Todos A Bordo

Embraer apresenta projeto de táxi aéreo elétrico feito em parceria com Uber

Todos a Bordo

Por Vinícius Casagrande

Em Los Angeles (EUA)*

A Embraer apresentou nesta terça-feira (8) seu projeto de táxi aéreo elétrico desenvolvido em parceria com a Uber. Por enquanto, está em fase de conceito, sem nenhum protótipo construído. Também não ganhou um nome oficial ainda.

O veículo parece uma mistura de drone com helicóptero. O veículo será elétrico e terá capacidade para quatro passageiros e um piloto, segund0 o presidente da Embraer, Paulo Cesar de Souza e Silva. ''A intenção é que, no futuro, seja um veículo autônomo'', afirma. O anúncio foi feito em Los Angeles, durante a conferência Uber Elevate Summit.

Leia também:

Acompanhamos a entrega de um avião 0 km da Embraer até a Holanda
Conheça os 5 jatos mais vendidos do mundo; custam de R$ 16 mi a R$ 203 mi
Por que aviões sofrem turbulência de repente e mesmo com céu claro?

''Os desafios são muito grandes. Tem desafio de bateria, precisa ser um veículo autônomo mais para frente, por conta de economia e também por dificuldade de conseguir milhares de pilotos. Além disso, há também a questão do controle do tráfego aéreo. Esses desafios vão ter de ser rompidos gradualmente e passo a passo'', afirmou Souza e Silva ao blog. Segundo ele, ainda não há uma definição sobre onde esse veículo seria fabricado.

Voando a partir de 2023

Segundo a Uber, o objetivo é fazer o primeiro voo de demonstração em 2020. O serviço, chamado de UberAir, deve começar a ser oferecido em 2023 em Dubai (Emirados Árabes Unidos), Dallas (EUA) e Los Angeles (EUA). A implementação do serviço deve ser gradual.

A Uber estima que, quando o serviço estiver completamente em funcionamento, uma única cidade pode ter até dez vezes mais voos em relação ao atual tráfego aéreo de todo os Estados Unidos.

Veículo elétrico terá capacidade para quatro passageiros e um piloto (Divulgação)

Uber também tem outros parceiros

A Uber tem outros parceiros no projeto além da Embraer, como Bell, Aurora, Pipistrel e Karem Aircraft, anunciada nesta terça-feira.

''Não vamos criar o nosso próprio veículo, mas trabalhar com as empresas parceiras para que elas atendam às nossas necessidades'', afirma Jeff Holdem, chefe de produtos da Uber.

O objetivo da empresa é ter um veículo elétrico de pouso e decolagem na vertical, chamado de eVTOL. As exigências da Uber para o desenvolvimento do táxi aéreo elétrico são:

  • Velocidade de cruzeiro: de 240 km/h a 320 km/h
  • Altitude de cruzeiro: de 300 a 600 metros acima do solo
  • Expectativa de autonomia de bateria por carga: 100 quilômetros
  • Veículo 100% elétrico, com várias fontes de propulsão
  • Cerca de cinco minutos para recarregamento de bateria durante horários de pico
  • Múltiplas hélices para pousos e decolagens. A empresa afirma que isso é uma garantia para a segurança para reduzir ruídos
  • Uma hélice principal na parte traseira para velocidade de cruzeiro.
  • Lugares para quatro passageiros

Infraestrutura ainda é um desafio para o projeto

Durante apresentação na Uber Elevate Summit, o chefe de produtos da empresa revelou também outros desafios que a empresa terá de enfrentar para efetivamente colocar em prática seu projeto de transporte aéreo urbano.

Os veículos em desenvolvimento não serão carros elétricos, que poderiam pousar em qualquer lugar. Para a operação, a Uber pretende criar diversos locais de pouso parecidos com os helipontos presentes no alto dos prédios de grandes cidades.

* O jornalista viajou a convite da Uber

Leia também:

Pesquisa mostra perfil de dono de jatinho: patrimônio médio é de US$ 1,5 bi
O dia em que o piloto deixou o filho brincar na cabine e derrubou um avião
Vídeo mostra aproximação perigosa de drone com avião de passageiros nos EUA