Todos A Bordo

Arquivo : B777

Emirates quer contratar mais pilotos brasileiros; salário vai até R$ 60 mil
Comentários Comente

Todos a Bordo

Empresa procura comandantes e copilotos para o Airbus A380 (Divulgação)

Para enfrentar a escassez de pilotos, a Emirates Airlines, companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos, está em busca de pilotos brasileiros para comandar sua frota de aviões Airbus A380 e Boeing 777. A empresa realiza na próxima semana, entre segunda (21) e sexta-feira ( 25), nova seleção de profissionais. O salário mensal para o cargo de comandante pode chegar a quase R$ 60 mil.

A seleção será em São Paulo, e a empresa não divulgou quantos pretende contratar. Diferentemente de outras ocasiões, nas quais qualquer profissional qualificado podia participar da seleção, desta vez só poderão concorrer às vagas pilotos aceitos previamente. A inscrição pode ser feita pelo e-mail Pilot.recruitment@emirates.com.

Leia também:

– Sonha em comandar um avião? Veja quanto custa formação básica de um piloto
– Acompanhamos a entrega de um avião 0 km da Embraer até a Holanda
– Lembre pilotos de avião heróis que enfrentaram panes e evitaram tragédias
– O que significam as faixas nos uniformes de pilotos e comissários de avião?

O vice-presidente comercial da Emirates, Thierry Antinori, afirmou ao portal “Arabian Business”, que a empresa precisa atualmente de cem a 150 pilotos para completar seu quadro de funcionários. A empresa contrata pilotos em diversos países do mundo.

Antinori disse que a falta de profissionais para comandar as aeronaves fez com que a companhia aérea cancelasse alguns voos, especialmente para destinos na Flórida (EUA). No entanto, afirmou que outros cancelamentos ocorrem por outros motivos, como questões sazonais e baixa procura.

No Brasil, a empresa tem um voo diário para São Paulo com o Airbus A380. A rota entre Dubai (Emirados Árabes Unidos) e Buenos Aires (Argentina), com o Boeing 777, conta com uma parada no Rio de Janeiro. A partir de julho, a empresa pretende criar nova rota, também com o Boeing 777, entre Dubai e Santiago (Chile), com parada em São Paulo.

A Emirates está em busca tanto de copilotos como de comandantes para os aviões Airbus A380 e Boeing 777. São os dois únicos modelos usados na frota da companhia aérea. Durante o processo, ainda em São Paulo, os pilotos deverão fazer um prova teórica e testes nos simuladores de voo. Para a seleção, serão usados simuladores dos modelos Airbus A330 e Boeing 777.

Requisitos mínimos para se candidatar

Para se candidatar à vaga de copiloto, o candidato deve ter licença de piloto de linha aérea, experiência de mais de 2.000 horas de voo em aviões acima de 20 toneladas ou 3.000 horas de voo para aviões entre dez e 20 toneladas.

No caso das vagas para comandante, é preciso ter licença de piloto de linha aérea e três anos de experiência em voos de longa distância. São exigidas também 7.000 horas de voo, sendo 3.000 como comandante de jatos acima de 50 toneladas e 1.000 horas em aviões do tipo widebody (fuselagem larga e dois corredores).

Salário é livre de impostos

Com base operacional em Dubai, os salários dos pilotos da Emirates são livres de impostos (de acordo com a legislação local). A companhia aérea oferece casa para os pilotos, mas há a opção de receber um auxílio-moradia para alugar outra residência. É necessário morar em Dubai.

Veja os salários:

Copiloto de Boeing 777 cargueiro

Salário-base: R$ 25.361,39 (24.935 Dirham)

Auxílio-moradia: R$ 11.188,10 (11 mil Dirham)

Salário total: R$ 36.549,49 (35.935 Dirham)

Comandante de Boeing 777 cargueiro

Salário-base: R$ 35.979,91 (35.375 Dirham)

Auxílio-moradia: R$ 12.713,75 (12,5 mil Dirham)

Salário total: R$ 48.693,66 (47.875 Dirham)

Copiloto de Airbus A380 e Boeing 777 de passageiros

Salário-base: R$ 30.640,14 (30.125 Dirham)

Auxílio-moradia: R$ 14.569,96 (14.325 Dirham)

Salário total: R$ 45.210,10 (44.450 Dirham)

Comandante de Airbus A380 e Boeing 777 de passageiros

Salário-base: R$ 43.425,08 (42.695 Dirham)

Auxílio-moradia: R$ 16.349,88 (16.075 Dirham)

Salário total: R$ 59.774,97 (58.770 Dirham)

Além do salário, os pilotos têm outros benefícios, como seguros médico e odontológico e férias anuais de 42 dias.

Leia também:

– Aérea suspende pilotos por gravar e postar vídeos “engraçados” em pleno voo
– Uber quer voos mais baratos que viagens de carro, mas há muitos desafios
– Como os pilotos sabem se o avião está baixo ou alto na hora de pousar?


Avião perde parte do motor em pleno voo nos EUA e consegue pousar; assista
Comentários Comente

Todos a Bordo

Um Boeing 777 da companhia aérea United Airlines perdeu parte da carenagem do motor direito quando sobrevoava o Oceano Pacífico rumo a Honolulu, no Havaí (EUA), na terça-feira (13), mas conseguiu pousar em segurança. O avião havia decolado de San Francisco, no Estado da Califórnia. O incidente aconteceu cerca de meia hora antes do pouso.

Segundo a rede de TV CNN, o voo 1175 da United Airlines levava 363 passageiros e dez tripulantes. Ninguém ficou ferido com o incidente.

Diversos passageiros que estavam a bordo do avião compartilharam fotos e vídeos do motor do avião sem a carenagem. “O voo mais assustador da minha vida”, escreveu no Twitter a consultora de marketing Maria Falaschi.

Leia também:

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

Jatinho mais barato do mundo tem só um motor e paraquedas de emergência

Jatos comerciais têm motor escondido na traseira. Sabe para que ele serve?

Segundo relatos dos passageiros, foi possível ouvir um forte barulho e sentir o avião balançar no ar quando a carenagem se soltou do motor. “Parecia que estávamos em uma montanha-russa saindo dos trilhos”, afirmou Haley Ebert ao jornal “The New York Times”.

Após o incidente, os pilotos solicitaram um pouso de emergência no aeroporto de Honolulu. “Nossos pilotos seguiram todos os protocolos necessários para pousar o avião em segurança. A aeronave taxiou até o portão de embarque e os passageiros desembarcaram normalmente”, afirmou a United Airlines em um comunicado.

Na hora do pouso, os passageiros foram orientados pelos comissários de bordo a seguir alguns procedimentos de segurança, como ficar na posição de impacto – sentados com o corpo curvado para frente e com a cabeça próxima ao joelho. A posição diminui a área de impacto do corpo e protege os órgãos vitais de perfurações que possam ocorrer.

Apesar do susto de todos os passageiros, Haley Ebert afirmou que o avião tocou o solo do aeroporto de Honolulu suavemente.

A NTSB, órgão de investigação de acidentes aeronáuticos dos Estados Unidos, afirmou que já está investigando as causas do incidente com o Boeing 777 da United Airlines.

Leia também:

Você sabe como funciona um motor de avião a jato?

Qual avião é mais seguro de voar: um grande ou um pequeno?

O que significam as placas, faixas e luzes nas pistas dos aeroportos?


Este avião é o campeão nas rotas mais longas do mundo, com mais de 16h
Comentários Comente

Todos a Bordo

Qatar utiliza o Boeing 777-200LR na rota mais longa do mundo (Foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

O Boeing 777 é o avião que mais faz as rotas ultralongas na aviação mundial. Dos dez trechos com mais de 16 horas de viagem, o modelo está presente em sete deles. O Boeing 777 faz, inclusive, a rota com o maior tempo de viagem, entre Auckland, na Nova Zelândia, e Doha, no Catar, pela companhia aérea Qatar Airways. São 17h40 para percorrer 14.522 km.

A nova rota mais longa do mundo foi lançada no mês passado. Até então, a liderança era do voo entre São Francisco e Cingapura. A rota é operada pelas companhias aéreas United Airlines, que utiliza o Boeing 787-9, e pela Singapore Airlines, que voa com o Airbus A350-900.

Na terceira e quarta posições do ranking estão dois voos do Airbus A380-800. A Emirates voa de Auckland para Dubai, enquanto a australiana Qantas faz a rota entre Dallas e Sydney. Os dois voos têm o tempo estimado de viagem em 17h05.

Além da liderança, a partir da quinta posição o domínio do Boeing 777 é total, sendo o escolhido para voar todas as demais rotas de longa duração. Na movimentada rota entre Dubai e Los Angeles, a Emirates tem dois voos diários, um com o Boeing 777-200LR e outro com o Airbus A380-800. Os dois aviões fazem o trajeto em 16h15.

O tempo estimado da viagem foi pesquisado no site das próprias companhias aéreas, seguindo o ranking da consultoria OAG. O tempo total prevê o horário de saída e chegada dos voos. Em geral, duração do voo é estimada contando também o tempo dos deslocamentos dentro dos aeroportos. Os voos podem, ainda, ter um tempo maior ou menor de acordo com as condições do clima durante a rota.

Liderança ameaçada

A liderança do Boeing 777 nas rotas mais longas do mundo, no entanto, pode estar ameaçada. A Singapore Airlines já anunciou que pretende lançar no próximo ano uma nova rota mais longa do mundo. O voo com o Airbus A350-900ULR ligando Cingapura a Nova York deve levar 18h30 para percorrer 15.340 km.

Também em 2018, a Qantas planeja um voo entre Perth e Londres a bordo de um Boeing 787-900. Com uma distância de 14.495 km, a viagem entre as duas cidades tem previsão de durar 17 horas.

Para o analista sênior da OAG, John Grant, os aviões mais modernos permitem que as companhias aéreas de todo o mundo criem rotas cada vez mais longas. Isso acontece porque os novos aviões são mais eficientes e consomem menos combustível, o que permite aumentar o alcance dos voos.

“O padrão industrial do Boeing 777 tem sido capaz de voar essas distâncias por algum tempo, mas as novas tecnologias de aviões têm custos operacionais menores”, afirma.

Para aumentar a autonomia dos voos, as companhias devem adotar configurações internas dos aviões com menos capacidade de passageiros. Isso aconteceria aumentando a quantidade de assentos da primeira classe e da executiva. É que quanto mais passageiros, maior o peso do avião e, consequentemente, maior o consumo de combustível, o que diminui a autonomia.

VÍDEO REGISTRA POUSO DO BOEING 777 DURANTE TEMPESTADE

A maior distância voada

O ranking foi baseado sob o critério de tempo de voo. Em termos de distância, no entanto, o voo da Air India entre Nova Déli e São Francisco é o mais longo do mundo, percorrendo 15,3 mil km. O título foi conquistado quando a empresa mudou o trajeto voado.

Desde outubro, a empresa passou a fazer a rota sobrevoando o Pacífico, em vez ir sobre o Atlântico. Com isso, a rota ficou 1.400 km mais longa. No entanto, o voo se beneficia dos ventos de cauda que aumentam a velocidade do avião em cerca de 140 km/h. Isso fez com que a viagem ficasse duas horas mais rápida, totalizando 14,5 horas. O voo é feito com o Boeing 777-200ER.

A influência do vento pode ser vista também nas demais rotas mais longas do mundo. Enquanto o voo entre Auckland e Doha tem duração prevista de 17h40, a viagem no sentido contrário dura 16 horas. A maior diferença ocorre na rota entre São Francisco e Cingapura. São 17h10 em um sentido e apenas 15h05 no trecho contrário, uma diferença de mais de duas horas.

As rotas mais longas do mundo

1. De Auckland a Doha (Qatar Airways) – 17h40 – 14.522 km – Boeing 777-200LR

2. De São Francisco a Singapura (United e Singapore) – 17h10 – 13.571 km – Boeing 787-9 e Airbus A350-900

3. De Auckland a Dubai (Emirates) – 17h05 – 14.189 km – Airbus A380-800

4. De Dallas a Sydney (Qantas) – 17h05 – 13.798 km – Airbus A380-800

5. De Johannesburgo a Atlanta (Delta) – 16h50 – 13.571 km – Boeing 777-200LR

6. De Abu Dhabi a Los Angeles (Etihad) – 16h45 – 13.475 km – Boeing 777-200LR

7. De Jeddah a Los Angeles (Saudi Arabian) – 16h40 – 13.382 km – Boeing 777-300

8. De Dubai a Houston (Emirates) – 16h35 – 13.114 km – Boeing 777-300ER

9. De Dubai a Los Angeles (Emirates) – 16h15 – 13.391 km – Boeing 777-200LR e Airbus A380-800

10. De Doha a Los Angeles (Qatar Airways) – 16h15 – 13.338 km – Boeing 777-200LR

Leia também:

Empresa muda rota, e voo entre Índia e EUA vira o mais longo do mundo

Apenas 13 empresas têm o maior avião do mundo em sua frota; veja quais são

Pistas de Guarulhos são alargadas para voos diários do maior avião do mundo

Veja como é voar no A380 da companhia aérea Emirates


< Anterior | Voltar à página inicial | Próximo>