiu acumular os pontos necessários para um determinado trecho. “Isso deve estar disponível no segundo semestre do ano”, afirma Angelim.

Todas as outras companhias aéreas brasileiras já permitem a compra de milhas ou pontos para complementar o valor da passagem.

Leia também:

– O dia em que o piloto deixou o filho brincar na cabine e derrubou um avião
– O caminho de um avião 0 km do interior de SP até Amsterdã
– Embraer entrega primeiro avião do modelo E190-E2 a uma companhia aérea


Clube de milhas de empresa aérea vale a pena ou é cilada? Fizemos as contas
Comentários Comente

Todos a Bordo

Reportagem: Vinícius Casagrande / Edição: Maria Carolina Abe

Usar milhas e pontos de programas de fidelidade é uma forma de economizar na compra da passagem aérea, mas nem sempre o passageiro consegue juntar a pontuação necessária, especialmente em voos para o exterior. De olho nesse público, as empresas criaram os clubes de milhagem.

Funciona assim: o cliente paga uma assinatura mensal e, em troca, ganha uma quantidade de pontos ou milhas. Quanto mais cara for a assinatura, mais pontos ou milhas ele ganha. O assinante também tem direito a alguns outros benefícios, como pontuação extra em voos ou ao fazer transferências de cartões de crédito ou programas parceiros, validade maior dos pontos/milhas e promoções exclusivas.


Leia também:
– Aprenda a usar programas de fidelidade
Voe de graça com compras de R$ 1.400/mês, diz CEO da Multiplus
– Você ainda joga milhas fora, diz CEO da Smiles


Como escolher o melhor plano para você?

Para facilitar a comparação entre os planos, o blog Todos a Bordo calculou quanto custa para o assinante cada ponto ou milha. Nas tabelas abaixo, esse valor aparece na coluna da direita.

Usando esse critério, o Clube 1.000 da Multiplus tem os pontos mais caros: R$ 0,0429 cada.

A Multiplus, aliás, tem uma característica curiosa: é mais barato comprar um ponto no plano intermediário do que no plano top de linha.

A Smiles e o Tudo Azul têm os preços mais baixos no plano que permite acumular até 10.000 milhas ou pontos por mês: R$ 0,0299 cada.

Vale a pena entrar em um clube de milhas?

Para saber isso, é preciso comparar o preço cobrado pela companhia aérea em uma rota e a quantidade de milhas ou pontos necessários para emitir a passagem.

Por exemplo: nos planos que têm as milhas e pontos mais baratos, o lote de 10.000 custa R$ 299. Assim, se uma passagem custar R$ 299, só vale a pena comprar pelo programa de fidelidade se forem necessários menos de 10.000 pontos ou milhas para a emissão do bilhete. Além disso, é preciso calcular o valor das taxas e embarque, que devem ser pagos em dinheiro.

De 9 simulações, em uma o clube de milhas foi vantajoso 

O Todos a Bordo fez nove simulações usando os valores mais baixos cobrados para cada ponto ou milha em cada programa.

Em apenas um caso fazer parte do clube de milhas foi mais vantajoso do que comprar a passagem no site da companhia aérea.

Foi em uma viagem de ida e volta entre São Paulo e Orlando (EUA). Com o clube Smiles, a passagem para voar com a Delta custaria R$ 2.573,33 (80 mil milhas mais R$ 181,33 de taxa de embarque). O mesmo bilhete na companhia aérea norte-americana é oferecido por R$ 2.828,98, uma diferença de 9%.

Veja alguns exemplos:

São Paulo – Miami (Latam e Multiplus)
Ida em 9 de junho e volta em 23 de junho
Pontos necessários: 60.000 + R$ 181,33 (taxa de embarque)
Custos no Clube 5.000: R$ 2.158,80 (60.000 x R$ 0,03598 por ponto) + R$ 181,33 (taxa de embarque)
Total investido: R$ 2.340,13
Preço no site da Latam: R$ 2.187,35
Diferença: R$ 152,77 a menos para compras diretamente no site da Latam (7% mais caro no Clube Multiplus)

São Paulo – Buenos Aires (Gol e Smiles)
Ida em 9 de junho e volta em 23 de junho
Pontos necessários: 30.000 + R$ 332,25 (taxa de embarque)
Custos no Plano 10.000: R$ 897 (30.000 x R$ 0,0299 por milha) + R$ 332,25 (taxa de embarque)
Total investido: R$ 1.229,25
Preço no site da Gol: R$ 1.138,41
Diferença: R$ 90,84 a menos para compras diretamente no site da Gol (8% mais caro no Clube Smiles)

São Paulo – Fort Lauderdale, Miami (Tudo Azul e Azul)
Ida em 9 de junho e volta em 23 de junho
Pontos necessários: 67.000 + R$ 429,08 (taxa de embarque)
Custos no Clube 10.000: R$ 2.003,30 (67.000 x R$ 0,0299 por ponto) + R$ 429,08 (taxa de embarque)
Total investido: R$ 2.432,38
Preço no site da Azul: R$ 2.348,38
Diferença: R$ 84 a menos para compras diretamente no site da Azul (3,5% mais caro no Clube Tudo Azul)

Outros benefícios: bônus, sala VIP e bagagem grátis

Também é possível incluir na conta outros benefícios oferecidos pelos clubes de milhagem. Nesse caso, o valor varia de uma pessoa para outra e é preciso avaliar qual o seu perfil para, então, definir o plano mais vantajoso.

Na Multiplus, por exemplo, o Clube 10.000 dá 30% de pontos extras nas transferências de cartões de crédito ou programas parceiros. Segundo o diretor comercial da Multiplus, Carlos Formigari, cada cliente transfere, em média, 100 mil pontos dos cartões de crédito e 50 mil pontos de outros programas parceiros por ano, o que daria 45 mil pontos extras com a bonificação de 30%. “Nesse caso, o valor de cada ponto passa a ser de R$ 0,0269”, afirma.

Além disso, os associados ainda podem economizar de outras formas, dependendo do programa e do plano escolhido. Alguns oferecem despacho de bagagem gratuito, acesso a sala VIP e pontos qualificáveis para subir de categoria dentro do programa de fidelidade, o que daria mais pontos a cada voo realizado.

O que as empresas dizem

“A ideia do clube é ser um acelerador para acumular mais milhas e ajudar a chegar mais rápido ao objetivo”, afirma André Fehlauer, diretor de produtos da Smiles.

Ele cita como principais benefícios para os associados a validade de dez anos das milhas, bônus nas transferências de cartões de crédito (5% após seis meses e 10% após um ano), desconto de 10% na compra de produtos com milhas no Shopping Smiles, promoções exclusivas de milhas reduzidas, além de pontos qualificáveis para subir de categoria Smiles.

“Toda semana temos algum tipo de promoção exclusiva. Os clientes já sabem como funcionam e esperam até que tenha um valor atrativo para a emissão da passagem para determinado destino”, diz.

O diretor comercial da Multiplus afirma que a última reformulação dos planos, em janeiro, foi feita após uma análise e consulta com os clientes. “É um produto para aumentar os participantes já engajados e pensado para a nossa base de clientes”, diz Carlos Formigari. Segundo ele, o público-alvo são os clientes que já fazem transferência de outros programas e que procuram outros benefícios, como o acesso a salas VIP.

A Tudo Azul foi procurada, mas não respondeu até a publicação desta reportagem. Entre os principais benefícios adicionais estão a possibilidade de assinatura anual com desconto de até 14% em relação ao preço normal da mensalidade, bônus ao transferir os pontos do seu cartão de crédito (de 5% após 6 meses e 10% após 12 meses) e pontos extras de acordo com o tempo de permanência.


Leia também:

– Os 5 jatos mais vendidos do mundo; custam de R$ 16 mi a R$ 203 mi
– Por que a parte traseira da asa do avião se move nos pousos e decolagens?
– Novo avião comercial da Embraer é aprovado em testes e liberado para voar
– O caminho de um avião 0 km do interior de SP até Amsterdã
– Brasil terá oferta recorde de passagem direta para Orlando (EUA) em 2018
– Que tamanho sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?
– Como os pilotos sabem se o avião está baixo ou alto na hora de pousar?

Veja caminho que sua mala faz no aeroporto depois de despachada


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>