Todos A Bordo

Piloto e copiloto nunca comem a mesma refeição; veja bastidores da aviação

Todos a Bordo

Por Vinícius Casagrande

Na rota mais movimentada da aviação brasileira, a ponte aérea Rio-São Paulo, os aviões têm apenas 30 minutos de intervalo, em média, entre um voo e outro. Somente a Gol, por exemplo, tem 52 voos que levam cerca de 3.800 passageiros diariamente. Para evitar atrasos, toda a preparação do voo deve ser feita com extrema agilidade, especialmente o embarque do serviço de bordo.

Dentro do aeroporto de Congonhas, uma grande cozinha industrial prepara todo o serviço de bordo que será servido aos passageiros que embarcam em São Paulo. Por dia, são cerca de 10 mil lanches – número que inclui todas as companhias e outros destinos além da ponte aérea.

Uma curiosidade: a comida para os tripulantes e pilotos seguem regras diferentes. Como forma de garantir a segurança, os tripulantes recebem uma alimentação diferente dos passageiros. E há sempre mais de uma opção a bordo. É que metade tem de comer um tipo de comida e metade, outro prato. Piloto e copiloto nunca podem ter a mesma refeição.

A medida é uma forma de evitar que, caso alguma falha aconteça e seja servido algum alimento estragado, ainda assim metade dos tripulantes estará em boas condições físicas para continuar o voo em segurança.

A alimentação dos tripulantes, no entanto, não acontece em todos os voos, especialmente no caso da ponte aérea. As refeições são feitas de acordo com o horário da escala de trabalho, podendo ser café da manhã, almoço, lanche da tarde, jantar ou ceia.

Tripulantes recebem alimentação especial durante o voo (Foto: Lucas Lima/UOL)

Atenção especial para a ponte aérea Rio-São Paulo

O serviço para voos entre São Paulo e o Rio de Janeiro, no entanto, recebe atenção especial por ser a rota mais movimentada do aeroporto.

Enquanto nos voos nacionais o cardápio é alterado uma vez por semana, os voos da Gol na ponte área mudam o cardápio a cada dois dias. “Especificamente na ponte aérea, por ser um trecho principalmente voltado ao cliente corporativo, pensamos de modo que um cliente que voe toda semana, no mesmo dia ou horário, só encontre o mesmo produto depois de aproximadamente um mês”, afirma Paulo Miranda, diretor de produtos e experiência do cliente da Gol.

Além disso, são três opções de refeições diárias na Gol, de acordo com o horário do voo:

  • 6h às 9h40: minissanduíches ou bolos caseiros, servidos com café, água, suco ou refrigerante
  • 9h40 às 15h40: Snack integral Tribos ou Mini Cookies Integrais (ambos com ingredientes orgânicos), servidos com café, água, suco ou refrigerante
  • 15h40 até as 23h: wraps, croissant, enroladinhos e mini sanduíches, servidos com café, água, suco ou refrigerante

Para o período da manhã, são quatro variações que se revezam a cada dois dias. Na parte da tarde, o cardápio demora mais para ser repetido, já que a Gol trabalha com seis opções diferentes.

Cozinha de Congonhas prepara 10 mil lanches por dias (Foto: Lucas Lima/UOL)

Preparação dos alimentos

A cozinha do aeroporto de Congonhas é administrada pela empresa IMC (International Meal Company), que atua com a marca RA Catering na prestação do serviço para as companhias aéreas. Além de Congonhas, a empresa também trabalha nos aeroportos de Brasília, Viracopos, Goiânia, Porto Alegre e Confins, em Belo Horizonte. A empresa também é dona de marcas como Frango Assado, Viena, Brunella, Olive Garden, Red Lobster, entre outras.

Os alimentos que serão utilizados no serviço de bordo são abastecidos diariamente na cozinha de Congonhas. Os lanches começam a ser preparados com uma antecedência máxima de seis a oito horas antes do voo. Toda a preparação é feita manualmente por 17 funcionários. As bancadas da cozinha são separadas pelo tipo de lanche e por companhia aérea.

Depois de prontos, os lanches são embalados e colocados nos trolleys, os carrinhos utilizados pelos comissários de bordo. Enquanto aguardam o embarque no voo, os trolleys ficam armazenados em uma câmara refrigerada a uma temperatura controlada de 5º C. Os funcionários que circulam por essa área utilizam até mesmo um grande casaco de neve para não sofrer com o frio.

Alimentos saem da cozinha cerca de 40 minutos antes dos voos (Foto: Lucas Lima/UOL)

Hora do embarque

A preparação efetiva para o embarque do serviço de bordo no voo começa cerca de uma hora antes da decolagem. A equipe da empresa de catering recebe da companhia aérea a quantidade de passageiros confirmados no voo.

Em cada voo, a quantidade de lanches deve ser exatamente a mesma do número de passageiros. Caso alguém não queira o serviço de bordo, o alimento é descartado no aeroporto de destino, de acordo com as regras de segurança alimentar.

Com os trolleys com a quantidade exata de refeições necessárias, eles são colocados nos caminhões que farão o abastecimento no avião. Entre retirar o que sobrou do voo anterior e abastecer com os produtos novos, todo o processo dura entre 10 e 15 minutos.

Segurança operacional

Para realizar esse tipo de trabalho, os funcionários precisam ser aprovados em pelo menos quatro cursos regulamentados pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil). Todos são relacionados a segurança, direção defensiva e regras de locomoção na área de manobras dos aviões.

Os funcionários e a própria empresa também são inspecionados regularmente para evitar o risco de embarque de algum produto não permitido nos aviões. Para entrar na cozinha, por exemplo, é preciso passar antes por um detector de metais. Pulseira, brincos e até aliança precisam ser retirados.

A empresa, por sua vez, precisa ter um controle rigoroso dos objetos perfurantes, como garfos, facas, ferramentas e outros itens que possam ser utilizados a bordo como ameaça. A empresa mantém a relação de todos esses objetos, que são conferidos periodicamente por agentes de segurança.

Leia também:

Nova asa e motor vão permitir que Gol faça voo de SP a Miami sem escala

Congonhas é o aeroporto com mais conexões de voos da A. Latina, diz ranking

Aeroporto de Paris tem mordomia para adulto e criança da classe econômica