Todos A Bordo

Saiba o que as companhias aéreas fazem para ajudar quem tem medo de voar

Todos a Bordo

photo_3463_20070930Para muitas pessoas, viajar de avião pode ser um pesadelo. Há quem perca a oportunidade de conhecer um lugar novo, de visitar um amigo ou familiar que mora longe ou até deixe de comparecer a um compromisso de trabalho devido ao pavor de entrar em um avião. Algumas companhias aéreas estrangeiras reconheceram a necessidade de ajudar esse público e atrai-lo para seus voos uma vez que a fobia for superada. Essas empresas desenvolveram cursos que combinam informações de tripulantes e psicólogos para ajudar o passageiro a controlar o medo. Os cursos são pagos e geralmente incluem um voo de experiência no encerramento.

Algumas empresas, diante da alta demanda, aumentaram o número de cursos oferecidos. A British Airways passou a oferecer palestras também em Nova York, Dubai e Johanesburgo. Para os brasileiros que enfrentam esse problema, a notícia não é muito boa. Nenhuma das principais companhias aéreas do país possui programas especificamente desenvolvidos para quem tem medo de avião.

Conheça alguns dos serviços disponibilizados por companhias aéreas para quem quer combater a fobia:

British Airways (link encurtado http://zip.net/bsr2r3) – A companhia afirma que o curso pode ajudar quem tem desde uma ansiedade moderada em relação a viagens aéreas até quem não pode nem olhar para um avião sem sentir medo. O curso de um dia é ministrado por pilotos e tripulantes da aérea, com o apoio de um psicólogo. A programação é encerrada com um voo de 45 minutos de duração. Em seu site, a British Airways divulga um trecho de uma entrevista da atriz Jennifer Aniston em que ela conta como um vídeo sobre o programa a ajudou a controlar o pânico, principalmente ao ressaltar que turbulências são normais.

Os cursos podem ser feitos nos aeroportos de Heathrow e Gatwick, em Londres (Inglaterra), Dublin (Irlanda), Edimburgo e Glasgow (Escócia) e também em Dubai, nos Emirados Árabes, Johanesburgo, na África do Sul, e Nova York, nos Estados Unidos (nos três últimos o voo de encerramento não está incluído). Os preços variam de acordo com a localidade. Em Heathrow, por exemplo, custa 309 libras (R$ 1.800). É possível levar um acompanhante no voo pagando um valor adicional.

Também é possível optar por um atendimento individual ou um curso com número reduzido de participantes (cerca de quatro pessoas). Há ainda um programa para crianças de 7 a 11 anos e outro para jovens de 11 a 17 anos. A empresa afirma ter auxiliado mais de 45 mil pessoas nos últimos 25 anos.

Virgin Atlantic – A companhia começou a ministrar cursos em 1997 e já deu palestras até para celebridades como Whoopi Goldberg. Em um depoimento para o site do programa, a atriz conta que ficou 13 anos sem voar até acompanhar o curso.

Os seminários em grupo são realizados em um único dia, com duração aproximada de 8 a 10 horas. Neste período, algumas perguntas respondidas por funcionários da empresa são: Como um avião voa? Por que a turbulência é totalmente segura? O que são todos os barulhos a bordo? O que os pilotos fariam se houvesse uma falha no motor? O que as companhias aéreas estão fazendo a respeito do terrorismo?

Os participantes também recebem informações sobre o treinamento de comissários e dicas de terapeutas sobre como reconhecer o medo e como controlá-lo. A programação termina com um voo curto no qual um piloto comenta o que acontece em cada estágio, da decolagem a aterrissagem.

O curso de período integral custa 267 libras (cerca de R$ 1.600). Há também uma opção de meio período, que não inclui o voo, e sai por 150 libras (R$ 900). Outra alternativa é o curso para viajantes de 6 a 14 anos – a companhia recomenda que a criança seja acompanhada por um adulto que não tenha medo de voar, para não interferir no programa. “Por favor, envolva a criança na decisão”, ressalta a aérea, alertando os pais a não forçarem os filhos a fazerem o curso.

EasyJet A companhia aérea lembra logo na página de apresentação de seu programa que quem tem medo de voar não está sozinho. “Estima-se que 1 em 6 pessoas tem medo de voar.” Pode ser apenas uma dificuldade de relaxar durante o voo ou mesmo a impossibilidade completa de viajar de avião. A empresa britânica lembra ainda que o medo de voar pode se manifestar de várias formas: o medo de não estar no controle da situação, o medo de altura, o medo de lugares fechados ou o medo de ter um ataque de pânico durante o voo. A EasyJet afirma que as técnicas ensinadas durante o programa podem ser usadas em vários aspectos da vida do passageiro.

Na primeira parte do curso, são dadas as explicações teóricas sobre como um avião voa. A segunda etapa é o voo de experiência, realizado sempre em um dia diferente da parte inicial para evitar que o participante perca o foco durante as explicações devido à preocupação com o voo posterior. O curso custa 189 libras (R$ 1.100 aproximadamente). No site é possível baixar uma cartilha com informações sobre o medo de voar e como controlá-lo.

Air France – A principal diferença do programa oferecido pela companhia francesa em comparação com os normalmente encontrados nas empresas é que a Air France opta por um simulador no lugar de um voo de experiência, para encenar algumas situações que podem ocorrer em um voo real, como arremetidas. Ao se inscrever, o viajante preenche um questionário que vai ajudar a identificar a natureza da fobia. Haverá então um encontro individual com um psicólogo do “centro antiestresse” que determinará uma estratégia personalizada para combater a fobia.

A sessão de informação é liderada por comissários, que vão explicar suas atribuições para ajudar na segurança do voo, e pilotos, que vão discutir a mecânica do voo. No simulador, a ideia é vivenciar condições de voo como turbulências e procedimentos de emergência. Depois do programa, as tripulações da Air France passarão a ser informadas sobre a presença dos participantes nos voos para que possam oferecer uma atenção personalizada.

O curso é realizado no centro de treinamento de pilotos da companhia, no aeroporto Charles de Gaulle, em Paris. O preço é 650 euros (R$ 2.800).

Lufthansa (link encurtado: http://zip.net/bnr2jt) – Na página sobre o programa, a empresa alemã já dá algumas dicas sobre como lidar com a fobia: tentar estar o mais descansado possível antes do voo; chegar ao aeroporto com a antecedência necessária para se familiarizar com o ambiente e a situação; manter a mente ocupada durante o voo conversando com acompanhantes, com outros passageiros, ouvindo música, lendo; durante o voo, beber água e evitar bebidas alcoólicas ou com cafeína; praticar técnicas de relaxamento; só usar tranquilizantes com indicação médica.

Os seminários em grupo oferecidos pela companhia duram dois dias e custam 790 euros (R$ 3.400). No primeiro dia, ocorrem as conversas com psicólogos e com tripulantes da Lufthansa e uma visita a um avião. No segundo dia, são apresentadas estratégias psicológicas e exercícios práticos para lidar com a ansiedade e é realizado um voo na companhia de psicólogos. Quem já participou do seminário, mas ainda precisa de assistência, pode recorrer ao serviço de acompanhamento, para atualizar seus conhecimentos sobre voos. Também é possível contratar um seminário individual. Uma agência terceirizada cuida do programa em parceria com a Lufthansa há mais de 30 anos. Os seminários são realizados em aeroportos na Alemanha e também na Itália.