PUBLICIDADE
IPCA
1,16 Set.2021
Topo

Todos a Bordo

De patinete com hélice a disco voador, aeronaves parecem ser de ficção

Todos a Bordo

04/06/2016 06h00

Ao longo dos anos, as formas dos aviões ficaram cada vez mais diferentes. Dos dirigíveis aos caças, muito coisa mudou. Alguns modelos eram (e alguns ainda são) tão inusitados, que é difícil acreditar que podem voar. Imagine uma espécie de patinete aéreo ou um avião em formato de disco voador. Veja, alguns modelos que, de tão excêntricos, parecem ter saído de filmes de ficção científica:

Aerocycle

Imagem: Wikipedia/Creative Commons

Imagem: Wikipedia/Creative Commons

Uma plataforma de voo chamada Aerocycle foi encomendada pelo exército dos Estados Unidos para servir de ferramenta de reconhecimento de território. A invenção, que mais parecia um patinete com hélices, podia chegar a uma velocidade de mais de 100 km/h. O treinamento para pilotar o Aerocycle durava apenas 20 minutos e o primeiro teste foi feito em 1955. No entanto, a plataforma se mostrou muito propensa a acidentes durante os primeiros voos de teste e o projeto foi abandonado.

Avro Canada VZ-9 Avrocar

Imagem: Reprodução/Museum of Flight

Imagem: Reprodução/Museum of Flight

Embora pareça um disco voador, o Avrocar era um caça-bombardeiro desenvolvido pelo governo canadense no início da década de 1950. O caça decolava verticalmente, como os helicópteros. Para isso, os motores a jato produziam um impulso para baixo, criando uma especie de "almofada de ar" sobre a qual a aeronave deveria flutuar em baixa altitude. Quando o impulso era dirigido para a parte traseira, a aeronave aceleraria e ganharia altitude. Por falta de verbas, o projeto foi transferido para o Exército dos Estados Unidos, que desenvolveu dois protótipos do modelo, mas o avião mostrou-se instável nos testes aerodinâmicos. O projeto foi cancelado em 1961.

Vought V-173, o avião-panqueca

Imagem: Reprodução/Domínio Público

Imagem: Reprodução/Domínio Público

Apelidado de "avião-panqueca", o Vought V-173 foi projetado para decolar a partir de petroleiros e navios durante a Segunda Guerra como estratégia de defesa contra ataques japoneses. As mais de 130 horas de teste mostravam que ele era capaz de sobreviver a vários pousos forçados sem danos graves para a aeronave ou para o piloto.

McDonnell XF-85 Goblin

Imagem: Reprodução/US AirForce

Imagem: Reprodução/US AirForce

O menor avião de caça já construído, O McDonnell XF-85 Goblin, foi projetado pelo Exército dos Estados Unidos no final da Segunda Guerra Mundial. A ideia é que ele poderia ser acoplado em outro avião com o objetivo de "defender" a aeronave maior. Para isso, o avião deveria ser extremamente compacto. O McDonnell XF-85 tinha pouco menos de 5m de comprimento, 2,5m de altura e uma envergadura de 6,4m. Seu peso era de 2,5 toneladas. Apesar dos testes de voo do modelo terem sido positivos, o programa foi cancelado ainda quando o avião era apenas um protótipo. O motivo, segundo os desenvolvedores, é que o desempenho do McDonnell XF-85 era inferior à dos caças que teria que combater.

Aero Spacelines B377PG Guppy

Imagem: Reprodução/Nasa

Imagem: Reprodução/Nasa

Construído para transportar cargas de grandes dimensões para o programa Apollo, da Nasa, o enorme avião foi testado pela primeira vez em 1962. O gigante pesava mais de 41 toneladas e tinha quase 39 metros de comprimento. Foi usado principalmente para transportar peças de foguete. O Aero Spacelines B377PG Guppy ganhou outras versões (tão estranhos quanto ele).

Bartini Beriev VVA-14, o avião anfíbio

Imagem: Reprodução/Wikipedia

Imagem: Reprodução/Wikipedia

Durante a Guerra Fria (1945 a 1989), a antiga União Soviética encomendou uma espécie de avião anfíbio que serviria como defesa contra os submarinos nucleares dos Estados Unidos. O Bartini Beriev VVA-14 era capaz de decolar a partir da água e atingir altas velocidades. Um de seus trunfos era poder "deslizar" sobre a superfície da água enquanto detectava alvos submarinos. Apenas dois protótipos foram construídos e o projeto acabou não sendo levado adiante.

Lockheed XFV (Salmão)

Imagem: Reprodução/Wikipedia

Imagem: Reprodução/Wikipedia

O Lockheed XFV foi um avião experimental construído no início da década de 1950 para mostrar o funcionamento de decolagem e pouso vertical. O avião surgiu a partir de uma proposta da Marinha dos Estados Unidos para criar uma aeronave capaz de decolar e pousar verticalmente, o que reduziria os custos para montar plataformas nos navios de guerra. No entanto, os testes mostraram que a criação (que tinha 10m de altura) não respondia bem ao pouso vertical. O único protótipo acabou indo para um museu na Califórnia.

Douglas X-3 Stiletto

Imagem: reprodução/Nasa

Imagem: reprodução/Nasa

O modelo experimental foi construído em 1952, também pela Força Aérea Americana. Ele aprensentava uma fuselagem estreita, pequenas asas e um longo nariz, sendo considerado um dos aviões mais elegantes da época. O avião foi criado para investigar como deveria ser a aerodinâmica das aeronaves para atingir velocidades supersônicas. A ideia é que o Stiletto chegasse a mais de 3.000km/h, mas o objetivo nunca foi atingido. Apenas um exemplar foi construído.

Leia também: 

Airbus quer avião feito em impressora e hangar com robô e realidade virtual

Feira tem avião impresso em 3D, jato do Iron Maiden e caças militares

3.000 figurantes fingem viagem de avião para testar embarque do Galeão

Turbina, porta e roda usada de avião viram poltrona, mesa e relógio de luxo

Depois de banheiro, outra empresa planeja avião com interior autolimpante

Sobre o blog

Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra notícias sobre aviões, helicópteros, viagens, passagens, companhias aéreas e curiosidades sobre a fascinante experiência de voar.