companhias aéreas – Todos A Bordo http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br Todos a Bordo é o blog de aviação do UOL. Aqui você encontra as últimas informações, análises e notícias sobre o movimentado mundo das companhias aéreas, das fabricantes de aviões e de empresas aeroportuárias. Sat, 24 Feb 2018 07:00:31 +0000 pt-BR hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.2 O caminho de um avião 0 km do interior de SP até Amsterdã http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/24/o-caminho-de-um-aviao-0-km-do-interior-de-sp-ate-amsterda/ http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/24/o-caminho-de-um-aviao-0-km-do-interior-de-sp-ate-amsterda/#respond Sat, 24 Feb 2018 07:00:31 +0000 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/?p=6932

Avião Embraer 175 na fábrica de São José dos Campos (Vinícius Casagrande/UOL)

Por Vinícius Casagrande

Quem compra um carro novo precisa esperar pouco mais de uma semana para sair dirigindo da concessionária. É o tempo necessário para uma última revisão do veículo e o emplacamento no Detran. No dia da retirada, basta assinar alguns documentos, receber instruções sobre o veículo e pronto.

Já as companhias aéreas enfrentam um processo bem mais complexo para comprar um avião novo. Somente o processo de escolha do modelo pode demorar mais de um ano. Quando vai introduzir um novo tipo de aeronave à sua frota, a companhia aérea avalia as opções de diversos fabricantes.

São levados em conta aspectos como adequação às rotas da empresa, custos operacionais, manutenção, treinamento da tripulação, capacidade de carga e conforto do passageiro. “Fazemos vários voos de demonstração e os executivos preenchem um questionário sobre vários pontos e características do avião”, afirma Hans Werner, vice-presidente de serviços técnicos e desenvolvimento de frota da KLM.

Leia também:

Embraer quer turboélice para liderar todo o mercado de até 150 passageiros

Como os pilotos sabem se o avião está baixo ou alto na hora de pousar?

No começo da aviação, cocô e xixi eram jogados no ar; e agora como é?

Com a decisão tomada, ainda pode levar alguns anos para a empresa receber todos os aviões que comprou. A companhia aérea holandesa KLM, por exemplo, optou pelos jatos E175 e E190, da Embraer, há mais de dez anos.

De um pedido total de 49 aviões, a empresa já recebeu 45 deles – os dois mais novos foram entregues na semana passada na fábrica de São José dos Campos, no interior de São Paulo, sendo um E190 e um E175. A empresa deve receber os quatro últimos aviões do pedido até abril.

Pilotos e mecânicos fazem testes em voo e no solo antes de receber um avião novo (Divulgação)

Vistoria do avião dura três dias

Quando o avião fica pronto na fábrica, a companhia aérea envia pelo menos seis pessoas para fazer a liberação da aeronave e levá-la para a sede da empresa. No caso da KLM, foram dois pilotos, dois mecânicos, uma pessoa responsável por analisar toda a documentação no Brasil e outra para fazer o registro do avião junto às autoridades holandesas.

Além da parte burocrática, os pilotos e mecânicos também fazem diversas avaliações para garantir a qualidade do avião. No primeiro dia de testes, a nova aeronave faz um voo de cerca de duas horas para os pilotos verificarem os comandos de voo. Depois do pouso, os mecânicos fazem uma avaliação dos motores do avião.

No segundo dia, o avião passar por mais testes. No solo, a aeronave é erguida por macacos hidráulicos. Com o avião suspenso, os mecânicos fazem diversos testes nos trens de pouso, comandos das asas e estabilizadores.

O último dia é destinado a avaliar a condição de toda a fuselagem do avião, incluindo detalhes da pintura. Se algum problema for encontrado, a aeronave é enviada de volta ao hangar para reparo do problema.

Somente depois que o novo avião é aprovado pelos pilotos e mecânicos, a companhia aérea faz o pagamento final. Um Embraer 190, por exemplo, custa cerca de US$ 50 milhões (R$ 162 milhões). Com o pagamento confirmado, o avião passa a exibir a matrícula (letras de registro, como a placa do carro) do país de origem da companhia aérea.

Cerimônia oficial de entrega de um novo avião na fábrica da Embraer (Vinícius Casagrande/UOL)

De São José dos Campos para Amsterdã

Os novos aviões da KLM decolaram na manhã da última sexta-feira (23) da fábrica da Embraer em São José dos Campos (SP) com destino a Amsterdã, na Holanda. Com não têm autonomia para fazer um voo direto, as aeronaves precisam fazer de duas a três paradas para reabastecimento.

O Embraer 190 faz o primeiro pouso em Recife (PE). Além de reabastecer o avião, pilotos, mecânicos e eventuais convidados também fazem todo o processo alfandegário de saída do país. De Recife, o avião viaja até Tenerife, nas Ilhas Canárias, já em território espanhol. Tripulação e convidados passam a noite em Tenerife e somente no dia seguinte fazem a última perna da viagem, até Amsterdã.

Como o Embraer 175 tem autonomia menor, é necessário fazer uma parada a mais. Assim, o avião sai de São José dos Campos, passa por Recife e depois segue para a Ilha do Sal, em Cabo Verde. No dia seguinte, o avião voa até Faro, em Portugal, para o último reabastecimento, antes de seguir até Amsterdã.

Quando chega à sede da companhia aérea, o avião passa por uma mais inspeção técnica antes de começar a realizar os voos regulares pela empresa.

Leia também:

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

Nordeste terá 50% mais de voos internacionais, para Argentina, EUA e Europa

Não é só Embraer. Conheça outras fabricantes brasileiras de aviões

]]>
0
Iam de 1ª classe “gravar clipe”, mas aérea desconfiou de tráfico de menina http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/19/agente-suspeita-de-trafico-de-pessoas-e-barra-2-adolescentes-em-voo-nos-eua/ http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/19/agente-suspeita-de-trafico-de-pessoas-e-barra-2-adolescentes-em-voo-nos-eua/#comments Mon, 19 Feb 2018 18:27:32 +0000 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/?p=6889

A funcionária Denice Miracle e o policial Tood Sanderson suspeitaram do caso (Divulgação)

Uma funcionária de check-in da companhia aérea American Airlines impediu o embarque de duas adolescentes, de 15 e 17 anos, em um voo de Sacramento, na Califórnia, para Nova York, nos Estados Unidos, após desconfiar que elas poderiam ser vítimas de tráfico de pessoas para exploração sexual. O caso aconteceu no último verão dos Estados Unidos (meio do ano passado), mas só foi divulgado agora pela companhia aérea.

As adolescentes viajavam sozinhas, sem qualquer documento (o que não é permitido para embarcar), com passagem só de ida na primeira classe e pouca bagagem. O bilhete havia sido comprado por um homem, utilizando um cartão de crédito fraudulento. “Um alerta vermelho foi acionado imediatamente”, afirmou a American Airlines em comunicado.

“Elas tinham várias sacolas pequenas. Pareceu para mim que elas estavam fugindo de casa. Elas se olhavam como se estivessem com medo e ansiosas. Tive a sensação de que alguma coisa simplesmente não estava certa”, afirmou no comunicado a funcionária Denice Miracle, que atendeu as adolescentes no balcão de check-in.

Leia também:

Após extravio de criança, entenda regras para voos de menor desacompanhado

Como uma aeromoça pode ajudar a salvar elefantes, pássaros e tartarugas?

Vai viajar de avião? Veja seus direitos em caso de atraso ou cancelamento

Com a suspeita de que havia algo de errado, Denice acionou a polícia de Sacramento. Aos policiais, as meninas disseram que haviam conhecido um homem pela rede social Instagram identificado apenas como Drey.

O homem as convidou para um final de semana em Nova York e ofereceu US$ 2.000 (R$ 6.460) para um trabalho de modelo e participação em um videoclipe de música.

As meninas confirmaram que foram ao aeroporto sem o conhecimento dos pais e teriam ficado chocadas quando os policiais disseram que elas tinham apenas passagem de ida para Nova York, o que aumentou as suspeitas de que elas estavam sendo vítimas de um golpe.

Após terem sido impedidas de fazer o check-in, as meninas ligaram para Drey para avisar que não poderiam embarcar no voo. Depois desse contato, o homem não atendeu mais as ligações das adolescentes e apagou seu perfil na rede social.

“Na minha opinião, o que iria acontecer é que elas iriam para Nova York e se tornariam vítimas de tráfico sexual. Elas disseram que não deixariam isso acontecer, e eu disse que provavelmente elas não teriam escolha”, afirmou o xerife Todd Sanderson, que atendeu a ocorrência, à rede de TV Fox News.

Os policiais levaram as adolescentes de volta para casa e informaram os pais sobre a suspeita de que as meninas seriam vítimas de uma tentativa de tráfico humano. A polícia não divulgou novas informações sobre as investigações do caso.

“Estamos orgulhosos da Denice e como ela colocou em prática seu treinamento para salvar essas duas meninas. Ela é a prova do papel crítico que os membros da nossa equipe de frente enfrentam todos os dias na operação e como isso afeta a vidas das pessoas com quem eles entram em contato”, afirmou em comunicado a gerente-geral da American Airlines no aeroporto de Sacramento, Aleka Turner.

Leia também:

Incidentes causados por passageiro de avião diminuem, mas ficam mais graves

Aeroportos e aéreas brasileiras caem em ranking de pontualidade

Avião perde parte do motor em pleno voo nos EUA e consegue pousar; assista

]]>
9
Nordeste terá 50% mais de voos internacionais, para Argentina, EUA e Europa http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/18/novos-voos-internacionais-nordeste-argentina-eua-europa/ http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/18/novos-voos-internacionais-nordeste-argentina-eua-europa/#comments Sun, 18 Feb 2018 07:00:50 +0000 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/?p=6882

Serão mais 35 voos internacionais por semana a partir do Nordeste em 2018 (Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

A região Nordeste do Brasil tem atraído a atenção das companhias aéreas como uma nova ligação para voos internacionais. Em 2018, os voos para o exterior com saídas a partir de cidades do Nordeste devem ter um aumento de 50%.

Segundo dados da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), atualmente há 70 voos regulares internacionais por semana a partir de aeroportos da região. Para 2018, está prevista a criação de pelo menos mais 35 novos voos regulares, o que elevaria para 105 decolagens semanais rumo ao exterior. Os dados não consideram voos temporários ou de fretamento.

O crescimento será feito por companhias aéreas que já operam voos internacionais na região. Atualmente, 11 empresas têm voos para o exterior a partir do Nordeste. Em 2018, o número passará para 13. A região também ganhará dois novos destinos internacionais: Fort Lauderdale, nos Estados Unidos, e Rosário, na Argentina.

Todos os novos voos sairão de Fortaleza (CE), Recife (PE) ou Salvador (BA), cidades que já contam com voos internacionais. Além delas, outras cinco cidades do Nordeste também têm voos para exterior, mas que devem permanecer com as mesmas operações atuais. São elas: Aracaju (SE), João Pessoa (PB), Maceió (AL), Natal (RN) e Porto Seguro (BA).

Leia também:

Avião perde parte do motor em pleno voo nos EUA e consegue pousar; assista

Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica

Vai viajar de avião? Veja seus direitos em caso de atraso ou cancelamento

KLM terá três voos semanais entre Fortaleza e Amsterdã (Divulgação)

Fortaleza é campeã de novos voos

Fortaleza é a principal responsável pelo aumento dos voos internacionais no Nordeste. Somente a capital cearense tem prevista a estreia de 24 voos por semana. O crescimento internacional de Fortaleza começou quando o grupo Air France-KLM anunciou o início de novos voos para Paris, na França, e Amsterdã, na Holanda.

A ideia inicial era que fossem três voos semanais entre Fortaleza e Amsterdã e dois entre Fortaleza e Paris. Após o início das vendas dos bilhetes, o grupo decidiu incluir um terceiro voo para Paris. Nos voos para a capital francesa, o grupo Air France-KLM irá utilizar aviões de sua nova companhia aérea, a Joon, criada no ano passado.

Uma passagem entre Fortaleza e Paris em voos diretos, com ida dia 13 de maio e volta dia 20 de maio, custa R$ 3.027. Se a mesma viagem fosse feita com conexão em São Paulo ou Rio de Janeiro, o valor subiria para R$ 3.988.

Na rota entre Fortaleza e Amsterdã em voos diretos, com ida de 10 de maio e volta dia 19 de maio, a passagem custa R$ 2.489. Em voos com conexão em São Paulo ou no Rio de Janeiro, a viagem subiria para R$ 3.932.

Novo Boeing 737 MAX terá autonomia para voar de Fortaleza a Miami sem escala (Foto: Divulgação/Gol)

Parceira do grupo franco-holandês, a brasileira Gol reforçou suas operações em Fortaleza para facilitar a conexão de passageiros. “A Gol vai aumentar sua oferta na região e oferecer mais de 60 mil novos assentos por mês de e para a cidade, com um incremento de 35% da oferta de assentos”, afirma Celso Ferrer, vice-presidente de planejamento da Gol.

Aproveitando a presença maior na capital cearense, a Gol escolheu a cidade para retomar os voos para os Estados Unidos. A companhia terá um voo diário entre Fortaleza e Orlando e outro voo diário entre Fortaleza e Miami. No total, serão 14 voos semanais a partir de novembro. A empresa também terá voos para Miami e Orlando a partir de Brasília (DF).

O voo direto da Gol entre Fortaleza e Miami, com ida dia 4 de novembro (voo inaugural) e volta dia 11 de novembro, custa R$ 2.122,98. Na rota entre Fortaleza e Orlando, nas mesmas datas, a passagem custa R$ 2.219,62.

“Fortaleza possui localização privilegiada, facilitando as possibilidades de conexões rápidas e eficientes com os demais destinos. O potencial de desenvolvimento do seu aeroporto, economia e turismo também contribuem para o aumento das operações no Estado. Todos estes benefícios foram decisivos para a escolha de Fortaleza como sede do hub em parceria com a Air France KLM”, afirma o vice-presidente da Gol.

Latam terá novos voos a partir de Fortaleza, Recife e Salvador (Foto: Divulgação)

Latam entra na disputa em Fortaleza

Em resposta às inciativas da parceria da Gol com o grupo Air France-KLM em Fortaleza, a Latam anunciou a criação de dois novos voos semanais entre Fortaleza e Orlando e o aumento de um para dois voos semanais na rota entre Fortaleza e Miami.

Durante o anúncio, o CEO da Latam, Jerome Cadier, aproveitou para cutucar a rival. Na ocasião, a Gol ainda não havia anunciado seus voos próprios para os Estados Unidos. “O Nordeste precisa ser mais do que um simples ponto de conexão com empresas parceiras de outros continentes. Com voos diretos próprios, vamos aproximar ainda mais a região de outros destinos no mundo”, disse na época.

Além de Fortaleza, a Latam criou um voo semanal entre Salvador e Miami, aumentou a frequência na rota entre Recife e Miami e transformou de temporário para definitivo o voo semanal entre Salvador e Buenos Aires, na Argentina.

Para viagens entre Recife e Miami em maio, a passagem custa R$ 1.767. Na rota entre Fortaleza e Orlando, no voo inaugural direto de 5 de julho, a passagem de ida e volta sai por R$ 3.722. No trecho entre Salvador e Miami, a passagem de ida no dia 29 de abril (voo inaugural) e volta em 6 de maio, a passagem custa R$ 1.763.

A Latam já teve planos de criar um hub (centro de distribuição de voos no Nordeste). No entanto, a crise econômica brasileira fez a companhia congelar esse projeto, que segue sem data para ser implementado. “A companhia entende que um verdadeiro hub demandaria um mercado aquecido e sustentável no longo prazo que justifique a criação de uma base de voos e alocação de frota na região”, afirma a empresa em nota.

Azul reforça operação internacional em Recife (Divulgação)

Azul terá mais um destino nos Estados Unidos

A Azul passará a voar a partir de Recife para Fort Lauderdale, na região de Miami. Serão dois voos semanais a partir de maio, ganhando uma terceira frequência por semana em junho. Atualmente, a companhia já conta com quatro voos semanais entre Recife e Orlando.

Segundo a empresa, os voos de Recife para os Estados Unidos permitirão uma rápida conexão para os passageiros que saem de Salvador, João Pessoa, Maceió, Natal, Fortaleza, Aracaju e Rio de Janeiro. Os voos diretos com ida dia 13 de maio e volta dia 19 de maio custa R$ 2.070.

A companhia aérea também terá voos para dois novos destinos na Argentina a partir da capital pernambucana. Os voos saindo de Recife para as cidades de Rosário e Córdoba serão uma vez por semana.

“Nossa malha no Recife vem crescendo a cada dia, permitindo que a companhia ofereça conexões rápidas e convenientes para vários destinos no país e no mundo”, afirma John Rodgerson, presidente da Azul.

Copa Airlines terá novos voos entre Panamá e Fortaleza e Recife (Divulgação)

Copa terá voos do Panamá para Fortaleza e Salvador

A companhia aérea panamenha Copa Airlines, que já voa para sete cidades brasileiras, também deve reforçar sua presença no Nordeste. A empresa já tem dois voos semanais entre Recife e Cidade do Panamá. A partir de julho, serão mais dois voos por semana entre o Panamá e Fortaleza e outros dois voos do Panamá para Salvador.

A Copa Airlines utiliza seu hub na Cidade do Panamá para conectar os passageiros a 78 cidades em 32 países da América do Norte, Central e do Sul e no Caribe.

Veja os novos voos a partir da região Nordeste do Brasil para 2018:

Gol: Fortaleza – Miami (sete voos semanais)

Gol: Fortaleza – Orlando (sete voos semanais)

Latam: Fortaleza – Orlando (dois voos semanais)

Latam: Fortaleza – Miami (aumento de mais um voo semanal)

Latam: Salvador – Miami (um voo semanal)

Latam: Salvador – Buenos Aires (um voo semanal – era temporário e vira definitivo)

Latam: Recife – Miami (aumento de mais um voo semanal)

Azul: Recife – Fort Lauderdale (três voos semanais)

Azul: Recife – Rosário (um voo semanal)

Azul: Recife – Córdoba (um voo semanal)

KLM: Fortaleza – Amsterdã (três voos semanais)

Air France: Fortaleza – Paris (três voos semanais)

Copa Airlines: Fortaleza – Cidade do Panamá (dois voos semanais)

Copa Airlines: Salvador – Cidade do Panamá (dois voos semanais)

Leia também:

Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

O que significam as placas, faixas e luzes nas pistas dos aeroportos?

Por que quase todos os aviões são brancos?

]]>
9
Vai viajar de avião? Veja seus direitos em caso de atraso ou cancelamento http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/09/atraso-cancelamento-de-voo-direito-dos-passageiros/ http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/09/atraso-cancelamento-de-voo-direito-dos-passageiros/#comments Fri, 09 Feb 2018 06:00:28 +0000 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/?p=6867

Companhia aérea tem de dar alimentação e hospedagem em caso de atraso de voo (Wilson Dias)

Em épocas de grande movimentação nos aeroportos, como Carnaval, as chances de ter um voo atrasado ou mesmo cancelado podem aumentar. Os imprevistos podem ocorrer tanto pelo excesso de tráfego aéreo em determinado aeroporto quanto por problemas climáticos, como chuva ou má visibilidade.

Seja qual for o motivo do atraso no voo, as companhias aéreas são obrigadas a prestar assistência aos passageiros, mesmo que elas não sejam as culpadas diretas pelo atraso. Os procedimentos que devem ser seguidos constam da resolução 400 da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil).

A informação sobre o atraso ou cancelamento do voo deverá ser prestada pela companhia imediatamente após ela saber do problema no voo. Além disso, as empresas devem manter os passageiros informados a cada 30 minutos em relaçao à previsão de partida dos voos atrasados.

Leia também:

Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

Não é só a cobrança de bagagem: conheça as novas regras para voos no Brasil

Vídeo mostra aproximação perigosa de drone com avião de passageiros nos EUA

Enquanto esperam pela decolagem, os passageiros têm o direito a receber assistência das companhias aéreas. “A assistência material consiste em satisfazer as necessidades do passageiro e deverá ser oferecida gratuitamente pelo transportador, conforme o tempo de espera, ainda que os passageiros estejam a bordo da aeronave com portas abertas”, determina o artigo 27 da resolução da Anac.

Com isso, as companhias aéreas são obrigadas a oferecer aos passageiros:

A partir de uma hora de atraso: comunicação (internet, telefone, entre outros).

A partir de duas horas de atraso: alimentação de acordo com o horário (voucher, refeição, lanche etc).

A partir de quatro horas de atraso: hospedagem (somente em caso de pernoite no aeroporto) e transporte de ida e volta. Se o passageiro estiver no local de seu domicílio, a empresa poderá oferecer apenas o transporte para sua residência e de sua casa para o aeroporto.

Quando o voo atrasar mais de quatro horas ou for cancelado, a companhia aérea deverá oferecer alternativas de reacomodação em outro voo, devolver o valor da passagem ou levar o passageiro por outra modalidade de transporte. Nesse caso, o passageiro é que deve escolher qual a melhor alternativa para ele. Caso opte pela remarcação do voo para outro dia ou prefira a devolução do dinheiro, a companhia aérea não precisará mais prestar a chamada assistência material naquele dia.

Em caso de remarcação, a empresa não poderá cobrar nenhuma taxa extra. O passageiro poderá optar por fazer uma reserva para o próximo voo para o seu destino. Nesse caso, o voo poderá ser feito na própria companhia aérea ou por outra empresa. Outra opção é remarcar a viagem para outra data, mas sem a possibilidade de trocar de companhia aérea.

Se a opção do passageiro for pelo reembolso, a companhia aérea deverá fazer a devolução do dinheiro em até sete dias, a contar da data da solicitação feita pelo passageiro. O pagamento deverá ser feito pelo mesmo meio utilizado na compra da passagem aérea. O reembolso também poderá ser feito em créditos para a aquisição de passagem aérea, desde que o passageiro concorde com essa opção.

Overbooking

Os passageiros que não conseguirem embarcar por overbooking [venda de passagem além da capacidade do avião] terão direito a receber uma indenização imediata. Isso ocorre quando a companhia aérea vende mais assentos do que os disponíveis no avião, há a necessidade de trocar o avião previsto por outro com menor número de assentos ou o avião precisa voar mais leve por motivo de segurança operacional, mesmo com alguns assentos vazios.

De acordo com as regras da Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), a indenização por passageiro para voos nacionais será de 250 DES (Direito Especial de Saque), o equivalente a R$ 1.177,25. Nas viagens internacionais, o valor é de 500 DES (R$ 2.354,50).

Como alternativa, as companhias aéreas também poderão se antecipar ao problema e negociar diretamente com os passageiros outros tipos de compensação para quem se oferecer como voluntário para embarcar em outro voo. O valor integral da multa será pago somente caso não haja voluntários suficientes no momento do embarque.

Além da indenização, a companhia aérea terá de oferecer as alternativas de reacomodação em outro voo, reembolso do preço da passagem ou execução do serviço por outra modalidade de transporte, de acordo com a opção do passageiro.

Leia também:

Aéreas são suspeitas de separar famílias para cobrar mais por assento junto

Aérea poupa R$ 10 mi em combustível com menos vinho a bordo e revista leve

As TVs individuais dos aviões podem estar com os dias contados?

]]>
7
Aéreas são suspeitas de separar famílias para cobrar mais por assento junto http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/08/companhias-aereas-cobranca-passageiros-marcacao-de-assento-voo/ http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/08/companhias-aereas-cobranca-passageiros-marcacao-de-assento-voo/#comments Thu, 08 Feb 2018 06:00:36 +0000 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/?p=6861

Reino Unido abriu investigação sobre prática das companhias aéreas (Getty Images)

A Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido (CAA, na sigla em inglês) abriu uma investigação para verificar se as companhias aéreas que operam no país estão separando de forma proposital os passageiros que viajam acompanhados para forçá-los a pagar a taxa extra de marcação de assentos, e só assim terem a garantia de viajarem lado a lado.

No momento da reserva da passagem, os clientes podem optar pelo preço mais baixo, que não permite a marcação antecipada de assento, ou pagar uma tarifa mais cara para reservar uma poltrona específica. Sem pagar a taxa extra, a companhia aérea determina qual o assento de cada passageiro, sem a garantia de que viajarão juntos.

Um relatório da CAA aponta que 18% dos passageiros que não pagaram a taxa extra tiveram de viajar separados de seus acompanhantes no avião.

A Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido afirmou que vai solicitar mais informações das companhias aéreas sobre políticas de marcação de assentos para averiguar se os passageiros estão sendo tratados de forma justa e se as políticas de preços são transparentes.

Leia também:

Aéreas cobram mais de R$ 100 só para marcar assento comum em voos longos

Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

As TVs individuais dos aviões podem estar com os dias contados?

“As práticas de marcação de assento das companhias aéreas estão claramente causando confusões nos clientes. As companhias aéreas estão no direito de cobrar a marcação de lugares, mas, se elas o fazem, isso deve ser de maneira justa e transparente. Nossa pesquisa mostra que alguns passageiros estão pagando para sentarem juntos quando, de fato, não precisariam”, afirma Andrew Haines, chefe-executivo da CAA.

No Brasil, as companhias aéreas também podem cobrar pela marcação de assento. Nos voos nacionais, nenhuma delas faz esse tipo de cobrança por enquanto. Porém, nos voos internacionais o valor por um assento comum pode passar de R$ 100.

Pesquisa diz que maioria paga só para ter a certeza de viajar acompanhada (Joel Silveira/Folhapress)

Aumento da receita das companhias aéreas

A cobrança pela marcação de assento tem representado um bom reforço de caixa para as companhias aéreas. “Resultados das nossas pesquisas mostram que os passageiros do Reino Unido podem estar pagando entre 160 milhões de libras esterlinas (R$ 722 milhões) e 390 milhões de libras esterlinas (R$ 1,7 bilhão) por ano para marcação de assentos”, afirma o relatório da CAA.

A CAA fez uma pesquisa com 4.296 passageiros que viajaram acompanhados, e cujas passagens haviam sido compradas juntas. Segundo a pesquisa, apenas metade afirmou ter sido avisada pelas empresas, antes da compra da passagem, que teria de pagar para ter a certeza de sentar junto com seu acompanhante. Outros 10% afirmaram terem sido avisados somente após a compra dos bilhetes. O restante disse que nunca foi avisado do risco de terem de sentar separados.

“Embora a maioria dos pesquisados tenha sido informada que eles poderiam não sentar juntos mesmo fazendo a reserva em grupo, quase metade acreditava que a companhia aérea os colocariam automaticamente juntos. Por outro lado, dois em cada cinco [40%] responderam que achavam que as empresas não os colocariam juntos automaticamente”, diz o relatório da CAA.

Segundo a pesquisa do órgão do Reino Unido, entre os passageiros que pagaram a mais para reservar o assento antecipadamente, 60% afirmaram que só fizeram por conta do risco de a companhia aérea separar o grupo que viajaria junto.

Risco para a segurança do voo

A questão não trata apenas de conforto ou conveniência dos passageiros e pode afetar até mesmo a segurança do voo, conforme a Autoridade de Aviação do Reino Unido afirma em seu site.

A recomendação da CAA é de que “crianças e bebês acompanhados por adultos deveriam, idealmente, sentar na mesma fileira. Quando isso não for possível, deverão ser separados por não mais do que uma fileira dos adultos acompanhantes”.

“Isso é necessário porque a velocidade de evacuação de emergência pode ser afetada pelos adultos tentando pegar suas crianças”, afirma a CAA.

Ryanair é a empresa que mais separa passageiros no Reino Unido (Divulgação)

Companhias que mais separam os passageiros

O risco de viajar separado do seu grupo pode variar de acordo com cada companhia aérea. “A pesquisa sugere que os passageiros têm melhor chance de sentarem juntos sem pagar a mais em algumas companhias aéreas do que em outras”, afirma a CAA.

Veja o ranking elaborado pela Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido com as empresas que mais separam passageiros que viajam acompanhados.

Ryanair: 35%

Emirates: 22%

Virgin Atlantic: 18%

Jet2.com: 16%

British Airways: 15%

easyJet: 15%

Thomas Cook: 15%

Flybe: 12%

TUI Airways: 12%

Monarch Airlines (empresa faliu no ano passado): 12%

Leia também:

Dono de jatinho paga R$ 37 mil para estacionar e embarca sem fila e raio-x

Aérea poupa R$ 10 mi em combustível com menos vinho a bordo e revista leve

Caça da Boeing que faria Brasil-Japão em 3h só será viável em 10 a 20 anos

]]>
5
Vídeo mostra aproximação perigosa de drone com avião de passageiros nos EUA http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/05/video-mostra-aproximacao-perigosa-de-drone-com-aviao-de-passageiros-nos-eua/ http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/02/05/video-mostra-aproximacao-perigosa-de-drone-com-aviao-de-passageiros-nos-eua/#comments Mon, 05 Feb 2018 17:32:20 +0000 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/?p=6854

Um drone fez uma aproximação perigosa com um avião de passageiros que se preparava para pousar no aeroporto de Las Vegas, nos Estados Unidos. Em vídeo publicado nas redes sociais da comunidade Drone U, após decolar, o drone ganha altura rapidamente e filma, por cima, a passagem de um avião de passageiros da companhia aérea Frontier Airlines.

Segundo o jornal “Las Vegas Now”, da rede de TV CBS, o drone decolou do Whitney Park, a cerca de 7 km do aeroporto de Las Vegas internacional McCarran. O vídeo foi divulgado no final da última semana, mas não é possível saber a data exata do incidente.

Em novembro, a presença de um drone próximo ao aeroporto de Congonhas, em São Paulo, suspendeu os pousos e decolagens por mais de duas horas.

A FAA, autoridade aeronáutica dos Estados Unidos, afirmou que abriu uma investigação para apurar o caso. Segundo um relatório divulgado pela FAA no ano passado, o órgão recebe mais de 100 notificações por mês sobre a presença de drones na rota de aviões, tanto comerciais como particulares.

Leia também:

Conheça as regras para o tráfego aéreo de drones no Brasil

Aérea poupa R$ 10 mi em combustível com menos vinho a bordo e revista leve

Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

Segundo as regras da FAA, os drones não podem voar a menos de 8 km dos aeroportos. Os pilotos particulares de drones que descumprirem as regras podem receber multa de US$ 1.437 (R$ 4.655). Se o voo irregular for feito por alguma empresa, a multa sobe para US$ 32.666 (R$ 105,8 mil). Além da multa, o piloto pode responder criminalmente pelo ato, com pena de até três anos de prisão e multa de US$ 250 mil (R$ 810 mil).

Ao divulgar do vídeo, a comunidade Drone U repudiou o voo do equipamento na rota de aproximação dos aviões comerciais. “Queremos condenar completamente esse ato imprudente e criminoso. As ações desse piloto colocam os passageiros de avião em risco e denigrem toda uma indústria. Na nossa opinião, o piloto deve receber uma punição rápida e justa. Não há desculpa para esse tipo de comportamento criminoso”, afirma.

Drone fechou Congonhas em novembro

No dia 12 de novembro, um drone também colocou em risco os voos no aeroporto de Congonhas. O drone foi avistado por um piloto, que avisou a torre de controle do aeroporto sobre o perigo. Cerca de 35 voos tiveram de ser desviados ou cancelados naquele dia.

No Brasil, os voos de drones são proibidos em uma distância mínima de 9 km do aeródromo, incluindo as zonas de aproximação e de decolagem. Mesmo assim, fora dessa área, há necessidade de autorização para realização do voo.

A pena varia entre dois e cinco anos de prisão ao piloto, segundo o Código Penal Brasileiro.

Leia também:

Jatinho mais barato do mundo tem só um motor e paraquedas de emergência

Por que alguns aviões têm as pontas das asas dobradas?

Qual avião é mais seguro de voar: um grande ou um pequeno?

]]>
11
Latam muda cobrança de bagagem; 1ª mala sobe 33% e vai de R$ 30 para R$ 40 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/01/29/latam-muda-cobranca-de-bagagem/ http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/01/29/latam-muda-cobranca-de-bagagem/#comments Mon, 29 Jan 2018 16:13:00 +0000 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/?p=6812

Latam muda tabela de preços para transporte de bagagem em voos nacionais (Divulgação)

A Latam mudou nesta segunda-feira (29) a forma de cobrança para as bagagens despachadas em voos nacionais. Com a alteração da tabela de valores, o preço para quem comprar o transporte de uma mala de até 23 kg no momento da emissão do bilhete subiu 33%, passando de R$ 30 para R$ 40. A inflação desde o início da cobrança das bagagens (junho/17) até dezembro (último dado disponível) foi de 1,5%.

Em algumas situações, houve redução no preço das bagagens, mas em porcentagens menores.

O passageiro pode adquirir o serviço de despacho de bagagem durante a compra da passagem ou a qualquer momento antes do voo. No entanto, havia diferença de preços se o pagamento fosse feito junto com a compra da passagem ou depois da emissão do bilhete.

Leia também:

Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

As TVs individuais dos aviões podem estar com os dias contados?

Por que o embarque de passageiros é sempre pelo lado esquerdo do avião?

Com a nova tabela de preços, a Latam decidiu unificar os valores. “A companhia não fará mais distinções entre os valores cobrados no momento da emissão do bilhete e de forma antecipada, a qualquer momento antes do embarque”, afirma a empresa em comunicado.

Com isso, houve também uma redução de 20% para quem compra o serviço após a emissão do bilhete, mas ainda antes do check-in no aeroporto. Nesse caso, o preço para transportar uma mala de até 23 kg caiu de R$ 50 para R$ 40.

Os passageiros que precisem levar uma segunda mala na viagem também terão um custo adicional quando o serviço for adquirido no momento da compra da passagem. O valor para o transporte da segunda mala subiu de R$ 50 para R$ 60, um acréscimo de 20%.

A partir da terceira mala despachada, não houve mudança de preço (R$ 80) para pagamento na hora da emissão do bilhete. Para compras antes do check-in, houve uma queda de 27%, passando de R$ 110 para R$ 80.

Os valores cobrados pela Latam para pagamento pelo transporte de bagagem no momento do check-in no aeroporto não sofreram alterações.

Veja a nova tabela de preços:

1ª mala de até 23 kg:

Pagamento junto com a emissão da passagem: R$ 40 (eram R$ 30)

Pagamento após a compra da passagem e antes do embarque: R$ 40 (eram R$ 50)

Pagamento no momento do check-in no aeroporto: R$ 80 (eram R$ 80 mesmo)

2ª mala de até 23 kg:

Pagamento junto com a emissão da passagem: R$ 60 (eram R$ 50)

Pagamento após a compra da passagem e antes do embarque: R$ 60 (eram R$ 80)

Pagamento no momento do check-in no aeroporto: R$ 110 (eram R$ 110 mesmo)

A partir da 3ª mala de até 23 kg:

Pagamento junto com a emissão da passagem: R$ 80 (eram R$ 80 mesmo)

Pagamento após a compra da passagem e antes do embarque: R$ 80 (eram R$ 110)

Pagamento no momento do check-in no aeroporto: R$ 200 (eram R$ 200 mesmo)

Leia também:

Quer economizar na passagem aérea? Aprenda a usar programas de fidelidade

Dono de jatinho paga R$ 37 mil para estacionar e embarca sem fila e raio-x

No começo da aviação, cocô e xixi eram jogados no ar; e agora como é?

]]>
50
Boeing já teve empresa aérea, que demorava 24h para cruzar EUA nos anos 20 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/01/26/companhia-aerea-da-boeing-historia-da-aviacao/ http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/01/26/companhia-aerea-da-boeing-historia-da-aviacao/#comments Fri, 26 Jan 2018 06:00:15 +0000 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/?p=6806

Boeing Air Transport foi criada para o transporte dos correios (Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

Maior fabricante mundial de aviões, a Boeing também já teve a sua própria companhia aérea. Em janeiro de 1927, de olho em contratos do governo dos Estados Unidos para o transporte de carga dos correios, o fundador da empresa, William Boeing, criou a Boeing Air Transport, com sede em Chicago.

Em maio do mesmo ano, a nova empresa ganhou a concorrência para operar a rota entre San Francisco e Chicago. Na época, o valor pago pelos correios era de US$ 6,36 por quilo de carga transportada. A contratação de uma empresa particular custava metade do que os correios gastavam para fazer o transporte por conta própria.

O primeiro voo oficial da Boeing Air Transport aconteceu em 1º de julho de 1927. Na cerimônia inaugural, a mulher de William Boeing, Bertha, foi a responsável por batizar o avião antes de decolagem.

O ato aparentemente simples causou forte polêmica na época. É que vigorava a Lei Seca nos Estados Unidos, que proibia fabricação, transporte e venda de bebidas alcoólicas. No entanto, a imprensa da época nunca chegou a uma conclusão definitiva se foi usada champanhe ou um tipo de suco de laranja efervescente. Segundo o historiador da Boeing Mike Lombardi, Bertha tinha a convicção de que tinha champanhe em suas mãos.

Leia também:

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

1ª piloto brasileira de avião casou com instrutor, e ele a proibiu de voar

No começo da aviação, cocô e xixi eram jogados no ar; e agora como é?

Antes de o primeiro voo da Boeing Air Transport decolar, o fundador da empresa ainda fez questão de ele mesmo receber a primeira mala das mãos do carteiro James E. Power e embarcá-la no avião.

O avião escolhido

William Boeing escolheu o avião Model 40A para cumprir as rotas da nova companhia aérea. O modelo foi o primeiro avião comercial da Boeing a fazer sucesso, já que era mais econômico e podia transportar mais carga e passageiros que seus concorrentes da época.

Para equipar a nova companhia aérea, a Boeing produziu 25 aviões do modelo, que foram entregues em apenas 40 dias. O Model 40A era um biplano, com capacidade para o piloto, dois passageiros e o compartimento de cargas.

O Model 40A não tinha condições de fazer um voo direto entre San Francisco e Chicago. Durante a viagem, o avião teve de fazer diversas paradas para reabastecimento e até troca dos pilotos. O primeiro voo aterrissou em Chicago somente na manhã do dia seguinte, mas dentro do horário previsto.

A primeira passageira

O voo de retorno teve um marco histórico tanto para a Boeing Air Transport como para toda a aviação. Ao decolar de Maywood, próximo a Chicago, o Model 40A levava a bordo a repórter do jornal “Chicago Herald and Examiner” Jane Eads, de 21 anos. Ela foi a primeira passageira da empresa e esse foi o primeiro voo transcontinental de uma companhia aérea de transporte de passageiros.

A viagem até San Fracisco durou cerca de 24 horas.

Em seu artigo, segundo o historiador da Boeing, Jane Eads teria relatado o desconforto de voar em aviões pequenos, com diversas paradas e com troca de aeronaves. Por outro lado, a repórter teria se encantando com o visual da viagem a 3 quilômetros de altitude e viajando a 160 km/h.

Aquisições e divisão da empresa

Em apenas seis meses de operação, a Boeing Air Transport já havia recuperado todo o investimento inicial feito por William Boeing. Nesse período, a companhia aérea transportou 525 passageiros e voou mais de 575 mil quilômetros, sem registrar nenhum incidente.

O fundador William Boeing continuava seus planos ambiciosos de expansão e se juntou a Fred Renschler, da Pratt & Whitney, para a aquisição de outras fabricantes de aviões e companhias aéreas. Surgia, assim, a United Aircraft and Transport Corporation, com a sigla UATC.

Os negócios iam bem, mas em 1934 a empresa foi obrigada a ser dividida em três partes e vendidas para grupos diferentes por conta do escândalo do correio aéreo de 1930. Após várias investigações, o governo cancelou todos os contratos e proibiu que fabricantes de aviões também fossem donos de companhias aéreas. As três empresas sobrevivem até hoje com os nomes de The Boeing Company (fabricante de aviões), United Technology (dona da marca Pratt & Whitney, fabricante de motores de aviões) e United Airlines (terceira maior companhia aérea do mundo).

Leia também:

Por que o embarque de passageiros é sempre pelo lado esquerdo do avião?

Por que as pessoas ficam bêbadas mais rapidamente quando estão num avião?

Por que alguns aviões têm as pontas das asas dobradas?

]]>
1
Número de passageiros em voos nacionais volta a subir após 2 anos de queda http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/01/23/passageiros-de-aviao-em-2017/ http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/01/23/passageiros-de-aviao-em-2017/#respond Tue, 23 Jan 2018 13:04:32 +0000 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/?p=6780

Aéreas brasileiras transportaram 89,9 milhões de passageiros em voos nacionais (Getty Images)

Por Vinícius Casagrande

O mercado aéreo brasileiro voltou a crescer no último ano após ter registrado dois anos seguidos de queda. O total de passageiros transportados pelas companhias aéreas em voos nacionais teve alta de 2,7% no acumulado entre janeiro e dezembro de 2017 na comparação com 2016, segundo dados divulgados nesta terça-feira (23) pela Abear (Associação Brasileira de Empresas Aéreas).

No último ano, as quatro principais companhias aéreas brasileiras (Gol, Latam, Azul e Avianca) transportaram 89,9 milhões de passageiros em voos domésticos. São 2,4 milhões a mais do que o registrado em 2016. No entanto, o número ainda é de 4,8 milhões a menos do registrado em 2014, quando foram transportados 94,7 milhões de passageiros.

Entre agosto de 2015 e fevereiro de 2017, o mercado nacional acumulou 19 meses consecutivos de queda no volume de passageiros. Com a recuperação a partir de março, o número total de passageiros teve o terceiro melhor resultado anual em 2017 (abaixo de 2014 e 2015, respectivamente), segundo os dados da Abear.

Leia também:

Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

As TVs individuais dos aviões podem estar com os dias contados?

Quer economizar na passagem aérea? Aprenda a usar programas de fidelidade

A recuperação do transporte aéreo no Brasil registrou em dezembro dez meses de crescimento contínuo. Com isso, as companhias aéreas voltaram a investir em novos voos e aumento da capacidade. A oferta de assentos disponíveis registra seis meses seguidos de crescimento.

No mês de dezembro, foram transportados 8,4 milhões de passageiros, um aumento de 5,76% em relação ao mesmo mês do ano anterior. Foi o segundo melhor dezembro da série história, atrás apenas de 2014, e o segundo melhor mês do ano, perdendo apenas para janeiro.

Com a recuperação, as companhias aéreas aumentaram a capacidade de assentos em 3,38%. Ainda assim, os aviões decolaram com mais passageiros a bordo. O fator de aproveitamento em cada voo teve alta de 1,91 ponto percentual, atingindo o índice médio de 83,29% de ocupação por voo no mês.

Número total de passageiros em voos nacionais:

2013: 88,9 milhões de passageiros

2014: 94,7 milhões de passageiros

2015: 94,6 milhões de passageiros

2016: 87,5 milhões de passageiros

2017: 89,9 milhões de passageiros

Participação das companhias aéreas:

Gol: 36,35%

Latam: 32,74%

Azul: 17,92%

Avianca: 12,99%

Mercado internacional

No mercado internacional, as companhias aéreas brasileiras registram o melhor ano histórico no número total de passageiros transportados no último ano, com o recorde de 8,4 milhões de passageiros e crescimento de 11,7% em relação a 2016.

A oferta registrou expansão de 10,61%, enquanto as empresas tiveram um aproveitamento médio de 84,81% no ano.

Número total de passageiros em voos internacionais transportados por companhias brasileiras:

2013: 6 milhões de passageiros

2014: 6,3 milhões de passageiros

2015: 7,2 milhões de passageiros

2016: 7,4 milhões de passageiros

2017: 8,4 milhões de passageiros

Participação entre as companhias aéreas brasileiras no mercado internacional:

Latam: 74,89%

Gol: 10,75%

Azul: 11,80%

Avianca: 2,56%

Leia também:

No começo da aviação, cocô e xixi eram jogados no ar; e agora como é?

Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica

Jato da Embraer é o único a pousar na ilha de Napoleão com vento de 90 km/h

]]>
0
As TVs individuais dos aviões podem estar com os dias contados? http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/01/21/as-tvs-individuais-dos-avioes-podem-estar-com-os-dias-contados/ http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/2018/01/21/as-tvs-individuais-dos-avioes-podem-estar-com-os-dias-contados/#comments Sun, 21 Jan 2018 06:00:05 +0000 http://todosabordo.blogosfera.uol.com.br/?p=6773

Monitores individuais podem ser substituídos por sistemas wi-fi (Divulgação)

Por Vinícius Casagrande

Diversas companhias aéreas estão abandonando os monitores individuais de TV a bordo de seus aviões para investir em opções mais baratas de entretenimento. Com mais empresas oferecendo wi-fi nas aeronaves, cresce a tendência de substituição das telas instaladas nos assentos por sistemas para os passageiros assistirem a filmes e seriados em seus próprios dispositivos, como smartphones, tablets e laptops.

A mudança de padrão no entretenimento a bordo deve acontecer, em um primeiro momento, somente nos aviões domésticos. Em rotas longas, as companhias aéreas internacionais continuam apostando nas telas individuais para distrair os passageiros durante as várias horas de voo.

As companhias norte-americanas são as primeiras a colocarem esse novo conceito em prática. É o que já tem acontecido, por exemplo, na American Airlines, United Airlines e Hawaiian Airlines, além da canadense WestJet.

A American começou a receber no ano passado os novos aviões Boeing 737 MAX, nova geração do jato mais vendido da história. As aeronaves já saem de fábrica com o wi-fi instalado, mas não contam mais com os monitores individuais. No site da empresa, o sistema de entretenimento nesses aviões é descrito como “dispositivo pessoal”.

A alegação das aéreas é que, cada vez mais, os passageiros têm optado para usar seus próprios aparelhos durante os voos em vez das telas individuais. “Faz mais sentido para a American focar em proporcionar aos clientes o melhor entretenimento e opções rápidas de conexão do que em instalar monitores nos assentos que irão se tornar obsoletos em poucos anos”, disse a companhia em um comunicado do ano passado.

Leia também:

No começo da aviação, cocô e xixi eram jogados no ar; e agora como é?

Veja 5 dicas para deixar seu voo mais confortável, até na classe econômica

Sabe o tamanho que sua mala de mão deve ter para viajar em qualquer aérea?

Instalação de cada monitor pode custar até US$ 10 mil (Divulgação)

US$ 10 mil por assento

Segundo um consultor ouvido pelo jornal “The New York Times”,cada tela individual pode custar até US$ 10 mil (R$ 32 mil) para as companhias aéreas. Em aviões com 200 lugares, isso daria um custo total de US$ 2 milhões (R$ 6,4 milhões) por aeronave.

Os monitores também exigem a instalação de muitos cabos para o seu funcionamento. Isso aumenta o peso do avião, que passa a gastar mais combustível.

Outras companhias aéreas não pensam, por enquanto, em abandonar as telas individuais. No Brasil, Avianca e Azul contam com os monitores instalados nos assentos, e não há planos para retirá-los, segundo as empresas. Já a norte-americana Delta Airlines adotou uma alternativa mais econômica.

Nos novos aviões do modelo Bombardier C Series, a companhia irá instalar tablets nas poltronas dos aviões. Todo o conteúdo será acessado via wi-fi.

Companhias alegam que passageiros preferem usar seus próprios dispositivos (Divulgação)

Menor custo de manutenção

Além de reduzir os custos com a instalação e manutenção dos monitores individuais, os novos sistemas aumentam a receita das empresas com a cobrança pelo acesso à internet.

A mudança pode ser uma perda para os passageiros que preferiam assistir a filmes e seriados nos monitores instalados nos assentos. No entanto, companhias aéreas que não contavam com as telas individuais passaram a ter ao menos alguma opção gratuita de entretenimento a bordo.

É o caso da brasileira Gol, que começou a oferecer em dezembro um sistema de transmissão de TV ao vivo em 81 aviões da companhia. O conteúdo pode ser acessado pelos dispositivos móveis dos passageiros.

No ano passado, a Latam também anunciou um projeto para equipar todos os seus aviões com internet wi-fi. A instalação começa neste ano e deve ser concluída até 2019. A empresa também tem o app Latam Entertainment, que permite aos passageiros assistirem a filmes pelos dispositivos móveis.

Leia também:

Dono de jatinho paga R$ 37 mil para estacionar e embarca sem fila e raio-x

Sonha em comandar um avião? Veja quanto custa formação básica de um piloto

Airbus faz reajuste e A380 fica R$ 30 milhões mais caro; veja outros preços

]]>
40