Todos A Bordo

Chateado com cobrança de mala? Aéreas de fora taxam até check-in presencial

Todos a Bordo

Ryanair cobra pela mudança no nome e por check-in no aeroporto (Foto: Vinícius Casagrande)

Ryanair cobra pela mudança no nome e por check-in no aeroporto (Foto: Vinícius Casagrande/UOL)

Por Vinícius Casagrande

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) aprovou nesta semana as novas Condições Gerais do Transporte Aéreo e criou polêmica ao permitir que as companhias aéreas cobrem pelo despacho do bagagem. No entanto, a prática já é bastante comum, principalmente, nos Estados Unidos e na Europa.

Mais do que a taxa de bagagens, muitas companhias, especialmente as de baixo custo, cobram outras tarifas para serviços triviais, como marcação de assentos, impressão do cartão de embarque, fila do raio-x, correção do nome e pagamento com cartão de crédito.

Bagagem de mão

No mês passado, a companhia aérea norte-americana United Airlines anunciou a criação de uma nova classe tarifária chamada econômica básica. Os passageiros que optarem pelo bilhete mais barato não terão direito nem mesmo a utilizar o compartimento de bagagens acima dos assentos.

Com isso, poderão levar a bordo somente uma pequena bolsa ou mochila, que caiba embaixo da poltrona. Além disso, serão os últimos a embarcar no avião, não receberão milhas no programa de fidelidade da companhia e os assentos serão marcados, aleatoriamente, no momento do check-in.

Marcação de assentos

Em diversas empresas ao redor do mundo, caso o passageiro queira marcar seu assento com antecedência, é necessário pagar uma taxa extra. Não são apenas as empresas de baixo custo que adotam essa prática.

A British Airways, por exemplo, afirma em seu site que “a escolha do lugar pode ser grátis ou ter custos suplementares, dependendo de uma série de fatores, incluindo o tipo de bilhete que compra, a classe de viagem e as circunstâncias pessoais”.

Na classe econômica, o valor para reserva antecipada de assento pode variar de £ 7 (R$ 29,60) nos voos dentro da Europa a até £ 50 (R$ 211,40) para poltronas com mais espaço na saída de emergência dos voos internacionais de longa distância.

Embarque prioritário

Na Europa, com a cobrança pelo despacho de bagagem, a grande maioria dos passageiros viaja apenas com a mala de mão. Para garantir espaço dentro da aeronave, as filas de embarque costumam ser formadas com bastante antecedência.

Caso o passageiro queira embarcar primeiro sem ter de ficar parado na fila, é possível comprar o embarque prioritário. Na Ryanair, por exemplo, a taxa é de 5 (R$ 17,75) por passageiro.

Fura-fila no raio-x

Outra consequência do excesso de bagagem de mão dos passageiros é que as filas do raio-x também costumam ser bem mais lentas. No entanto, diversos aeroportos contam com o Fast Track, uma espécie de fura-fila, destinado somente a passageiros que adquiriram o benefício.

O acesso a essa área privilegiada e com menos filas pode estar incluído nas tarifas mais caras ou ser adquirido separadamente. O valor cobrado depende da companhia aérea e do aeroporto de embarque. Para passar mais rápido no raio-x do aeroporto de Barcelona, na Espanha, a Ryanair cobra 3,5 por passageiro (R$ 12,40).

Check-in no aeroporto

Algumas companhias de baixo custo podem cobrar caso o passageiro não realize o check-in pela internet. Essa é uma forma das empresas reduzirem os custos dentro dos aeroportos.

Na Ryanair, por exemplo, caso o passageiro faça o check-in somente no balcão da empresa no aeroporto, é cobrado um valor de 45 (R$ 160). Se o check-in foi realizado, mas há a necessidade de reimprimir o cartão de embarque, a empresa cobra uma taxa de 15 (R$ 53,30).

Taxa de cartão de crédito

Em algumas companhias aéreas, o pagamento com cartão de crédito conta com uma taxa extra. No caso da espanhola Vueling, por exemplo, o valor cobrado é de 3% sobre o preço total da tarifa. A Ryanair cobra 2% e a EasyJet tem taxa de 1%.

Tarifa de acordo com o peso da pessoa

De todas as taxas cobradas pelas companhias aéreas, uma das mais polêmicas foi adotada pela Samoa Air. Em 2013, a empresa foi pioneira a cobrar pelo peso dos passageiros e das malas que eles levavam.

A lógica da empresa está relacionada ao consumo de combustível dos aviões. Quanto mais pesado o avião, maior o gasto de combustível. Até agora, no entanto, nenhuma outra companhia aérea se aventurou em tomar a mesma medida.

Correção da grafia do nome

Se na hora de comprar uma passagem, o consumidor digitar o nome com algum erro de grafia, muitas companhias aéreas costumam cobrar altos valores para fazer a correção no sistema da empresa. Em muitos casos, o valor cobrado é tão alto que é melhor comprar uma nova passagem.

Na Ryanair, por exemplo, para os passageiros que compram passagens promocionais o valor mudança de nome é de 160 (R$ 568). A mudança só pode ser feita gratuitamente até 24 horas após a compra da passagem.

No Brasil, as novas normas aprovadas na terça-feira (13) pela Anac garantem que a correção do nome é feita gratuitamente até o momento do check-in nos voos nacionais. No caso de erro no nome em voo internacional interline (prestado por mais de uma empresa aérea), os custos da correção poderão ser repassados ao passageiro.

Leia também: