Todos A Bordo

Arquivo : estados unidos

Primeiro combate aéreo dos EUA foi para caçar revolucionário estrangeiro
Comentários Comente

Todos a Bordo

Oito aviões Curtiss JN-3 foram utilizados na “expedição punitiva” (Foto: Biblioteca do Congresso)

Por Vinícius Casagrande

A primeira missão de combate aéreo da história dos Estados Unidos aconteceu no dia 19 de março de 1916 e foi uma caçada a um revolucionário estrangeiro. Era um domingo à tarde quando oito aviões biplanos Curtiss JN-3 decolaram da base militar de Columbus, no Estado do Novo México, para uma caçada ao líder revolucionário mexicano Francisco Pancho Villa.

O Primeiro Esquadrão Aéreo, também conhecido como Primeiro Esquadrão de Reconhecimento, havia sido criado três anos antes por ordens do então presidente William Taft. Até então, os aviões eram utilizados somente para treinamento e missões de reconhecimento e entrega de mensagens.

A primeira missão militar foi determinada depois de Pancho Villa entrar no território norte-americano e atacar a cidade de Columbus. A ação deixou 18 americanos mortos. No confronto, os militares dos Estados Unidos mataram cerca de 70 homens do bando de Pancho Villa. O líder revolucionário, no entanto, conseguiu escapar e fugir de volta para o México.

Foi, então, que o presidente norte-americano Woodrow Wilson resolveu colocar o esquadrão aéreo em ação. Chamada de “expedição punitiva”, a primeira missão de combate aéreo dos Estados Unidos tinha como objetivo capturar Pancho Villa vivo ou morto.

Pane após a decolagem

A missão aérea teve início em 19 de março de 1916 e enfrentou problemas logo nos primeiros minutos. Instantes após a decolagem dos oito aviões Curtiss JN-3, uma das aeronaves apresentou problemas no motor e teve de retornar à base em Columbus.

Os problemas mecânicos, aliás, eram uma constante. Após um mês da “expedição punitiva”, apenas dois aviões permaneciam em atividade. E, ainda assim, não conseguiam cumprir com êxito a missão para a qual haviam sido designados.

Aviões sofriam panes constantes durante a missão militar (Foto: Biblioteca do Congresso)

Baixa altitude de voo

Pioneiros, os aviões Curtiss JN-3 tinham diversas limitações operacionais. O principal problema para a caçada a Pancho Villa, no entanto, estava na altitude máxima de voo, que não era suficiente para que os aviões pudessem sobrevoar as diversas montanhas da região. Era exatamente no alto de um desses picos montanhosos, a Sierra Madre, que Pancho Villa se escondia.

As más condições do clima e os ventos fortes dificultavam ainda mais a missão para os Curtiss JN-3. A situação era tão crítica que o capitão do Primeiro Esquadrão Aéreo norte-americano, E.B. Foulois, chegou a afirmar que “nossos aviadores estão encontrando diariamente condições que nenhum piloto jamais enfrentou”.

Apesar das dificuldades, a “expedição punitiva” prosseguiu com apoio aéreo durante quase um ano, mas os pilotos norte-americanos nunca encontraram o paradeiro de Pancho Villa. O revolucionário foi morto em uma emboscada em 23 de julho de 1923.

Leia também:

O trabalho e as histórias do “síndico” do Aeroporto Santos Dumont

Os melhores museus de aviação do mundo

Avô de helicóptero, autogiro não decola na vertical nem fica parado no ar


Aeroporto de Los Angeles planeja ‘blindar’ celebridades em novo terminal
Comentários Comente

Todos a Bordo

Tom Cruise (dir.) atende fãs ao desembarcar no aeroporto de Haneda, em Tóquio / Crédito: Issei Kato/Reuters

Tom Cruise (dir.) atende fãs ao desembarcar em aeroporto de Tóquio / Crédito: Issei Kato/Reuters

O aeroporto internacional de Los Angeles, nos Estados Unidos, terá um novo terminal. Mas apenas um grupo bem específico de passageiros poderá utilizá-lo: o dos ricos e famosos.

A proposta foi aprovada na última semana e o novo espaço, que vai reaproveitar uma antiga instalação de cargas, deve ficar pronto em seis meses. Celebridades, estrelas do mundo do esporte, diplomatas, magnatas estarão então livres de qualquer contato com passageiros comuns, evitando pedidos de autógrafos, protestos, paparazzi.

Os VIPs poderão usar uma entrada exclusiva e irão aguardar em um espaço privativo para realizar os procedimentos de segurança. Dali, serão levados diretamente para o avião.

Os planos preveem que os clientes do novo terminal em Los Angeles terão de dar cerca de 60 passos, em comparação com os 2.200 passos necessários atualmente para percorrer o trajeto da rua até a aeronave, indicou o jornal britânico “Guardian”.

O público-alvo do serviço terá de pagar uma taxa de aproximadamente US$ 1.800 por voo (aproximadamente R$ 6.700). A administração do aeroporto afirma que a novidade também vai beneficiar os passageiros comuns, que não serão prejudicados pela confusão provocada por fotógrafos e fãs quando celebridades estão no local.

O novo terminal em Los Angeles deve seguir o modelo adotado no aeroporto de Heathow, em Londres, onde a área foi originalmente pensada para atender membros da família real, chefes de estado e diplomatas em visita à capital britânica, mas depois foi aberto a clientes dispostos a pagar 2.000 libras (cerca de R$ 11.200).

Outros aeroportos pelo mundo também criaram terminais para VIPs, incluindo Dubai (Emirados Árabes Unidos), Amsterdã (Holanda) e Paris (França).

Nos Estados Unidos, se a experiência em Los Angeles for bem sucedida, a empresa de segurança privada Gavin de Becker & Associates, responsável pelo novo terminal, diz ter interesse em oferecer o mesmo modelo para aeroportos como o JFK, em Nova York, Miami, São Francisco, Chicago.

Leia também: Após ser chamado de terceiro mundo, aeroporto em NY vai mudar
Aeroporto em Londres cria sala de ioga para passageiros relaxarem antes do voo
Bafo nas alturas: relembre confusões de celebridades em viagens aéreas


Aérea cria aplicativo para aeromoças saberem mais sobre os passageiros
Comentários Comente

Todos a Bordo

Imagem: Divulgação

Imagem: Delta/Divulgação

A companhia aérea Delta quer que os comissários de bordo tenham à mão as informações sobre os passageiros. A empresa anunciou que os funcionários passarão a contar com um aplicativo com dados como o nome do cliente e seu status no programa de fidelidade. A ideia, ressaltou a aérea, é permitir que os atendentes reconheçam passageiros frequentes e possam atender quem precise de ajuda extra.

Upgrade da Delta para VIPs: do voo comercial para o jatinho particular

Com a nova ferramenta, a Delta planeja ainda oferecer informações aos clientes sobre a situação de voos de conexão e sobre portões de embarque. A vice-presidente de serviços de bordo da companhia, Allison Ausband, afirmou que o aplicativo será aprimorado, aproveitando os dados fornecidos pelo cliente para personalizar a experiência durante o voo.

“Logo, os comissários de bordo serão capazes de oferecer opções de comida e bebida que atendam às preferências dos clientes e identificarão de uma forma melhor os clientes que possam ter passado por um problema anterior em sua viagem, tudo em um esforço para aprofundar o envolvimento com os que voam conosco”, disse Allison, em comunicado.

Leia também: Tecnologia rastreia celulares para indicar espera em filas nos aeroportos
Aplicativo com nome picante liga pessoas no avião para negócios ou paquera

Outra utilidade do aplicativo será digitalizar o manual de bordo de quinhentas páginas e mais de dois quilos, que agora estão disponíveis nos aparelhos distribuídos a mais de 22.000 comissários. Segundo a Delta, a mudança vai economizar 55 toneladas de papel por ano, ou o equivalente a manter em pé aproximadamente 1375 árvores.


Tecnologia rastreia celulares para indicar espera em filas nos aeroportos
Comentários Comente

Todos a Bordo

Telas indicam tempo de espera em filas no aeroporto JFK, em NY (Imagem: JFKIAT/Divulgação)

Telas indicam tempo de espera em filas no aeroporto JFK, em NY (Imagem: JFKIAT/Divulgação)

O aeroporto internacional John F. Kennedy, em Nova York, adotou este mês um sistema para indicar aos passageiros quanto tempo ele vai ficar em filas. A partir de uma tecnologia que rastreia sinais de celulares, é possível estimar o tempo que os viajantes estão aguardando para passar por procedimentos de segurança, na alfândega, e também para pegar um táxi dentro do aeroporto.

O monitoramento dos passageiros é feito por meio do sinal de wi-fi ou bluetooth emitido pelos celulares. Os responsáveis pela tecnologia afirmam que nenhum dado de identificação do dono do aparelho é armazenado.

A expectativa de espera nas filas é exibida em 13 telas distribuídas pelo terminal 4, o maior do aeroporto, onde o sistema foi implantado. A JFKIAT, companhia que administra o terminal, afirma que a informação também é usada na hora de colocar em prática medidas para acelerar o atendimento quando áreas congestionadas são identificadas.

Antes de o sistema de rastreamento ser implantado, as estimativas de espera em filas eram baseadas em imagens de câmeras internas e com o uso de cronômetro. A nova tecnologia promete oferecer dados mais consistentes.

Leia também: Assentos que vão para frente e para trás: o fim do aperto nos voos?
Após ser chamado de “terceiro mundo”, aeroporto de NY vai mudar; veja imagens

O JFK é o primeiro aeroporto de NY a adotar o sistema, mas outros aeroportos já utilizam o aparato desenvolvido pela empresa dinamarquesa BlipSystems, entre eles o de Cincinnati, primeiro nos Estados Unidos a utilizar a tecnologia, Toronto, Dublin, Amsterdã, Barcelona, Manchester e Dubai, entre outros.


Após ser chamado de “3º mundo”, aeroporto em NY vai mudar; veja imagens
Comentários Comente

Todos a Bordo

Esboço mostra como deve ficar o aeroporto LaGuardia depois da reforma (Divulgação/Governo de NY)

Esboço mostra como deve ficar o aeroporto LaGuardia depois da reforma (Divulgação/Governo de NY)

No ano passado, o vice-presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, comentou que o aeroporto LaGuardia, em Nova York, parecia de “terceiro mundo”. Comentário deselegante, mas, na última semana, ele participou do evento em que foi anunciado um plano de reforma de US$ 4 bilhões. A proposta prevê um aeroporto totalmente novo até 2021.

Hoje, o desenho do aeroporto inclui vários terminais separados, que devem dar lugar a um único terminal, mais amplo e mais próximo da via Grand Central Parkway – o estacionamento que atualmente separa a avenida da entrada dos terminais mudará de lugar. O novo terminal terá um espaço central para chegadas e partidas, ligado aos terminais C e D, que são operados pela Delta Air Lines.

Os passageiros poderão chegar aos portões de embarque por meio de um sistema de pontes, liberando espaço para a circulação de aviões — que passarão por baixo das passarelas. Os envolvidos na remodelação do LaGuardia apostam que esta mudança ajudará a melhorar um dos aspectos mais criticados do local: os atrasos nos voos. Apenas 65% chegam no horário, segundo levantamento divulgado este ano pela Global Gateway Alliance, grupo que cobra melhorias nos aeroportos nova-iorquinos.

Este problema, no entanto, não deve ser resolvido com a reforma, apesar da expectativa dos idealizadores. O Wall Street Journal consultou especialistas que apontaram obstáculos para a pontualidade. Uma delas é o fato de que o aeroporto continuará a ter somente duas pistas. O outro ponto é o congestionamento aéreo na região de Nova York, que também provoca atrasos nos aeroportos JFK e Newark. O órgão responsável pela aviação nos EUA trabalha em mudanças para melhorar o tráfego aéreo.

Leia também: O aeroporto do futuro terá pista de pouso em passarelas no meio da cidade?

As reclamações também ressaltam a dificuldade de acesso. Atualmente, só é possível chegar ao LaGuardia, no Queens, de carro ou ônibus, mas a reforma deve incluir uma linha de trem ligada ao sistema de metrô, além do restabelecimento do serviço de balsas até o aeroporto.

Previsão é que serviço de balsas atenda o aeroporto LaGuardia depois da reforma (Divulgação/Governo de NY)

Previsão é que serviço de balsas atenda o aeroporto LaGuardia depois da reforma (Divulgação/Governo de NY)

O projeto de renovação deve criar 8.000 empregos diretos, e será responsabilidade de uma parceria público-privada. Um vídeo promocional divulgado pelo governo local começa exatamente com as insatisfações dos usuários com a lotação, o calor, a sujeira, o tamanho do aeroporto, que não suporta o atendimento a um público tão grande. Aberto ao público em 1939, o local atende atualmente cerca de 30 milhões de passageiros – seu desenho inicial previa a circulação de 8 milhões de pessoas.

Mas a situação ficará bem melhor depois da reforma, prometeu o governador Andrew Cuomo na apresentação da proposta. Segundo ele, o LaGuardia passará a ser “reconhecido mundialmente como um aeroporto do século 21, digno da cidade e do estado de Nova York”. É esperar para ver. Enquanto isso, confira mais esboços de como deve ficar o aeroporto depois da renovação:

Terminal central do LaGuardia deve ficar mais perto da via de acesso (Divulgação/Governo de NY)

Terminal central do LaGuardia deve ficar mais perto da via de acesso (Divulgação/Governo de NY)

Passarelas devem ser construídas para facilitar acesso a portões de embarque e liberar espaço para circulação de aviões no LaGuardia (Divulgação/Governo de NY)

Passarelas para pedestres devem liberar espaço para circulação de aviões (Divulgação/Governo de NY)

Desenho da área interna do aeroporto LaGuardia depois da reforma (Divulgação/Governo de NY)

Desenho da área interna do aeroporto LaGuardia depois da reforma (Divulgação/Governo de NY)


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>