Todos A Bordo

Erros e corrupção transformaram aeroporto alemão em vergonha nacional

Todos a Bordo

Aeroporto de Berlim deveria ter sido inaugurado em outubro de 2011 (Foto: Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

A eficiência em tudo o que produz é uma marca alemã. A obra do novo aeroporto de Berlim, no entanto, tem contrariado essa máxima. Previsto inicialmente para ser inaugurado em outubro de 2011, o novo aeroporto da capital alemã acumula anos de atraso, gastos bem acima do orçamento original e segue sem uma data definida para começar suas operações.

A única certeza é de que haverá pelo menos mais um ano de atraso. A expectativa anterior era de que o aeroporto Berlim-Bradenburgo Willy Brand finalmente fosse aberto neste mês, mas as autoridades já adiaram a inauguração para 2018, sem um mês exato. Foi a sexta vez que a inauguração do aeroporto teve de ser adiada.

Os constantes atrasos têm gerado diversos problemas e prejuízos para a capital alemã. Quando as obras tiveram início em 5 de setembro de 2006, a expectativa era de que o novo aeroporto tivesse um custo total de cerca de 2 bilhões de euros (R$ 7,4 bilhões). Mais de uma década depois, já foram consumidos mais do que o triplo do valor inicial, cerca de 6,5 bilhões de euros (R$ 24 bilhões).

Fachada do novo aeroporto de Berlim (Foto: Divulgação)

Entre os erros de projeto e até suspeitas de corrupção que se acumularam ao longo dos últimos anos, o aeroporto já virou motivo de vergonha nacional. O escândalo custou até mesmo o cargo do ex-prefeito de Berlim Klaus Wowereit, que também exercia a função de presidente do conselho fiscal das obras. Além disso, o governo de Berlim cancelou os contratos com o consórcio responsável pelas obras e contratou novas empresas.

O último problema detectado foi na instalação das portas automáticas de entrada do terminal de passageiros. Durante os testes realizados no início do ano, verificou-se que elas não fechavam direito, o que poderia gerar um grave risco de segurança em caso de incêndio. Assim, cerca de 1.200 portas automáticas estão sendo substituídas.

Além disso, havia problemas também nos detectores de fumaça e outros sistemas de combate a incêndio.

Área interna do terminal de passageiros do novo aeroporto de Berlim (Foto: Divulgação)

Erros desde o início das obras

Os problemas com o aeroporto Berlim-Bradenburgo Willy Brandt começaram logo no início das obras. O projeto inicial teve de ser alterado por questões banais. Primeiro, os administradores queriam ter mais espaço para lojas e restaurantes. Com o avanço das obras, verificou-se que os portões de embarque e desembarque de passageiros e até a quantidade de escadas rolantes eram insuficientes para o tamanho do aeroporto.

O aeroporto também sofria com a má qualidade das obras do estacionamento, falta de áreas de check-in e esteiras de bagagem. Mais de 90 km de cabos tiveram de ser substituídos por problemas na instalação e cerca de 4.000 portas foram numeradas erroneamente.

As mudanças foram feitas e, inicialmente, estava mantida a data de outubro de 2011. Poucos meses antes, no entanto, já era possível prever que o cronograma não seria cumprido, e o aeroporto teve sua inauguração marcada para o dia 3 de junho de 2012.

Dessa vez, tudo parecia seguir corretamente, e o aeroporto já se preparava para a inauguração, inclusive com simulações de funcionamento, como check-in, despacho de bagagem e controle de segurança. Menos de um mês da data prevista para receber o primeiro voo, no entanto, o aeroporto foi reprovado nos testes de combate a incêndio, e abertura foi proibida pelas autoridades locais.

Terminal de passageiros não tinha sistema adequado de combate a incêndios (Foto: Divulgação)

Enquanto eram feitas as alterações exigidas, moradores da região, que já lutavam contra o funcionamento do aeroporto durante a noite, conseguiram uma decisão judicial para obrigar a construção de novas barreiras sonoras.

A Câmara de Vereadores de Berlim chegou a instalar uma comissão de inquérito para apurar as irregularidades. O problema mais grave está no projeto de combate a incêndio, que segue recebendo modificações. Outro problema é em relação à capacidade de passageiros, que estaria abaixo do previsto.

Equipamentos de segurança já estão instalados no novo aeroporto de Berlim (Foto: Divulgação)

Ineficiência alemã

Com os atrasos da obra, Berlim sofre com uma ineficiente estrutura aeroportuária que impede até mesmo o aumento dos voos que servem a capital alemã. Berlim já chegou a ter três aeroportos: Tegel, Schönefeld e Tempelhof. Este último – e mais antigo da cidade – foi desativado em 2008, na expectativa da iminente inauguração do novo aeroporto.

Inaugurado em 1923, o aeroporto de Tegel tem uma estrutura precária e também já deveria estar desativado (a ideia era encerrar as operações no dia da inauguração do novo aeroporto), mas segue em operação para não criar ainda mais problemas para a capital alemã. O novo terminal de Berlim fica ao lado do acanhado aeroporto de Schönefeld e deverá utilizar até mesmo uma de suas pistas, mas a área de passageiros é completamente nova e independente.

Schönefeld também seria desativado com a abertura do aeroporto Berlim-Bradenburgo Willy Brand. Com as incertezas em torno do novo terminal de Berlim, no entanto, o aeroporto de Schönefeld já iniciou um processo de ampliação, e seu fechamento definitivo já é visto como improvável.

Leia também:

Pistas de Guarulhos são alargadas para voos diários do maior avião do mundo

Senado aprova mudança de nome do aeroporto de Congonhas, em São Paulo

Aeroporto de Paris tem mordomia para adulto e criança da classe econômica

Praias, rios, florestas e neve; pilotos escolhem aeroportos mais bonitos